×

CAPITALISMO | Bill Gates não salvará a humanidade da crise climática

A mídia o retrata como um "previsor" sistemático e infalível, mas suas projeções foram antecipadas por décadas pela ciência. Em seu novo livro, ele propõe ideias para combater a emergência climática.

terça-feira 16 de fevereiro | Edição do dia

Foto: Mike Cohen (Getty Images)

Tornou-se moda dizer que Bill Gates está correto em suas previsões. Já que a mídia presumiu que foi o empresário quem "previu" a covid-19 durante uma palestra do TED em 2015, foi seguido por manchetes como "Bill Gates, oráculo do coronavírus ...", "Bill Gates prevê 2.000 mortes por dia nos EUA. UU. "," Bill Gates prevê como será a vida ... ", e assim por diante até o infinito em toda a mídia do mundo. Agora, além disso, ele seria um especialista em crise climática.

"Por mais terrível que seja essa pandemia, a mudança climática poderia ser pior", disse ele em meados de 2020 em seu blog Gates Notes. Os cientistas têm dito isso nas sombras há anos, mas hoje todos aplaudem a "clarividência" do fundador da Microsoft, que lançou uma coletiva de imprensa virtual para apresentar seu próximo livro: Como evitar um desastre climático, que estará disponível online a partir de terça-feira.

Em seu site, Gates explica que o escreveu porque "estamos em um momento crucial" e celebra as "metas ambiciosas" de redução das emissões de gases de efeito estufa (GEE) pelos governos. Como um aceno ao ativismo climático, ele observa que há mais apoio do que nunca na população, especialmente no "movimento global liderado pela juventude".

Gates insiste em ser um "porta-voz" da emergência climática, embora admita que é "imperfeito" para a tarefa: ele é dono de enormes mansões e viaja para todos os lugares em um jato particular. No entanto, ele pede que não seja acusado de ser "hipócrita", pois é "um homem rico com uma opinião informada".

O que Gates propõe?

O objetivo do livro é apresentar seu plano para eliminar as emissões de GEE. Não reduzindo, diz Gates, mas eliminando nos próximos cinquenta anos em todos os setores da economia. Embora prometa explicar como é difícil chegar a esse ponto, ele espera que "possamos fazer isso". Baseia-se em três noções: o desastre climático seria evitado se as emissões zero fossem atingidas, devemos recorrer com mais rapidez e inteligência às ferramentas que já temos, como a energia eólica e solar, e desenvolver novas tecnologias.

Ele minimiza o impacto de Greta Thunberg, considera as propostas da Extinction Rebellion muito "radicais" e chama o limitado New Deal Verde de Alexandria Ocasio-Cortez de um "conto de fadas". A solução que Gates propõe é tecnológica e, claro, ele tem uma empresa que pode oferecê-la: é a Breakthrough Energy, que investe em empresas “de ponta” em energias renováveis, financia “grandes pensadores” e tecnologias, ao mesmo tempo o tempo defende uma transição para energia limpa.

Pegando o desafio daqueles que torcem por suas "previsões", Gates confessa que vinte anos atrás ele "não teria previsto" que um dia falaria publicamente sobre as mudanças climáticas. Mas ele não é um visionário: a essa altura cientistas como James Hansen da NASA e os do Programa Internacional Geosfera-Biosfera já vinham alertando sobre o aquecimento global há décadas, embora com mais ameaças e menos atenção da mídia do que Gates.

No início dos anos 2000, o empresário passou a se dedicar em tempo integral à Fundação Bill e Melinda Gates, após gradualmente deixar cargos gerenciais em suas empresas, incluindo a Microsoft. Em suas viagens pela África e Ásia, ele "descobriu" a pobreza energética, via indireta pela qual se interessou pela crise climática global. Até então, diz Gates, cerca de um bilhão de pessoas careciam de energia, principalmente na África Subsaariana, um número que o empresário disse ter caído para 860 milhões nos últimos anos.

Gates conta na introdução de seu livro que não queria mudar a missão de sua fundação, então, para resolver esse problema, ele fez um brainstorm com “alguns amigos inventores”. Em 2006, antigos colegas da Microsoft e cientistas do clima trabalhando com ONGs de energia e clima forneceram a ele dados que relacionavam o aumento das emissões de GEE às mudanças climáticas.

Mas é aí que as conexões terminam: Gates evita associar essa mudança acelerada nas condições climáticas do planeta com o período histórico em que se originou após milhares de anos na história da humanidade. Para o bilionário, "seres humanos" são responsáveis ​​pelas emissões, não o capitalismo.

Nenhuma "revolução verde"

O entusiasmo do magnata, maior proprietário privado de terras agricultáveis ​​dos Estados Unidos, é conhecido pelos pacotes tecnológicos compostos por sementes de organismos geneticamente modificados e fertilizantes químicos associados, modelo agrotóxico sofrido por muitas comunidades no mundo. Em 2011, por meio de sua fundação, comprou ações da Monsanto, que acumulou milhares de denuncias e algumas condenações por poluição e doenças em trabalhadores e comunidades.

A Aliança para uma Revolução Verde na África (AGRA), que vem promovendo desde 2006, foi o pontapé inicial para a Syngenta, Dupont e a própria Monsanto pousarem no mercado africano. Essas empresas também “doaram” suas sementes transgênicas para agricultores pobres.


Foto: Fundação Bill e Melinda Gates

Longe de liderar uma "revolução verde" que tirou milhões da pobreza e da fome, não apenas a fome continua, mas os camponeses africanos estão cada vez mais atolados na pobreza, enquanto os lucros do agronegócio continuam aumentando. É uma "contra-revolução verde". É o que afirma Jan Urhahn, no número de dezembro da Jacobin , onde também afirma que, ao contrário do que afirma Gates, a fome não é um problema de produção, mas de distribuição.

Em seu artigo, Urhahn descreve a pressão da fundação Bill e Melinda Gates sobre os governos africanos para assumir sua agenda, o que resultou em subsídios estatais para que os agricultores comprassem sementes sintéticas e fertilizantes como parte do pacote de tecnologia da AGRA. Foi o que aconteceu na Etiópia, Quênia, Mali, Ruanda, Zâmbia e Tanzânia. Isso não impediu que o continente africano sofresse uma crise alimentar de 2007 a 2008 e até mesmo importasse alimentos.

Quinze anos após a "revolução verde" que não foi, agora a fundação de casamento lançou The Bill & Melinda Gates Agricultural Innovations LLC (Gates Ag One), cujo objetivo é "acelerar o desenvolvimento de inovações" no campo agrícola para proporcionar aos pequenos agricultores de ferramentas e recursos tecnológicos “para sair da pobreza”. Depois de uma década e meia tentando a "revolução verde", agora o novo negócio é acelerar a penetração da biotecnologia em áreas rurais muito pobres.

Embora seja voltado especialmente para a África Subsaariana e Sul da Ásia, Gates Ag One já tem sua contrapartida em países como a Argentina, onde se chama Ag Tech e se propõe a partir de cultivos transgênicos para desenvolver “touros e vacas de alta qualidade”.


Foto: Elon Musk e Bill Gates

O mito do "magnata salvador"

É preciso dizer: Gates foi, entre nossos contemporâneos, um dos pioneiros na construção de uma imagem do "salvador capitalista da humanidade", em consonância com sua posição no pódio dos mais ricos do mundo e enquanto a melhor ciência disponível desde a década de 80 ofereceu um panorama emergencial nos limites planetários, mesmo com a possibilidade de pandemias oriundas da depredação ambiental.

Ele soube se cercar de outros super-ricos e "filantropos" como Warren Buffet, o investidor com ações na Kraft, Bank of America, Apple, Moody’s e outras empresas que se ofereceu para doar 99% de sua fortuna para o fundação, que distribui milhões de dólares para mais de cem países, especialmente para escolas, saúde, programas para agricultores africanos, pessoas que vivem com menos de dois dólares por dia, para "salvar as crianças" e até promover a "reinvenção do banheiro ", oferecendo tecnologias que, sem a necessidade de água, podem transformar resíduos em fertilizantes. Todos nós vimos a imagem de Gates sentado em um banheiro no meio da África.

Para os empresários bilionários, não basta monopolizar fortunas incomensuráveis: eles também querem deixar uma "mensagem" que instrui e ilumina uma sociedade ignorante que "está estragando tudo". Seu concorrente mais próximo durante décadas, o fundador da Apple, Steve Jobs, também carregou consigo a imagem de um guru nos últimos anos, por meio de palestras motivacionais e "filosóficas".

Eles foram seguidos por Elon Musk, que camufla os desenvolvimentos dos cientistas e técnicos de suas empresas e os subsídios estatais milionários como invenções de um gênio e um visionário, em um mundo onde parece não haver força de trabalho (exceto quando ele tem que forçá-lo para trabalhar na pandemia). Neste exato momento Jeff Bezos, dono da Amazon, foi despertado por um inesperado interesse em evitar a emergência climática após anos de reclamações sobre a quantidade exorbitante de emissões de carbono de seu negócio: ele é um dos signatários da "carta do clima" a Biden.

Assim como nenhum deles nega que lhes são atribuídos inovações e descobertas, são especialistas em negar direitos aos seus trabalhadores, alguns dos quais encabeçam verdadeiras “epopeias” para formarem um sindicato. Quando se trata de direitos trabalhistas, os mega bilionários dizem: "Meu amor chegou até aqui".

É exatamente aí que reside o cerne da questão: essas fortunas e empórios obscenos não foram criados simplesmente por suas mentes brilhantes. Da apropriação e patenteamento do conhecimento científico público e privado à precária força de trabalho implantada por milhões em suas subsidiárias e terceirizadas, juntamente com subsídios estatais de bilhões de dólares para suas inovações e empreendimentos, não há segredo para o sucesso desses magnatas. Longe da caridade, da solidariedade e de qualquer visão açucarada, o mito do “rico salvador” do planeta e da humanidade é construído sobre a exploração, a precarização, a vampirização dos cofres do Estado e a perseguição sindical por décadas.




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias