Educação

ATAQUES À EDUCAÇÃO

Bolsonaro congela gastos na educação e MEC só tem disponível 38% da verba de 2018

Medida foi imposta após o presidente sancionar o orçamento fiscal de 2021, e com vetos e bloqueios o MEC foi o Ministério que sofreu a segunda maior perda de orçamento entre todos os ministérios. Essa medida é mais um ataque ao direito legítimo do acesso à educação, em um contexto de pandemia em que os estudantes devem se confrontar com ensino remoto e outras inúmeras dificuldades econômicas e sociais.

terça-feira 4 de maio| Edição do dia

Ueslei Marcelino/Reuters

Bolsonaro só sancionou o orçamento fiscal de 2021 há dez dias atrás. Entre todos os ministérios que sofreram perdas com o orçamento, o Ministério da Educação sofreu a segunda maior perda, com R$ 2,7 bilhões de bloqueios e mais R$ 1,2 bilhões de vetos (neste último, R$ 775 milhões (ou 65%) foram na Educação Básica).

Em 2018, o Ministério da Educação executou R$23,2 bi e, agora, o ministério tem apenas R$8,9 bi. Estes valores são do Instituição Fiscal Independente, órgão ligado ao Senado que analisa as contas públicas.

Isso significa que o MEC, atualmente, só tem 38% da verba disponível em 2018. Estes cortes na educação são mais uma consequência do golpe institucional de 2016, que levou Bolsonaro ao poder em 2018. O presidente dá continuidade à obra econômica do golpe, atacando as medidas que permitem o acesso à educação e melhores condições de estudo, como a permanência estudantil, a expansão das universidades, a pesquisa científica, entre outras medidas. Esses ataques servem para barrar o acesso à educação, precarizando e elitizando a educação, que cada vez mais se torna um privilégio para poucos.

Essa situação de ataques à educação acontecem também em um contexto em que os alunos devem se confrontar com o precário ensino remoto, combinado com inúmeras dificuldades econômicas e sociais.

Veja também: Crise, golpe e pandemia: os efeitos sobre a permanência estudantil nas universidades federais




Tópicos relacionados

Corte de orçamento   /    Bolsonaro   /    Corte de verbas   /    Ministério da Educação   /    Educação   /    Educação

Comentários

Comentar