Internacional

ARGENTINA

Axel Kicillof, governador kirchnerista de Buenos Aires, endossou a repressão na ocupação de Guernica

Fez esta declaração durante uma entrevista na rádio, na manhã desta quarta-feira. Apoiou as alegações frouxas dos documentos dos especuladores imobiliários e mentiu dizendo que é obrigado a cumprir a decisão judicial. Enquanto isso, cresce a solidariedade e o apoio de amplos setores para esta luta.

quarta-feira 14 de outubro| Edição do dia

Na manhã desta quarta-feira, dando uma entrevista para a Radio Con Vos, Axel Kicillof endossou a repressão contra as famílias pobres que lutam por terra e moradia em Guernica. Durante a entrevista afirmou que “existe ali uma ocupação de terreno que tem donos, que fizeram uma denúncia a um juíz. O juíz, o promotor, o sistema judiciário, decidiu que tem que existir reintegração. A polícia do estado, as forças de segurança são auxiliares da Justiça. Quem define as condições de reintegração é um juíz. E é uma decisão judicial. Nós não podemos, se a decisão do juíz é contrário, fazer algo diferente dela”.

Leia também: Guernica: o governo nacional diz que não há crime, mas Larroque e Berni querem despejar as famílias

As declarações do governador ocorrem um dia antes de que se cumpra o prazo inicial da resolução judicial que determina a reintegração de posse das famílias que buscam retomar terras em Guernica para garantir seu direito à moradia.
Confirmam a linha política do governo estadual, abertamente favorável aos interesses dos grandes grupos imobiliários. E completamente oposta ao direito à moradia destas famílias pobres.

Isso já tinha se desmontrado ontem (terça-feira), com a repressão levada adiante pela Polícia do estado de Buenos Aires contra as famílias de Rafael Castillo que existem moradia.

Enquanto o governador endossa a eventual reintegração de posse e repressão, cresce a solidariedade e o apoio de diferentes setores que não apenas dão declarações mas que se colocam fisicamente par enfrentar a atuação das forças de segurança.

Durante esta quarta-feira acontecerão ações solidárias na Cidade de Buenos Aires e em outros lugares do país. Ao mesmo tempo são construídas manifestações e mobilizações para a quinta-feira de manhã se o Governo, o Poder Judiciário e a polícia decidem avançar contra as famílias pobres.

Leia também: Em Guernica, a Polícia prendeu três jovens que pedem por moradia

Já na manhã desta quarta-feira, enquanto Kicillof fazia declarações a favor dos grandes especuladores imobiliários, os trabalhadores e trabalhadoras da fábrica sob controle operário Madygraf se manifestavam na rota oeste da Panamericana na altura do km 36.7, na zona norte da região metropolitana de Buenos Aires. Nesta manifestação exigiam uma solução para a demanda por moradia de Guernica, ao mesmo tempo que anunciavam que estarão presentes caso a repressão ocorra.

Leia também: Neste Dia das Crianças, lutemos como as meninas e os meninos de Guernica!




Tópicos relacionados

Guernica   /    Internacional

Comentários

Comentar