Mundo Operário

AEROVIÁRIOS

Trabalhadora da Latam denuncia “o pesadelo da contaminação e das demissões”

Aeroviária relata o retorno do pesadelo de contaminação, demissões, rebaixamento do salário e corte de direitos vivido pela categoria de aeroviários.

sexta-feira 26 de março| Edição do dia

“Ano passado na primeira onda todas as empresas aéreas, Latam, Gol, Azul, aproveitaram para demitir, reduzir salário e cortar direitos e agora com a redução dos voos a ameaça voltou. As demissões já começaram nas empresas terceirizadas. E a gente sabe também que a Latam está querendo diminuir os salários dos comissários de bordo.”

As empresas terceirizadas Word Service e Dinata já estão demitindo se aproveitando da divisão da base sindical dos terceirizados. Enquanto isso, a Gol aproveita da situação para expandir a terceirização nas atividades principais, essa mesma empresa que já cortou VR dos trabalhadores. As demais empresas como a Latam também estão contratando para jornadas de apenas 4h e 3h horas, como salários que não dá nem para sobreviver, mas ao mesmo tempo reduzindo os efetivos e obrigando esses trabalhadores trabalharem a mais sem pagar hora extra.

Mas o depoimento da trabalhadora continua:

“A gente vive cotidianamente com colegas que estavam do nosso lado e depois ficamos sabendo que ficaram doentes, e a gente não tem direito a testes e quem fica doente nem pode fazer quarentena para não contaminar os outros. Trabalhamos com pessoas que estão doentes e podem estar contaminadas sem saber”

Esse é o relato de uma trabalhadora aeroviária da Latam. Com a nova onda e as novas cepas do coronavírus, trabalhadores dos aeroportos e das empresas aéreas revivem o pesadelo da contaminação em um dos setores mais expostos pela pandemia. Mesmo com a redução do turismo, o setor aéreo é estratégico e não pode parar, inclusive transportando vacinas e insumos hospitalares para todo o país. Ainda assim as empresas não oferecem testes para que haja a prevenção e controle de contaminação, o que seria o mínimo para frear o contágio. Enquanto isso, os aviões seguem subindo lotados, sem respeitar o mínimo de distanciamento exigido pelas normas básicas de prevenção.

Os aeroviários estão espremidos entre a ameaça do desemprego e a pandemia devido a política nefasta negacionista de Bolsonaro e o total desprezo dos governadores para com os trabalhadores. A categoria já se mobilizou no ano passado para tentar resistir e impedir a retirada de tantos direitos e as demissões. Mas o sindicato da categoria, dirigido pela CUT, jogou contra os trabalhadores, isolando a luta e negociando com a empresa pelas costas da categoria, tornando-os ainda mais vulneráveis nessa nova ofensiva das empresas aéreas que buscam de todas as formas manter suas enormes taxas de lucro retirando tudo que podem dos dos aeroviários.




Tópicos relacionados

LATAM   /    Pandemia   /    Demissões   /    Aeroviários   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar