Sociedade

CONTRA A PRIVATIZAÇÃO DA CEDAE

Quem são os capitalistas que querem lucrar com a sua água vendendo a CEDAE?

Quatro grandes grupos se credenciaram a participar do leilão que irá rifar a água e o saneamento público do carioca e fluminense, vendendo a preço de banana a CEDAE, Companhia Estadual de Águas e Esgoto.

sexta-feira 30 de abril| Edição do dia

Imagem: Estação de tratamento/Divulgação Cedae

Quatro grupos capitalistas se candidatam a participar do leilão que irá rifar a CEDAE, Companhia Estadual de Águas e Esgoto do Rio de Janeiro.

Os grupos são o “consórcio Redentor", que tem a Equatorial Energia como principal gestora, o grupo “Rio Mais - Operações de Saneamento”, que tem dois grupos por trás, a canadense Brookfield(que opera por sua empresa BRK Ambiental) como principal acionista, junto da Águas do Brasil.

Entram também na tentativa de compra a Aegea Saneamento e Iguá Saneamento.

Conheça cada grupo capitalista, onde atuam e seus interesses:

Do consórcio “Rio Mais - Operações e Saneamento”, o grupo Águas do Brasil já controla áreas do estado do Rio de Janeiro privatizadas anteriormente, como das cidades de Campos dos Goytacazes, Niterói, Petrópolis, Nova Friburgo, Saquarema, Araruama e Silva Jardim.

A Águas do Brasil tem em seus quadros societários as empresas Queiroz Galvão e Carioca Engenharia, empresas envolvidas em esquemas de financiamento irregular de campanhas políticas.

Leia: 5 motivos para lutar contra a privatização da CEDAE

Em sua subsidiária de Campos dos Goytacazes, Águas do Paraíba, cobra a tarifa mais cara do Brasil por coleta de esgoto e fornecimento de água. Na região a empresa é uma das campeãs de reclamação da populaçãopelos maus serviços prestados, ocupando o nada positivo segundo lugar do Procon.

A BRK Saneamento, braço “ambiental” da monopolista financeira Brookfield, é uma das responsáveis diretas pela alta poluição da baía de Sepetiba, localizada a oeste da Cidade do Rio de Janeiro.

A Brookfield também está intimamente ligada com o processo de privatização dos gasodutos da Petrobras.

Já do “consórcio Redentor” a Equatorial Energia tem entre seus principais acionistas a Blackrock, que é o maior fundo de investimento do mundo e a Opportunity, que foi fundada por ninguém menos que Paulo Guedes, o atual ministro da economia do genocida Bolsonaro.

Leia também: Com CEDAE privatizada, 80% dos funcionários estão ameaçados, 4 mil seriam demitidos

A “AEGEA Saneamento” é controlada pelo Fundo Soberano de Singapura(GIC) e acabou de ter 10% comprado pelo Banco Itaú. Já a Iguá Saneamento tem ligações com um fundo canadense e com o Bradesco.

As ligações abertas destes grupos e monopólios capitalistas ao mercado financeiro e de ações mostram que de nada se importam com a qualidade da água do Rio de Janeiro e sim com o quanto lucrarão com um bem público como água, a encarecendo cada vez mais.

Acompanhe no Esquerda Diário tudo sobre a luta dos trabalhadores da CEDAE contra a privatização da empresa!




Tópicos relacionados

Grande Rio   /    BolsonaroGenocida   /    Cláudio Castro   /    Bolsonaro   /    Paulo Guedes   /    Privatização da Água   /    CEDAE   /    Privatização   /    Sociedade   /    Rio de Janeiro   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar