Internacional

Legalização do aborto

Argentina: Por que é necessária a separação da Igreja do Estado?

A introdução da objeção de consciência no projeto de legalização do aborto, exigida por instituições religiosas, coloca a necessidade de que Igreja e o Estado estejam separadas no centro do debate.

quinta-feira 10 de dezembro de 2020| Edição do dia

O projeto que chega à Câmara dos Deputados foi modificado no plenário das comissões que emitiram um parecer incluindo em seus artigos a possibilidade de que todos os profissionais de uma instituição sejam objetores de consciência.

Este artigo, acrescentado no último minuto, é claramente adaptado às igrejas e constitui uma mudança substancial em relação ao projeto que obteve meia aprovação dos Deputados há dois anos, que afirmava expressamente: “Objeção de consciência institucional e/ ou ideologia ”.

O que isso implica? As instituições de saúde pertencentes à Igreja Católica e outras religiões podem se recusar a praticar interrupções legais da gravidez. Em localidades por todo o país, onde o sistema de saúde é muito menor do que nas grandes cidades, milhares de mulheres e pessoas com capacidade de gestar terão dificuldade de acesso ao aborto legal. Como no Uruguai, eles podem ter que viajar para outros locais para fazer a prática.

Veja também: Argentina: Del Caño diz que a objeção de consciência “Limita os direitos das mulheres”

Limitações desse tipo ligadas à "ideologia" já são encontradas em outras leis como a Lei da Educação Sexual Integral, sancionada em 2006, cujo artigo 5º permite de fato não aplicá-la "por respeito à sua ideologia institucional e às convicções de seus membros”.

Igreja e Estado: um assunto em separado

A interferência da Igreja na legislação pública baseia-se na obrigação estabelecida na Constituição Nacional de apoiar o culto católico. Mas não são apenas relações políticas.

Estima-se que nos últimos anos do orçamento nacional cerca de 130 milhões de pesos foram distribuídos anualmente entre um total de 140 bispos e arcebispos, 640 padres e 1.200 seminaristas. Segundo informou o chefe do Gabinete do macrismo, Marcos Peña, no início de 2018, as alocações para os bispos diocesanos giravam em torno de US $ 46.800 e as dos auxiliares, de US $ 40.950.

Este financiamento estatal tem a sua origem em decretos-lei editados durante a última ditadura cívica, eclesiástica e militar. Nenhuma dessas leis foi revogada sob governos eleitos de 1983 em diante.

Mas, além disso, a instituição tem múltiplos laços em nível nacional com governadores, prefeitos, deputados e senadores. Desde a votação do aborto, há dois anos, vem conquistando, passo a passo, cada vez mais em interferências no Estado, junto às igrejas evangélicas.

Em 2018, Verónica Magario criou uma subsecretária de culto em La Matanza. O governador de Tucumán, Juan Manzur, chegou a declarar a província como "pró-vida". Durante a pandemia, o governador do Chaco, Jorge Capitanich, promoveu em coordenação com as hierarquias evangélicas o programa "Cristãos para Ajudar", para que 1.500 pessoas visitassem casas em bairros pobres. Em Formosa, as aulas de religião são ministradas em escolas públicas sem autorização das famílias.

No início do ano, as igrejas, junto com os movimentos sociais, aderiram às mesas de crise promovidas pelo Executivo em função da pandemia e do desastre econômico. O governo afirmou recentemente que apesar do projeto de lei do aborto, buscam manter boas relações com a instituição. O dado não é menor, em meio à crise e possíveis surtos sociais, precisam dela como um aliado fundamental para a contenção social dos mais pobres.

É nesse quadro que o projeto de legalização do aborto chega à Câmara dos Deputados com concessões a instituições religiosas. Por isso, torna-se urgente retomar as ruas pela separação da Igreja do Estado

Leia mais: Na Argentina e no Brasil: a luta pelo direito ao aborto é nas ruas!




Comentários

Comentar