Educação

REABERTURA DAS ESCOLAS EM SP

Contra o retorno presencial inseguro: envie ao Esquerda Diário a situação da sua escola

O Esquerda Diário abre uma campanha com um chamado a todos os trabalhadores da educação, familiares e alunos para que enviem denúncias desmascarando Doria e Covas que querem impor um retorno presencial inseguro das aulas durante recrudescimento da pandemia, enquanto a maioria das escolas não possuem estrutura para um retorno com segurança sanitária. A comunidade escolar, junto com os trabalhadores da saúde, é quem deve decidir quando e como será a reabertura das escolas.

terça-feira 2 de fevereiro| Edição do dia

João Doria e Bruno Covas (ambos PSDB), junto com seus secretários da educação - Rossieli Soares (estado) e Fernando Padula (município) - querem impor um retorno inseguro contra a vida da classe trabalhadora e dos mais pobres. Enquanto mentem com a ajuda da mídia burguesa, sabe-se que a grande maioria das escolas não possuem estrutura para o retorno, muito menos todos os insumos para a proteção sanitária nas unidades.

Pode interessar: 10 ataques que mostram o ódio de Bruno Covas pela Educação de São Paulo.

Já no primeiro dia em que os professores retornaram às escolas, já recebemos denúncias de que não existem merendas e nem merendeiras em muitas escolas. Isso já mostra a mentira do governo que, nas redes sociais e propagandas, prometeu que todos os alunos da rede estadual teriam merendas já em 1º de fevereiro. Algumas escolas estão oferecendo apenas merenda seca.

Durante toda a pandemia, o governo não garantiu o auxilio merenda para os alunos, os abandonando sem merenda por um lado - junto com a falta de apoio para o acesso ao EAD -, e atacando os direitos e fazendo famílias colherem desemprego por outro. Agora, usam da mentira de merenda para que as famílias mais vulneráveis se sintam obrigadas a levarem seus filhos para comer.



Imagens: reprodução

As trabalhadoras da cozinha, que sãoterceirizadas, foram demitidas depois do fechamento das escolas em 2020. Nem o governo do estado e nem do município se responsabilizaram pelas vidas dessas trabalhadoras, as deixando, junto com seus familiares, também vulneráveis e na fila do desemprego. Assim como outros professores com contratos precários que ficaram e seguem sem receber salário e auxílio emergencial durante todo esse período.

No país, quase 225 mil vidas já foram ceifadas pela COVID por causa dos interesses dos lucros de poucos. E só no estado de São Paulo, 53 mil pessoas morreram pelo coronavírus, ou seja, quase 1/4 do total de mortes em todo o país.

Enquanto Jair Bolsonaro (sem partido) segue esbanjando seu negacionismo e farreando "em leite condensado", Doria não foi uma real oposição, estando sempre junto ao regime golpista que se alinhou para atacar profundamente contra os direitos da classe trabalhadora. Agora, enquanto seus governos fazem demagogia sobre vacina, cabe ressaltar que a grande verdade é que não existe vacina no país, pois nem sequer metade dos trabalhadores da saúde poderão ser vacinados com a quantidade atualmente disponível.

Pode interessar: Contra Bolsonaro e Doria, batalhemos pela disponibilização universal da vacina.

O Esquerda Diário é uma mídia independente feita por e para o trabalhadores, por isso queremos dar voz aos milhares de professores, estudantes, familiares e trabalhadores da educação que sabem que precisamos desmascarar as cruéis mentiras de Doria e Covas sobre a realidade das nossas escolas.

Chamamos toda a comunidade escolar para nos enviar a real situação das escolas: a falta de merenda e de funcionários, as péssimas condições estruturais das unidades escolares e a falta de equipamentos e materiais básicos de segurança sanitária precisam ser denunciadas.

Neste momento, é crucial que a juventude e a classe trabalhadora se apoie em suas próprias forças. Por isso, quem deve decidir quando, como e quais são as medidas necessárias para um retorno seguro é a própria comunidade escolar com os trabalhadores da saúde.

Todas as denúncias recebidas serão divulgadas de forma ANÔNIMA, pois sabemos que a prefeitura e o estado atuam para impedir o direito de organização dos trabalhadores da educação e de todos os servidores públicos e trabalhadoras e trabalhadores terceirizados. Por isso garantimos a anonimidade para podermos mostrar o que é que essa gestão de Doria e Covas reservam para a vida da maior parte da população.

Entre em contato conosco pelo whatsapp (11) 97750-9596 ou pelo email [email protected]




Tópicos relacionados

Trabalhadores da educação   /    Vacina contra a covid-19   /    Golpistas   /    escolas públicas   /    escolas privadas   /    COVID-19   /    trabalhadores da saúde   /    pandemia   /    Bruno Covas   /    Governo Bolsonaro   /    Escolas   /    Professores São Paulo   /    Jair Bolsonaro   /    João Doria   /    Educação   /    Educação   /    Professores

Comentários

Comentar