Internacional

ELEIÇÕES NO PERU

Quem é Pedro Castillo, o candidato que lidera as eleições no Peru?

Em um cenário de fragmentação política e crise sanitária, Pedro Castillo lidera as eleições presidenciais peruanas com 18,1% dos votos. Em segundo lugar ficou a candidata conservadora Keiko Fujimori, com 14,5% Quem é Pedro Castillo, o candidato que lidera as eleições no Peru?

segunda-feira 12 de abril| Edição do dia

O cenário eleitoral fragmentado no Peru reflete a crise política e o descontentamento com o manejo da pandemia do coronavírus. Pelo menos seis das 18 fórmulas presidenciais podem ir para o segundo turno. Essas eleições também elegeram os 130 membros do Congresso unicameral e cinco deputados ao Parlamento Andino.

A fotografia eleitoral da caixa de saída coloca Pedro Castillo com 18,1% em primeiro lugar nas eleições gerais realizadas no domingo, 11 de abril, em todo o Peru. Keiko Fujimori ficou em segundo lugar com 14,5% por cento. Em terceiro está o extrema-direita Rafael López Aliaga, conhecido como “Porky”, com 12,2%. Em seguida, vêm o economista neoliberal Hernando de Soto com 10,7%, Yonhy Lescano com 9,8% e atrás Verónika Mendoza com 7,9%. Houve dezoito candidatos, incluindo o ex-presidente Ollanta Humala, que mal obteve 1,5%.

Quem é Pedro Castillo?

José Pedro Castillo Terrones nasceu em 1969 na cidade de Puña, localizada no departamento de Cajamarca, no noroeste do Peru. É professor primário, onde se destacou como dirigente sindical que organizou diversas greves de trabalhadores da educação. Iniciou sua carreira política em 2005, ao se tornar membro do Comitê Cajamarca do partido político Peru Posible.

Ele deixou sua marca em 2017, quando liderou a greve nacional de professores que durou três meses para exigir melhorias salariais e eliminar avaliações de desempenho profissional dos professores. Durante essa greve, Castillo liderou uma fração da oposição ao tradicional Sindicato Único de Trabalhadores da Educação do Peru (Sutep). Na época, ele foi acusado de manter vínculos com o Movimento pela Anistia e Direitos Fundamentais (Movadef), braço político do grupo armado Sendero Luminoso, como parte de uma campanha de difamação. Algo que Castillo sempre negou.

Atualmente representa o partido Peru Libre, com uma ideologia de bases progressistas e origem regional. Castillo é um dos oito candidatos presidenciais que não têm processo criminal contra ele.

Em seu plano de governo proposto está a ideia de modificar a Constituição Política do país, principalmente com o objetivo de realizar uma reforma econômica na qual o Estado assumiria um papel de empresário para competir com o setor privado.

“Atualmente vivemos em um sistema capitalista aparentemente renovado, em um neoliberalismo econômico, denominado Economia Social de Mercado, imposto desde 1993 e que desde então tem ido contra os interesses da grande maioria do país. Para mudar esta triste realidade, é necessário propor ajustes no campo econômico, de forma mais drástica”, diz o plano do Governo do Peru Livre denominado “Economia popular com mercados”.

A proposta inclui também a nacionalização de empresas de diversos setores da economia, como mineração, petróleo, energia hidrelétrica, gás e comunicações.

“Em alguns casos, deve-se usar apenas a nacionalização e não a estatizando, indenizando a iniciativa privada pelo que foi investido e administrando os lucros totais gerados”, explica o documento.

No entanto, Castillo no nível de suas propostas programáticas e sua estratégia política se baseia em visões reformistas que, apesar de propor entre suas propostas de campanha para mudar a Constituição, governar com o salário de um professor e reduzir o salário dos parlamentares, não coloca questionamento à estrutura capitalista peruana

Em seu plano não há uma resposta radical à precarização e exploração do trabalho, nem buscam um confronto real com os grandes grupos econômicos que controlam o país. Com a aproximação do dia das eleições, reduziram suas medidas econômicas tímidas, a tal ponto que ele disse recentemente que um imposto sobre a fortuna não será cobrado em um governo seu.

Em seus discursos, ele nunca mencionou ou se dirigiu à classe trabalhadora. Apela à unidade de todos os peruanos, por isso fala do “povo” ou da “pátria”, ocultando intencionalmente as diferenças de classe que condicionam a dinâmica econômica, social e política em países capitalistas dependentes como o Peru.

Pedro Castillo, recorrentemente apela a um discurso indígena na medida em que ele próprio se definiu como "Tawantinsuyano" (em referência ao antigo Império Inca), tem um ambiente mais vinculado aos setores camponeses, aos setores populares urbanos e à profissão docente. No entanto, isso não o exime de romper com os grandes empresários estrangeiros e a burguesia nacional em seu plano de governo. Castillo e seu grupo político falam em mudar a Constituição de 1993, mas sua abordagem se reduz a fazê-lo a partir das instituições impostas pelo regime 93 (estabelecido por Fujimori) e fora da mobilização e da auto-organização operária e popular, o que a reduz a consigna a uma mera reforma constitucional.

O elemento adicional que fez de Castillo um candidato atraente para os setores populares, principalmente das províncias do interior do país, tem a ver com ser percebido por eles como um lutador consistente. Isso porque ele é um dirigente do setor majoritário da profissão docente peruana, além de ser percebido como alguém alheio aos políticos tradicionais tão questionados pela população.




Comentários

Comentar