×

Geopolítica | Os objetivos da viagem de Biden ao Oriente Médio

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, chegou a Israel nesta quarta-feira, primeira etapa de uma viagem ao Oriente Médio que inclui a Arábia Saudita, com objetivos de curto e longo prazo: petróleo, limitar a influência da China e da Rússia e integrar a região em função dos interesses ocidentais.

sexta-feira 15 de julho | Edição do dia

O Oriente Médio recuperou uma importância relativa para os Estados Unidos. A região é fundamental para conter os preços dos hidrocarbonetos, devido às suas rotas comerciais, mas também pela importância de apoiar seus aliados históricos no caminho para conter a China (com seu projeto da Nova Rota da Seda) e a Rússia (que ocupou "espaços vazios" deixados pelos EUA, como na Síria).

Ao desembarcar, Joe Biden, entre suas primeiras frases, disse que "não é necessário ser judeu para ser sionista", expressando seu total apoio ao discurso racista que sustenta ideologicamente a ocupação israelense, que busca o reconhecimento universal de sua política colonialista sobre a população e o território palestino, bem como a ocupação de territórios de países árabes, como Jordânia, Egito, Síria e Líbano. Ele chegou a uma região que enfrenta grandes desafios que afetam os interesses diretos do imperialismo norte-americano, que busca estender a política da OTAN e enfraquecer a influência russa, chinesa e iraniana. Entre outras coisas, o Oriente Médio vem sofrendo as consequências diretas do aumento dos preços dos alimentos, que estimulou várias revoltas e protestos massivos na região, do Sudão ao Líbano e Iraque.

Isso requer o aumento da oferta de petróleo; desarmar as crescentes tensões entre o Irã e Israel; e reafirmar uma aliança estratégica fundamental em um contexto de crise energética, propiciando um encontro desconfortável com o príncipe herdeiro saudita Mohamed Bin Salman (MBS), cujo país Biden já considerou um "pária" por sua política nula de direitos humanos e as acusações do assassinato do jornalista Jamal Khashoggi na Turquia.

Biden busca atingir seus objetivos estratégicos implementando políticas em múltiplas escalas. Por um lado, aposta na integração regional entre seus aliados, tendo os Estados Unidos como mediador, contribuindo para o avanço das relações de Israel com a Arábia Saudita e outros estados do Golfo Pérsico que foram acelerados pelos Acordos de Abraham. Entre alguns gestos, ele conseguiu que a Arábia Saudita, que ainda não normalizou as relações com Israel, permitisse voos irrestritos para companhias aéreas israelenses e permitisse voos fretados diretos de Israel para muçulmanos que participam da peregrinação anual do Hajj em Meca. E deu apoio explícito a Israel para impedir o Irã em sua busca de construir armas nucleares, mesmo que fosse necessário usar força militar nacional, mas deixando a porta aberta para avançar o Acordo Nuclear rejeitado por Trump em 2018.

Por outro lado, evitará compromissos profundos que poderiam arrastar os Estados Unidos de volta a uma região fragmentada e caótica, produto de décadas de intervenções militares imperialistas e guerras civis, e provavelmente assim permanecerá por muitos anos. Israel e os estados árabes provavelmente aprovarão o que o presidente dos EUA tem a dar, mas estão bem cientes de seu valor político diminuído em escala global. Por isso, o Irã se torna relevante como “eixo do mal” na região, pois pode ser o fator comum que ordena a política dos aliados por trás dos EUA.

A visita a Israel

Israel está sob um governo provisório liderado por Yair Lapid após o colapso da coalizão multipartidária no mês passado. Embora a visita seja uma oportunidade para o primeiro-ministro interino capitalizá-la demonstrando suas habilidades diplomáticas, Biden também se encontrou com Benjamin Netanyahu, do Likud, que tem chance de retornar ao poder na quinta eleição em dois anos em 1º de novembro (embora ainda não esteja claro se sua aliança de direita não alcançará a maioria no parlamento para formar um governo).

Na declaração conjunta assinada entre Lapid e Biden, os Estados Unidos se comprometem a combater os esforços iranianos para adquirir armas nucleares, mas também o movimento global de Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS) liderado por palestinos contra Israel, que se destaca na política doméstica americana. Nos últimos anos, o movimento BDS causou impacto nacional lutando em mais de 30 estados dos EUA que aprovaram leis exigindo que os contratados estatais assinem uma promessa de não boicotar Israel.

Como parte dessa reaproximação com Israel, em 4 de julho, Biden encerrou a investigação sobre o assassinato do jornalista palestino da Al Jazeera Shireen Abu Akleh na Cisjordânia por meio de uma breve declaração, apesar das investigações de várias organizações de direitos humanos e reportagens (Washington Post, CNN e o New York Times), que sugerem que as forças israelenses são responsáveis ​​por sua morte, mas autoridades americanas descreveram o incidente como “inconclusivo”.

Em relação aos palestinos, Biden falou de um aumento na ajuda dos EUA antes de sua reunião com o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, no final desta semana. Desde que assumiu o cargo em 2021, Biden diz que seu governo restaurou US$ 500 milhões em ajuda aos palestinos, incluindo financiamento para a UNRWA (a agência da ONU para refugiados palestinos), que recebeu cerca de US$ 350 milhões por ano na era Obama. Mas esse montante contrasta com os US$ 3,8 bilhões em ajuda a Israel, destinados principalmente à área militar.

O grande ausente foi o debate em torno da solução do chamado “conflito” israelo-palestino. Para os EUA, a autodeterminação palestina, que era mais uma bandeira de propaganda do que uma prioridade real, está cada vez mais saindo da agenda à medida que várias monarquias do Golfo normalizam as relações com Israel. Um objetivo fundamental que poderia ajudar a negociar laços de segurança inter-regionais que não dependam dos Estados Unidos no longo prazo e se concentrem em outras áreas do planeta.

De volta ao Oriente Médio

O Oriente Médio tem sido a região do mundo mais negligenciada pelo governo Biden. Ele evitou sua visita desde que assumiu o cargo para se concentrar nos problemas da Ásia-Pacífico, corrigindo os golpes da pandemia de Covid-19, a polarização interna e, atualmente, a guerra na Ucrânia. A retirada progressiva das tropas norte-americanas da região está ligada à mudança de estratégia do governo Obama (do qual Biden foi vice-presidente) para conter, principalmente, a ascensão da China, alocando recursos econômicos e militares para aquele centro estratégico mundial.

Em larga escala, os objetivos de Biden estão focados nos preços do petróleo e na contenção imediata da Rússia, mas também da China, que já se tornou um dos principais investidores em Israel e outros países da região. Neste sentido, a sua estratégia, determinada pela necessidade de cercar a Rússia com a NATO na Europa de Leste, teve também em conta que, em troca do apoio turco à incorporação da Suécia e da Finlândia nas Alianças Atlânticas, é evidente que o regime de Erdogan terá "Carte Blanche" para continuar com a limpeza étnica da população curda dentro de seu território e além da fronteira entre a Síria e o Iraque.

A crise aberta devido ao preço dos hidrocarbonetos (hoje o preço do barril de petróleo ronda os 130 dólares) a nível global catapultado pela invasão da Ucrânia pela Rússia, tornou vital o abastecimento energético da Europa e de outras regiões do mundo, nomeadamente para Os Estados Unidos, que conquistou autonomia energética, mas está impactando diretamente pelo aumento de preços e consequentemente em sua inflação histórica que hoje supera 8% ao ano. O medo de uma crise semelhante à de 1973 está na memória da burguesia norte-americana e sua relação com a OPEP+ é central.

A Arábia Saudita é um dos principais produtores de petróleo do mundo, é um ator central nessa organização e está em uma posição forte para compensar a perda de produção de petróleo russa da crise na Ucrânia e sanções relacionadas.

Em princípio, os compromissos sauditas de extrair mais petróleo em resposta à visita de Biden são muito pequenos para reduzir o preço no curto prazo. Além disso, os analistas de energia esperam que, no longo prazo, a demanda global supere a oferta. Se essa tendência continuar, preços altos sustentados serão incorporados ao futuro econômico mundial, e os ajustes relativamente pequenos feitos pelos sauditas em troca de favores dos EUA não trarão muito conforto aos americanos. A partir disso, é possível que a família real pretenda "aumentar o preço" do acordo que vem sendo constantemente renegociado desde o encontro dos norte-americanos Quicey em 1945 que selou a aliança entre os Estados Unidos e a família Saud.

Como tal, é improvável que Riad concorde com aumentos significativos de produção além do que já está planejando de acordo com seus parceiros da OPEP + (a Rússia é o principal parceiro entre eles), bem como por causa dos próprios objetivos econômicos do reino. Outra questão é a capacidade dos poços e refinarias sauditas, que provavelmente atingirão o pico de 11 milhões de barris por dia. A Arábia Saudita tem se mantido firme no acordo com a OPEP+ para manter os preços do petróleo altos por meio de uma manobra voluntária dos membros para limitar a produção, e onde a Arábia Saudita manterá uma aliança sólida nesse sentido com a Rússia.

Em outro nível, a resposta morna dos EUA aos ataques de drones Houthi (perto do Irã) contra as instalações da ADNOC nos Emirados Árabes Unidos em janeiro de 2022 e contra uma refinaria saudita ARAMCO (a empresa de energia mais lucrativa do mundo e uma das empresas com o maior capital em escala global) em março de 2022, foi interpretado pelos sauditas que o guarda-chuva de segurança dos EUA sobre as monarquias do Golfo eram papéis soltos. Essa percepção levou os atores a buscar alternativas para novos compromissos em meio a um mundo multipolar, ou seja, com atores com interesses sobrepostos.

Em parte, a Arábia Saudita vem aprofundando constantemente seus laços econômicos com a China, centrados no petróleo e, cada vez mais, na cooperação comercial e militar para equilibrar o peso de sua dependência dos EUA. Biden volta à região com uma agenda de curto prazo que tem como pano de fundo a fragmentação dos laços que permitiram certa autonomia dos países do Oriente Médio com a China e a Rússia, e limitar sua influência, mas ao mesmo tempo tentar contrariar o declínio do imperialismo norte-americano.

O artigo foi traduzido de La Izquierda Diario.




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias