×

Greves nos EUA | Estados Unidos: greve de sete meses de enfermeiras de Massachusetts

Em março, centenas de enfermeiras do Hospital St. Vincent, em Massachusetts, entraram em greve. Sete longos meses depois, a greve continua até que suas demandas sejam atendidas.

sábado 16 de outubro | Edição do dia

As demandas das enfermeiras já conhecidas são sobre carências da grande maioria dos hospitais de todo o país.

San Vincent carece de profissionais por exemplo. Hoje tem baixas proporções de trabalhadores para o público que atende e isso coloca em risco tanto os próprios trabalhadores como o atendimento aos pacientes. Também alegam falta de equipamentos de proteção individual (EPIs).

A empresa médica Tenet Health, dona do hospital, vem tentando acabar com a greve oferecendo algumas concessões. No entanto, o acordo proposto incluía medidas punitivas contra os grevistas, pelas quais os trabalhadores justamente se recusaram a aceitá-las, levando a empresa a declarar um “impasse”. As mais de 700 enfermeiras do hospital continuam a greve, lutando heroicamente por sua segurança e pela segurança de seus pacientes.

Esta greve é ​​atualmente a mais longa greve de enfermeiras na história de Massachusetts e, de acordo com o sindicato (Massachusetts Nurses Association), é a paralisação ativa mais longa nos Estados Unidos em 15 anos.

De muitas maneiras, essa greve de San Vicent foi o prólogo do que alguns chamam de "Striketober". Em todo o país e em todos os setores, os trabalhadores estão começando a mostrar seus músculos. Da Kellogs à IATSE e à John Deere, os trabalhadores estão deixando o trabalho para exigir mais de si próprios e de suas famílias.

Leia também: No governo do imperialista Biden, inúmeras greves acontecem nos EUA

A unidade e a coordenação de todas essas lutas os fortaleceria e lhes daria mais forças para poderem impor suas demandas.

Devemos apoiar a greve das enfermeiras de San Vicente porque esta luta tem potencial para se espalhar para hospitais de todo o país, onde enfermeiras e outros profissionais de saúde são forçados a trabalhar em condições extremamente inseguras. Estes são os trabalhadores que lutaram contra a pandemia e continuam a lutar como patrões e o Estado corre para reabrir a economia, levando a picos nas taxas de mortalidade e infecção.

Artigo original do Left Voice




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias