×

Crise migratória | Brasileira que tentava atravessar fronteira dos EUA morre abandonada em deserto

Segundo familiares, o grupo que entrava de maneira clandestina nos EUA deixou a brasileira no meio do deserto sem água nem comida. Esse é mais um caso de morte fruto das políticas anti-imigratórias dos EUA que dificulta a entrada de imigrantes no país que faz com que milhares arrisquem suas vidas.

sexta-feira 17 de setembro | Edição do dia

Lenilda dos Santos, de 49 anos, morreu após atravessar a fronteira do México com EUA. Foto: Reprodução

O corpo da brasileira Lenilda dos Santos, de 49 anos, que tentava entrar clandestinamente nos Estados Unidos foi encontrado por agentes do estado do Novo México nesta semana.

De acordo com os familiares, em relato ao "O Globo", ela havia conseguido atravessar a fronteira mas devido ao cansaço não conseguiu acompanhar o restante do grupo e foi deixada pra trás sem comida e água. Os coiotes, que são pessoas pagas para fazer a travessia junto aos imigrantes, prometeram que voltariam para buscar Lenilda, o que não aconteceu.

Enquanto estava sozinha no deserto, a brasileira ainda conversava com seus familiares por mensagens no celular.

A brasileira estava numa região ampla de deserto, por isso sua localização foi difícil de ser descoberta. Ela ainda vestia uma roupa camuflada para dificultar a visão da polícia.

Lenilda era técnica em enfermagem e vivia em Vale do Paraíso, em Rondônia.

Leia também: Kamala Harris ameaça imigrantes de toda a América Central: não venham aos EUA

Essa “tragédia clássica ” é resultado de uma profunda crise humanitária, em grande
parte responsabilidade de Estados xenofóbicos que matam os refugiados nas imediações das fronteiras e, quando estes conseguem chegar em seus destinos, precarizam o trabalho dos migrantes em território e os reprimem.

Os refugiados são tratados como invisíveis através de inúmeras políticas anti-imigrante de inúmeros governos burgueses, que, como a contínua militarização da fronteira estadunidense são impulsionadas em grande medida por um crescente e cada vez mais poderoso populismo de direita, que é anti-imigrante e faz com que aqueles que tenham que se tirar de seus países de origem de forma forçada corram grandes riscos.

As raízes do sentimento e das políticas anti-imigrantes se encontram nas crises econômicas e políticas em curso do neoliberalismo global, que empobreceu, como um todo, a classe trabalhadora, rebaixando seus níveis de vida e criando desigualdades crescentes que deixaram pra trás um número cada vez maior de trabalhadores. Essa crise é consequência da barbárie capitalista que leva as pessoas a situações extremas de risco de vida com no caso de Lenilda.




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias