Internacional

ELEIÇÕES NOS EUA

O Senado: a outra batalha eleitoral nos Estados Unidos

A corrida pelo controle do Senado se tornou uma das mais disputadas no dia da eleição. Nas eleições de meio de mandato, os democratas ganharam a maioria no Congresso, agora eles aspiram ganhar a maioria dos republicanos no Senado. O que muda?

terça-feira 3 de novembro| Edição do dia

Muito já foi escrito (incluindo artigos do autor dessas linhas) sobre o estado da eleição presidencial. As diferentes estratégias e políticas de Trump e Biden foram examinadas e reexaminadas ad nauseum. No entanto, pouco foi escrito sobre a luta incrivelmente competitiva pelo controle do Senado. Qual partido o controla e por qual margem ele terá um forte impacto sobre como seria uma presidência de Biden ou um segundo mandato de Trump. Os trabalhadores devem ter claro que ambas as opções apresentam obstáculos à nossa capacidade de organização e devemos nos preparar para os dois cenários.

O estado das eleições

Do jeito que as coisas estão nos últimos dias antes da eleição, os democratas são os favoritos para retomar o controle do Senado. Isso se deve tanto ao fato de que a eleição de 2020 parece favorecer os democratas em geral e ao fato que os republicanos estão tentando defendendo suas conquistas desde 2014, quando conquistaram nove cadeiras para assumir o controle do Senado. Os republicanos têm 23 cadeiras no Senado em disputa este ano, enquanto os democratas têm apenas 12. Seria um ano difícil para os republicanos de qualquer maneira. Com Trump parecendo cada vez mais improvável de ganhar os próprios estados em que precisam preencher cadeiras no Senado, parece provável que os republicanos percam o controle.

As principais corridas que acontecerão nesta terça-feira e nos dias seguintes serão na Carolina do Norte, Carolina do Sul, Geórgia (onde as duas vagas são disputadas), Montana, Maine, Alabama e Iowa. Destas, apenas Alabama está atualmente em mãos de um democrata, Doug Jones. O resto é considerado "concorrido" pelo Cook Political Report, enquanto FiveThirtyEight dá aos democratas a vantagem na Carolina do Norte e disputado na Geórgia e Maine - três estados onde Biden está à frente de Trump nas intenções de voto. Uma onda de eleitores de Biden pode ajudar os candidatos democratas ao Senado nesses estados. Ambos os sites também dão aos democratas a vantagem para ganhar cadeiras republicanas no Arizona e no Colorado.

A situação na Geórgia pode ser bastante interessante. Uma aposentadoria precoce no ano passado criou uma situação com duas eleições simultâneas para o Senado. Além disso, de acordo com a lei da Geórgia, os candidatos devem ganhar 50% mais um voto no dia da eleição ou os dois primeiros candidatos devem ter um segundo turno em 5 de janeiro de 2021. Se uma ou ambas as corridas na Geórgia forem a segundo turno, podemos não saber quem controla o Senado por vários meses, e muitos especialistas acreditam que pelo menos uma vaga irá. Essa é a eleição especial que rapidamente se transformou em uma disputa "quem está mais certo" entre colegas republicanos que disputavam a vaga: a senadora Kelly Loeffler, que havia sido indicada para a vaga até a eleição, e o deputado Doug. Collins. Isso aumentou as chances do candidato democrata. Conseguir pelo menos uma dessas cadeiras faz parte do caminho para o controle dos democratas.

Na noite da eleição, a Carolina do Norte será um dos primeiros estados a fechar as urnas, às 19h30 do horário americano. A Carolina do Norte será um bom termômetro do tipo de noite que os democratas terão. O estado planeja anunciar todos os votos antecipadamente e pessoalmente na noite da eleição, mas ainda pode contar os votos ausentes até 12 de novembro, o que significa que não saberemos todos os resultados na terça-feira. Se o candidato democrata Cal Cunningham puder derrotar o senador republicano Thom Tillis ou vice-versa, ou se tivermos de esperar semanas pelos resultados, tal situação poderá prever como será o resto da eleição. No momento em que este texto foi escrito, Cunningham estava ligeiramente à frente nas pesquisas no que foi uma disputa incrivelmente polêmica que incluiu Tillis diagnosticado com COVID-19 e detalhes obscenos sobre o caso extraconjugal de Cunningham que são continuamente transmitidos nos anúncios Tillis. Esses ataques baseados em ideias convencionais de "moralidade" parecem ser menos eficazes na era de Trump, que está repleta de escândalos que não parecem afetá-lo significativamente. Uma vitória de Biden na Carolina do Norte ajudaria a impulsionar Cunningham ao topo, assim como uma campanha de reeleição bem-sucedida do governador democrata Roy Cooper (que atualmente tem uma vantagem grande nas pesquisas).

A Carolina do Sul e o Maine podem dar aos republicanos a perda de dois senadores de destaque: Lindsay Graham e Susan Collins, respectivamente. Graham está lutando sua corrida mais difícil em anos, embora ainda tenha uma pequena vantagem sobre Jamie Harrison, que arrecadou muito mais fundos de campanha. As urnas são encerradas na Carolina do Sul às 19h do horário americano, e o estado planeja anunciar uma recontagem completa (incluindo votos antecipados e por correio) na noite de terça-feira. Uma derrota para Graham tornará a vitória democrata no Senado quase certa.

Susan Collins parece preparada para perder. Depois de passar mais de duas décadas no Senado se passando por uma "republicana moderada", parece finalmente estar colhendo seus frutos. Seu "bipartidarismo" performativo de votar contra Amy Coney Barrett alienou-a da base republicana, enquanto seu voto anterior para o réu de agressão sexual Brett Kavanaugh custou-lhe o apoio tão necessário junto aos democratas moderados. Sara Gideon, sua oponente democrata, arrecadou cerca de 68 milhões de dólares, em contraste com os 26 milhões que Collins levantou. A eleição do Maine também pode influenciar a votação. O candidato que ocupa o terceiro lugar nas pesquisas encorajou Gideon como uma segunda escolha. Aplicar a eleição de classificação se nenhum candidato exceder 50% na eleição pode adicionar dias antes de sabermos o resultado.

O que significa um Senado democrata?

É quase impossível imaginar que Trump alcançará uma surpreendente vitória presidencial e que os democratas também ocuparão o Senado. Portanto, se houver um Senado Democrata, é provável que faça parte do primeiro governo unificado do Partido Democrata desde 2010 (ou seja, controla a presidência e as duas casas). No entanto, ao contrário dos primeiros anos de Obama, o controle do Senado será muito mais tênue. Em 2009, os democratas oscilaram entre 58 e 60 assentos no Senado (devido a mortes e outras vagas inesperadas). Em 2021, eles teriam 52 cadeiras, o que é mais realista. Na verdade, o Senado pode ser dividido em exatamente 50%, então a vice-presidente Kamala Harris faria o desempate para dar o controle aos democratas.

Esse controle rígido alimentará os conflitos internos que certamente explodirão dentro do Partido Democrata assim que as eleições terminarem. Como as primárias deste ano mostraram, a base do Partido Democrata está dividida entre um setor que se move para a esquerda (e os novos democratas trazidos para o partido pelo fenômeno Sanders) e um setor mais conservador. Esses setores foram reunidos sob o acordo mais vago possível para remover Trump do cargo. Na verdade, a coalizão eleitoral de Biden e dos democratas é muito tênue, pois inclui desde os organizadores nominalmente socialistas até setores do grande capital.

A ala progressista tem sido o melhor soldado possível ao longo da campanha, comprometendo-se com todas as demandas políticas enquanto faz campanha incansável por um homem que diz abertamente que vetará um de seus principais programas: Medicare para Todos. O líder de fato desta ala, Bernie Sanders, tem feito campanha para Biden desde o primeiro dia. Sua base alinhou-se atrás de Biden, mas assim que a campanha terminar, ele provavelmente irá cobrar uma conta. Isso vai colocar pressão sobre os políticos que representam o setor. Espera-se que Sanders, Alexandria Ocasio-Cortez, Ilhan Omar e outros lutem mais agressivamente pelas demandas de sua base ou correm o risco de perder seu apoio. Isso poderia iniciar uma terrível luta pelo poder dentro do partido.

O controle rígido sobre o Senado afetará essa luta pelo poder de uma das duas maneiras: ou dará aos senadores que representam a ala progressista mais poder, porque seus números comparativamente menos significam mais, ou dará à ala do establishment mais poder porque eles serão capazes de usar a ameaça republicana de colocar os progressistas na linha. O que definirá essa luta é quanta pressão existe de baixo para fazer avançar uma agenda progressista.

Além disso, com uma ligeira maioria, Biden provavelmente continuará a mover-se para a direita como presidente na tentativa de conquistar os republicanos moderados. Já vemos isso na consideração de Biden de incluir os republicanos em seu gabinete. Será semelhante à estratégia de Obama nos primeiros anos de sua presidência: mover-se para a direita, alegar que é para ganhar votos republicanos e usar o medo republicano para manter os progressistas afastados. Não foi uma estratégia legislativa particularmente eficaz para Obama, já que os míticos republicanos moderados nunca surgiram. Mas essa estratégia dá ao governo democrata um escudo contra as críticas da esquerda: "Queríamos aprovar essas reformas, mas aqueles republicanos incômodos não permitiriam" - embora os republicanos sejam minoria em ambas as casas do Congresso.

O grande capital se alinhou com Biden. Esperam que ele seja capaz de criar as melhores condições possíveis para os interesses deles. Biden terá que fazer isso enquanto mantém as massas sob controle, muitas das quais têm grandes expectativas de reformas que esperam que um novo governo democrata realize. Biden e os democratas podem tentar resolver isso fazendo algumas concessões iniciais à classe trabalhadora. Mas quaisquer concessões serão relativamente menores, não o suficiente para enfrentar o aprofundamento da crise e quase certamente um prelúdio para a austeridade em nível estadual ou federal. Obama tentou implementar políticas de austeridade e ao mesmo tempo dar pequenas concessões da mesma forma.

A única maneira de conseguir até mesmo nossas demandas mais básicas será por meio da luta de classes, contando com nossas próprias forças e mobilizações e não com os servidores do capital que afirmam ser nossos amigos. A esquerda precisa permanecer extremamente alerta e ativa. Um grande setor provavelmente verá o governo democrata como uma vitória e se desmobilizará. Vimos isso acontecer com o movimento Black Lives Matter. Os democratas e seus aliados em ONGs e burocracias sindicais foram capazes de canalizar um movimento maciço das ruas para as campanhas eleitorais de um partido burguês. Os democratas conseguiram muitos dos envolvidos no maior levante contra a brutalidade policial da história para apoiar dois direitista amantes da polícia.

Este é o perigo constante do Partido Democrata: pega movimentos sociais dinâmicos e os desvia para as urnas, onde os mata. O Partido Democrata há muito é chamado de cemitério dos movimentos sociais, mas talvez o carrasco dos movimentos sociais seja mais adequado. Para evitar isso, a esquerda deve permanecer alerta e ativa.

Se os democratas controlam todo o governo, será importante apontar todas as suas traições, contínua e incansavelmente. Como a história tem mostrado, os políticos burgueses que chegam ao poder em uma coalizão de centro-esquerda após um regime de direita são frequentemente mais eficazes na implementação da agenda de direita, porque são vistos como aliados dos mesmos grupos que eles estão atacando. Bill Clinton, por exemplo, destruiu mais facilmente o estado de bem-estar do que Ronald Regan. Os democratas esperam poder tomar o poder e implementar uma agenda de direita sem que percebamos.

O que significa um Senado Republicano?

Um Senado controlado pelos republicanos, que poderia acontecer sob a presidência de Biden ou Trump, apresenta duas possibilidades distintas. Em um deles, Biden assume o poder com o controle dividido do Congresso e uma Suprema Corte contra ele, o que enfraqueceria sua administração e significaria que ele teria enormes dificuldades para aprovar qualquer coisa. Como já se evidenciou antes, os republicanos estão perfeitamente dispostos a se recusar a jogar com um presidente democrata.

Essa situação, entretanto, apresenta algumas oportunidades para Biden. Será muito mais fácil manter sua coalizão unida se puder fazer do Senado Republicano o vilão. Cada uma das numerosas traições legislativas de Biden contra a classe trabalhadora será explicada como um mal necessário, apenas para que algo seja aprovado. É a mesma coisa que ouvimos de Bernie Sanders e Alexandria Ocasio Cortez no início deste ano, quando votaram a favor do terrível resgate corporativo: foi ruim, mas melhor do que nada. Isso se tornará o bordão do Partido Democrata para cada uma das propostas de Biden para um Senado controlado pelos republicanos, e será usado para pintar os democratas como mais esquerdistas do que são e desculpar todas as propostas terríveis que irão assinar.

Se os resultados da eleição revelarem uma onda relativamente grande e tardia de apoio a Trump e aos republicanos em lugares inesperados, Trump poderia ganhar um segundo mandato e os republicanos poderiam manter o controle do Senado. Isso daria a Trump um mandato que ele não teve depois de 2016. Parece provável que isso reforçaria a abordagem republicana de austeridade para os pobres, resgates para os ricos e o aumento crescente das restrições relacionadas à COVID. Quase certamente haverá mobilizações massivas contra Trump que só aumentarão conforme as condições piorem, colocando muita pressão sobre o governo para fazer concessões à classe trabalhadora. O aumento da resistência pública a Trump - é difícil imaginar que haverá menos se ele for reeleito - pode tornar mais difícil para ele implementar políticas de austeridade.

Não menos do que se os democratas controlassem o Senado, caberá à classe trabalhadora e à esquerda mobilizar, organizar e lutar por nossas reivindicações, se os republicanos conseguirem manter o controle do Senado. O problema adicional é não deixar os democratas desviarem o movimento como fizeram nos últimos quatro anos, cinicamente se infiltrando, capturando e, em seguida, procurando destruir todos os movimentos contra Trump e seus avanços de direita. A cada passo, os democratas nos apunhalam pelas costas e nos dizem para votarmos. Os democratas não são nossos aliados contra a direita, eles são o outro lado da direita. Eles não têm lugar em nenhum movimento progressista.

Nós perdemos de qualquer maneira

Quando nossa única opção é entre dois partidos do capital e do imperialismo, perdemos. Um Senado controlado pelos democratas pode significar mais concessões no curto prazo. Para evitar que a "coalizão" se volte contra eles, os democratas terão de oferecer pelo menos algumas migalhas. Mas o escopo dessas concessões será limitado não apenas pela crise atual, mas também porque os democratas geralmente se inclinam à direita para apelar aos eleitores republicanos e às grandes empresas. Se retomarem o governo, será em grande parte graças aos milhões de dólares canalizados em suas campanhas pelos Super-PACs e doadores corporativos, que aderem à expectativa de que Biden resolverá em seu favor uma das maiores crises capitalistas da história moderna. .

Perdemos com um Senado controlado pelos republicanos também. Isso significará mais do mesmo. Sem dúvida, haverá mais cortes de impostos para os super-ricos, mais reduções nas regulamentações de proteção, maiores limitações à imigração e cortes nos programas sociais.

O Senado é uma instituição profundamente antidemocrática. Ele foi criado para aumentar o poder dos estados em que a escravidão era legal, e ainda representa estados que são predominantemente brancos. A própria existência do Senado como uma instituição vai contra o conceito mais básico de "uma pessoa, um voto": o voto de cada pessoa no Wyoming vale cerca de 67 vezes o de um eleitor na Califórnia, porque ambos os estados têm dois senadores.

Ambas as partes continuarão a nos explorar para nosso trabalho e semear a violência em todo o mundo. Onde eles discordam ligeiramente é a melhor maneira de ir.

A organização é necessária agora mais do que nunca na esquerda. A necessidade de a classe trabalhadora e suas organizações romper com o Partido Democrata é uma questão urgente. Aliar-se aos nossos inimigos é um fracasso político e estratégico. O Partido Democrata tem mostrado repetidamente que não tem os melhores interesses da classe trabalhadora e dos mais oprimidos em mente. Isso será demonstrado mais uma vez no próximo período. Se os democratas retomarem o Senado, eles vão entregar mais miséria à classe trabalhadora e imensa riqueza à burguesia. E eles vão nos dizer que devemos agradecer porque, se não fosse por eles, teríamos o "mal maior" dos republicanos, que fariam exatamente a mesma coisa.

À medida que a crise mundial se aprofunda, os políticos de ambos os partidos aumentarão seu ataque à classe trabalhadora e tentarão nos fazer pagar pela crise. O único caminho a seguir é construir organizações militantes da classe trabalhadora que possam lutar. Também precisamos de um partido próprio que possa organizar as lutas nas ruas e nos locais de trabalho e combiná-las com candidatos independentes da classe trabalhadora como parte de uma estratégia coerente para o triunfo do socialismo.

Como diz o ditado, nossa escolha é o socialismo ou a barbárie. Democratas e republicanos prometem apenas um lado dessa equação. Devemos lutar pelo outro.




Tópicos relacionados

Eleições Estados Unidos 2020   /    Democratas   /    Republicanos   /    Estados Unidos da América   /    #BlackLivesMatter   /    Black Lives Matter   /    Joe Biden   /    Imperialismo   /    Estados Unidos   /    Donald Trump   /    Eleições Estados Unidos   /    Estados Unidos   /    Internacional

Comentários

Comentar