PANDEMIA

COVID-19 afeta principalmente os desempregados na cidade de São Paulo

O estudo realizado pela prefeitura ainda aponta que as donas de casa dobraram o contato a doença no último período e que categorias de trabalhadores mais precarizadas também são mais afetadas que o restante, como os trabalhadores de supermercados e do telemarketing.

sábado 10 de outubro| Edição do dia

Imagem: Fábio Vieira/Estadão Conteúdo

Realizado pela prefeitura do município de São Paulo, o estudo buscou rastrear a doença na capital, medida que se utilizada já no início da pandemia, poderia ter evitado milhares de mortes e uma quarentena racional. De acordo com o estudo, 26,1% dos desempregados foram infectados contra 14% em toda a população paulistana.

O estudo ainda indicou um salto do número de donas de casas infectadas nos últimos dois meses, passando de 8,3% para 14,5%, esse dado escancara como a flexibilização da já muito fajuta quarentena tem seus resultados em primeiro lugar nos setores mais precários.

De forma demagógica o secretário municipal de Saúde, Edson Aparecido, justifica esse aumento dizendo que “as pessoas começaram a sair e se expor mais”, como se fosse uma mera escolha a exposição em um contexto de alto desemprego, diminuição do auxílio emergencial e falta de testes para a população.

Outros setores com alta de contaminação na cidade são os setores de serviços como vendedores de lojas e mercados, que têm taxa de 21,4% de contaminação e trabalhadores do telemarketing, com 19,9%. Infelizmente este dado não é uma novidade, uma vez que, como denunciado pelo Esquerda Diário, o setor de telemarketing nunca teve direito à quarentena.

A obrigação à exposição dos setores mais precários e a alta do desemprego tem relação ainda com a chamada MP da morte de Bolsonaro, que permitiu suspensão de contratos, demissões e redução salarial, abrindo margem para que os trabalhadores se vissem obrigados até mesmo a trabalhar doentes por medo se serem afetados com a medida.

Leia também: Funcional aos patrões, Bolsonaro estende por mais 30 dias a MP da morte que corta salários e jornadas




Tópicos relacionados

Crise do Coronavírus   /    COVID-19   /    pandemia   /    Coronavírus   /    Desemprego   /    São Paulo

Comentários

Comentar