×

Cuba | Com repressão e intimidação, o Governo Díaz-Canel desmantela a "Marcha Cívica pela Mudança"

Durante semanas, a plataforma do Arquipélago apelou a esta mobilização para este 15 de novembro, o que gerou ampla cobertura midiática, bem como o apoio da oposição de direita. No entanto o governo Díaz-Canel, com uma política de repressão e intimidação, depois de declarar sua ilegalidade, atingiu seu objetivo de preveni-la.

terça-feira 16 de novembro | Edição do dia

Impulsionada por essa plataforma - composta por um conjunto grupos críticos ao regime -, também reuniu o apoio de uma oposição declarada de direita, como o Conselho para a Transição Democrática de Cuba. Segundo os organizadores, a marcha foi denominada “contra a violência, pelos direitos de todos os cubanos, libertação dos presos políticos e solução das diferenças por meios democráticos e pacíficos”.

Embora não incorpore a denúncia das políticas econômicas e sociais do governo - que foram o motor fundamental das marchas de 11 de julho, junto com o direito de se expressar politicamente -, este apelo poderia estimular amplos setores populares insatisfeitos com a atual situação cubana. e políticas oficiais.

A primeira resposta do governo de Miguel Díaz Canel foi declarar a manifestação ilegal e denunciá-la como uma “ação desestabilizadora”. Nos dias anteriores, as autoridades aumentaram o assédio aos organizadores; vários deles foram presos, e durante o domingo 14 e a mesma segunda-feira, 15, dezenas de pessoas que haviam declarado que participariam dos protestos foram "sitiadas" em suas casas, impedidas de deixá-las por membros das forças de segurança do Estado ou por grupos de manifestantes favoráveis ​​ao regime.

O caso mais difundido foi o da principal referência do país, o dramaturgo Yunior García, que tinha anunciado que marcharia sozinho no dia 14. Foi detido à força em sua casa, onde se denominou um "ato" de repúdio orquestrada pelo governo, o que na realidade foi uma intimidação direta, situação que também ocorreu no caso de outros organizadores. Enquanto isso, as ruas de Havana - onde era esperada a maior manifestação - despertaram no dia 15 com grande presença policial e uma clara tensão no ar.

O objetivo do governo era evidente: desmantelar a convocação e evitar uma mobilização igual ou maior que a ocorrida há pouco mais de quatro meses. Ao mesmo tempo, salvar o custo político de uma repressão generalizada contra as manifestações de rua, como aconteceu em 11 de julho, que pode sair do controle e ter maiores consequências internacionais. Assim, ativou toda uma política de repressão preventiva e seletiva, que lhe permitiu desativar a mobilização.

O Governo aposta que a reabertura do turismo vai gerar uma certa melhoria na situação crítica que atravessa a economia da ilha, que bate forte e aumenta as calamidades de amplos setores da população, enquanto toda uma casta alta burocrática e militar goza de grandes privilégios. No entanto, é evidente que o descontentamento social na ilha, tanto face às suas políticas econômicas como à falta de liberdades democráticas, permanece e está longe de se dissipar, pelo contrário, permanecendo em aberto cenários de maior tensão política ou de explosões sociais como a de 11 de julho.

A direita cubana se aproveita do descontentamento enquanto o governo afia sua política repressiva

Como visto em julho, a direita pró-imperialista busca cavalgar sobre o descontentamento existente, enquanto o governo aumenta as medidas repressivas. Prova disso é que a ação de 15 de novembro também foi acertada com setores identificados com uma política abertamente restauracionista e pró-capitalista, como o já citado Conselho para a Transição Democrática de Cuba.

Vale a pena mencionar que o programa deste Conselho visa abertamente converter a ilha numa “economia de mercado” e compensar as desapropriações realizadas com o triunfo da revolução. Esses setores também promoveram manifestações no dia 15 de novembro em diferentes cidades do mundo. Exigem hipócrita e cinicamente “liberdade” e “democracia”, manipulando a situação a favor da restauração capitalista na Ilha, que é o que o imperialismo e a burguesia da região procuram.

Por sua vez, o governo de Díaz Canel e do Partido Comunista de Cuba, argumentando que a mão do imperialismo está por trás das mobilizações ocorridas no ano passado, mantém a política repressiva que já mostrava em julho, quando prendeu centenas de manifestantes, muitos dos quais eram ativistas de esquerda críticos do regime político, incluindo jovens membros do Partido Comunista Cubano. Isso ao mesmo tempo em que reafirma o regime de partido único, combinando-o com medidas econômicas que punem o povo avançando na restauração capitalista.

Agora impediu o direito elementar de protesto, com a ilegalidade da marcha convocada pelo Arquipélago, montando “atos” de repúdio, organizados diretamente pelo Governo, contra os organizadores. Conforme afirmamos neste artigo, repudiamos a proibição de protestos e outras ações repressivas do regime; ao mesmo tempo, não apoiamos politicamente os organizadores ou sua convocação. Posição semelhante à de diversos militantes socialistas em Cuba, exemplo disso são os artigos que reproduzimos aqui e aqui.

Uma saída independente só pode estar nas mãos dos trabalhadores e do povo

Uma política independente do governo e da oposição de direita e do imperialismo é necessária na ilha. Isso implica um programa contra o bloqueio imperialista e pelas reivindicações mais sentidas e urgentes das amplas massas, como o aumento geral dos salários, o controle dos preços pela população e contra os privilégios da casta dominante.

Rejeitamos tanto o autoritarismo do governo quanto sua justificativa de que o descontentamento não tem base real e responde à manipulação imperialista. A manipulação certamente existe, mas isso não deve justificar seu uso como desculpa para reprimir reivindicações sociais legítimas.

Repudiamos as políticas repressivas do governo. Defendemos o direito da classe trabalhadora de organizar e associar sindicatos e politicamente de forma independente do Estado e seus órgãos, se assim o desejarem. Bem como a liberdade de reunião, assembleias e deliberações nos locais de trabalho, manifestações, greves, liberdade de imprensa, o pleno direito à liberdade sindical e todas as formas de organização possíveis.

Como já dissemos no artigo citado, devemos nos opor ao regime de partido único e defender a legalidade de todas as organizações políticas que defendem as conquistas da revolução. Mas uma saída fundamental só é possível através de uma nova intervenção revolucionária das massas que interrompe o curso restauracionista, expulsa a burocracia e acaba com seu regime de partido único, que estabelece um governo próprio dos trabalhadores, que revê todas as medidas pró-capitalistas, reconstruir o monopólio do comércio exterior e do planejamento democrático da economia.




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias