Educação

SÃO PAULO

Doria mantém escolas particulares abertas para atender aos empresários da educação

O governo do estado de São Paulo anunciou uma série de novas medidas com a intenção de combater o ritmo acelerado de contaminação por covid-19. Entre elas, a suspensão das aulas nas escolas estaduais. Entretanto, redes municipais e particulares ainda podem funcionar com até 35% de sua capacidade.

quinta-feira 11 de março| Edição do dia

Foto: Governo do Estado de São Paulo

No pior momento da pandemia desde seu início, quando mais um recorde de óbitos diários foi batido, o governador do estado de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou várias medidas de fechamento de setores da economia, com a justificativa de frear o acelerado ritmo de contágio de covid-19.

Entre as medidas anunciadas estão a suspensão de cultos religiosos presenciais, eventos esportivos (como jogos de futebol), toque de recolher entre 20h e 5h, suspensão das aulas presenciais na rede estadual de ensino, com escolas podendo abrir para oferta de merenda.

Apesar disso, atendendo a pressão dos empresários da educação, escolas particulares poderão continuar tendo aulas presenciais com até 35% dos alunos. Preocupado com seus lucros, estes empresários estão dispostos a colocar em risco a vida de professores, estudantes e familiares. O funcionamento das redes municipais de ensino fica a cargo das prefeituras decidirem, mas também estão autorizadas a ter aulas presenciais.

Doria, que demagogicamente buscou fazer oposição ao discurso negacionista de Bolsonaro e o governo federal, mais uma vez tenta aparecer como setor responsável e preocupado com a saúde da população. O limite dessa preocupação fica explícito ao colocar como prioridade o lucro dos empresários da educação ao invés da segurança de professores e estudantes. Ou ao determinar o fechamento de setores da economia, mas não garantir uma renda básica para que os trabalhadores possam ficar em casa. Estes são alguns, entre tantos exemplos, que mostram Doria não é nenhuma alternativa ao negacionismo de Bolsonaro.

Veja a lista completa das novas restrições que passam a vigorar no estado a partir do dia 15 de março, com previsão inicial de durar até o dia 30:

  • Atividades religiosas, como missas e cultos, não podem mais ocorrer presencialmente, mas igrejas permanecem abertas.
  • Campeonatos esportivos profissionais, como jogos de futebol, ficam suspensos.
  • Lojas de material de construção não poderão abrir
  • Teletrabalho obrigatório para todas atividades administrativas não essenciais
  • Comércios e restaurantes não poderão operar com serviço de retirada presencial, apenas delivery (24h) ou drive-thru (das 5h às 20h)
  • Proibição do uso de parques e praias em todo o estado
  • Toque de recolher das 20h às 5h em todo o estado
  • Antecipação do recesso escolar na rede estadual



Tópicos relacionados

Coronavírus e Educação   /    Reabertura das escolas   /    escolas privadas   /    João Doria   /    São Paulo   /    Educação

Comentários

Comentar