×

Crise Hídrica | Trabalhadores tem água racionada no interior de SP, por culpa de Doria e dos prefeitos

Racionamento da água é medida para livrar a cara dos capitalistas e do agronegócio, que são os verdadeiros culpados pela crise hídrica, pois destroem a natureza com sua exploração agressiva, e que desperdiça 70% de toda água doce do Brasil, fazendo com que seja classe trabalhadora e povo pobre que pague pela crise hídrica e climática que eles mesmos criaram.

quarta-feira 14 de julho | Edição do dia

Foto: Governo do Estado de São Paulo/Divulgação

Com a queda nos níveis dos reservatórios e o período de estiagem algumas cidades do interior de São Paulo já passaram a adotar algum tipo de racionamento de água.

A farsa da crise hídrica: empresas esvaziam reservatórios de hidrelétricas para lucrar mais

Moradores da cidade de Itu, que tem 170 mil habitantes, temem que a cidade reviva o drama de 2014, quando a cidade ficou 10 meses vivendo o maior racionamento de água da sua história.

Em mais um ataque à classe trabalhadora, conta de luz irá subir 60% em julho

A cidade entrou em rodízio na semana passada, enquanto há o pior déficit de chuva em 91 anos, com os mananciais de Itu operando hoje com 32% da capacidade. Além disso, há a possibilidade do racionamento ser mais severo do que já está.

Desmatamento da Amazônia pelo agronegócio tem ligação direta com a crise hídrica e energética

Em algumas regiões o corte da água se dá dia sim, dia não; em outros lugares é cortado nas segundas e quintas-feiras. Mas em todas as regiões é a classe trabalhadora e o povo pobre que sofre, principalmente no meio da pandemia, pois não podem realizar tarefas necessárias para o dia-a-dia, como se hidratar, realizar limpezas, alimentação e higiene etc.

“Estamos vivendo uma situação horrível. Tenho conseguido diminuir o problema, porque vou buscar água numa mina, que fica aqui perto de casa”, contou Maria Gervásio, 57, que diz que mesmo morando em região onde o rodízio previsto deveria ser de abastecimento dia sim, dia não, as torneiras de sua casa, na Vila Santa Rosa, estão secas há cinco dias.

Júlia Araújo Alves e seu marido , James Carneiro, também buscam agua na mesma bica que Maria, e dizem que esperavam que haveria abastecimento no Parque das Rosas onde moram, mas isso não ocorreu. “Estamos sem água faz uma semana”, reclamou Júlia. “Pra beber, a gente está comprando água, mas para lavar roupa, tomar banho e todo o resto, a gente usa água da mina”.

Já o contador João Fernando Franquini, que esteve na fonte pela manhã, foi atrás de água da bica para poder ter água para se hidratar. “É boa”, disse o trabalhador.

Rosana Aparecida dos Santos, auxiliar técnica de enfermagem, também usa a água da mina para beber, enquanto convive, desde a semana passada com o problema de falta d´água no Parque América, onde mora. “Acho que a água daqui é mais garantida que a da rua”, disse ela.

Lucimary Pereira, moradora do bairro rural do Pinheirinho reclama, dizendo que na região "estamos vivendo uma calamidade”. “Estou sem água desde o dia 5 (...) Eu tenho de implorar para a prefeitura mandar uns caminhões-pipa. Pedi na segunda-feira cedo, mas até agora não chegou". Ela e os dois filhos de 11 e 17 anos, foram infectados pelo vírus da Covid-19, não podendo sair de casa por conta dos protocolos sanitários.

“Sem água, a gente está tendo muita dificuldade em manter a higiene, por exemplo. Minha casa fede a cândida”, disse ela, referindo-se a água sanitária. “Quando alguém faz xixi, não damos descarga”, diz Lucimary.

A cidade de Salto, com 110 mil habitantes e a cerca de 10km de Itu, também vem passando por racionamento e crise hídrica, não havendo prazo para a duração do rodízio.

Ministro fala sobre redução de energia domiciliar, mas empresas são as que mais consomem

São José do Rio Preto (440km de São Paulo) tem racionamento das 13 às 20 horas, em 15 regiões da cidade, afetando aproximadamente 100 mil pessoas.

A cidade de Franca (400km de São Paulo) está de sobreaviso, tendo baixa pluviometria registrada no período de outubro de 2020 a março de 2021 e a maior queda da vazão dos mananciais que abastecem a cidade em duas décadas.

Mas essa crise foi criada por Bolsonaro, Mourão, Salles, que garantiu as queimadas da Amazônia, em conjunto com João Dória, os prefeitos de SP e demais políticos burgueses do Brasil, que garantem os lucros bilionários dos capitalistas, enquanto os trabalhadores, que não geraram a crise, são obrigados a pagar por ela.

Veja mais: Crise hídrica, aumento da luz e privatizações: não podemos pagar pela crise dos capitalistas




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias