×

Crise | Governo argentino prepara novas concessões à patronal

O ministro da Economia, Massa, analisa novas medidas para que o agronegócio venda os grãos retidos. O setor patronal não ficou satisfeito com os anúncios de terça-feira, pois esperava uma desvalorização ou queda nas retenções. Enquanto faltavam medidas para restabelecer a renda popular, novos benefícios estão sendo negociados para os setores mais concentrados.

segunda-feira 8 de agosto | Edição do dia

O novo secretário de Agricultura, Juan José Bahillo, antecipou na Rádio El Destape que o Governo gerará as condições para beneficiar os patrões agrários e que liquidem a produção agrícola para fazer dólares no Banco Central.

Bahillo afirmou na entrevista ao mesmo meio que "o campo propõe uma maior competitividade do dólar. Como referencial teórico, isso pode ser feito de duas maneiras. Por um ajuste da taxa de câmbio que não está previsto e por uma modificação nas retenções, mas também a estabilidade e a previsibilidade macroeconômica são propostas". Ou seja, os patrões buscam uma desvalorização para melhorar seus lucros ou uma redução nas retenções.

Ele justificou as especulações do agronegócio apontando que "é lógico que, no meio da instabilidade, com expectativas de mudanças, num contexto inflacionário, os produtores se segurem", e esclareceu que o governo vai procurar "gerar tranquilidade" para que os donos das Fazendas vendam seus produtos. Bahillo fala de tranquilidade para quem especula, enquanto o povo trabalhador paga os custos da inflação.

Nesta terça-feira o ministro da Economia, Sergio Massa, anunciou um acordo para que as cadeias de valor da pesca, agricultura, mineração e outras adiantem exportações e que entrem US$ 5 bilhões nos próximos 60 dias. O acordo não representaria um salto nas exportações. Como aponta Pablo Anino no boletim El Juguete Rabioso, “no primeiro semestre, as exportações atingiram uma média de US$ 7,4 bilhões por mês, para os quais o avanço de US$ 5,0 bilhões em sessenta dias (US$ 2,5 bilhões por mês) não é um grande compromisso de exportação. Resta saber se os avanços realmente implicam em vendas externas que elevam substancialmente a média de US$ 7,4 bilhões por mês na primeira parte do ano”.

Quais são as medidas que analisa o Governo?

O governo está avaliando novas medidas para beneficiar os patrões e receber os dólares, que estão escassos. Por exemplo, a jornalista Noelia Barral Grigera, por meio do Twitter, explicou que "O secretário de Agricultura, Juan José Bahillo, confirma em @_IPNoticias que o incentivo à agricultura, mineração e pesca para avançar as exportações em u$s5.000M consiste de estender o "dólar da soja" a esses setores, que também se estenderá além de agosto”. Além disso, foi concedida aos patrões agrários a possibilidade de acessar um dólar mais barato do que os paralelos, que seria de 30% do que vendem. Isso significa uma melhora em torno de 12/15%, mas o agronegócio exige mais para vender soja. Um setor que chantageou com lockout, especula e retém grãos, mas que o Governo premia e prepara novos benefícios.

El Cronista anunciou que “o governo está propondo duas ’cenouras’ ao setor agroexportador para que ele possa trazer dólares. A primeira, a extensão dos depósitos em pesos atrelados à moeda norte-americana a todas as empresas que encaminham exportações (...) A segunda, mais importante para as empresas cerealíferas, consiste na possibilidade de lhes permitir manter em dólares as notas que trouxe para pré-financiar as exportações, em vez de ter que liquidá-las à taxa de câmbio oficial. Além disso, o Banco Central pagará uma taxa de juros por esses depósitos.”

Atualmente, a obrigação legal das empresas é liquidar esses dólares em 15 dias. A partir de uma medida desse tipo, poderiam mantê-los e deixá-los depositados no Banco Central.

Outra medida em estudo seria a eliminação do prazo de 15 dias que o Banco Central estabeleceu para liquidar em pesos a moeda estrangeira que entra com a exportação de produtos agrícolas, tanto cereais como soja, segundo Ámbito. Essas medidas serão suficientes para os patrões venderem ou continuarão pressionando por um câmbio mais alto? É esperar para ver.

O setor está concentrado em poucas mãos. O especialista Juan Manuel Villulla da Front Line explicou que, segundo dados do Ministério da Agricultura, “10% das empresas monopolizam 60% das terras plantadas com soja e estima-se que controlem 80% da produção. Esse é exatamente o tipo de empresa que tem respaldo financeiro para evitar – e até participar – de uma corrida contra o peso, na expectativa de obter mais pesos para a mesma produção dolarizada.” São "apenas 5.500 empresas agrícolas perfeitamente identificáveis", acrescentou o especialista.

As medidas oficiais não atacam o sangramento de dólares do país. A falta de dólares é produto de uma estrutura econômica atrasada, fuga de capitais, pagamentos de dívidas e transferências de lucros para suas matrizes por empresas estrangeiras. É por isso que a esquerda propõe um monopólio estatal do comércio exterior administrado pelos trabalhadores, que permitiria administrar os dólares gerados pelas exportações a partir das necessidades de uma produção a serviço da maioria popular e não do lucro de alguns. É importante gerenciar as importações e priorizar a compra do que é necessário para a operação produtiva e atendimento das necessidades da população. A nacionalização dos portos que agora estão em mãos privadas também é necessária, e a expropriação dos 4.000 grandes proprietários, entre outras medidas como a nacionalização do sistema bancário, o desconhecimento soberano da dívida, entre outras.




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias