Internacional

ESTADOS UNIDOS

A maior luta sindical da Amazon está acontecendo no Alabama

Nos arredores de Birmingham, Alabama, os trabalhadores do depósito da Amazon estão lutando para formar seu próprio sindicato. Sua vitória será uma vitória para toda a classe trabalhadora.

segunda-feira 1º de fevereiro| Edição do dia

Desde sua fundação em 1993, a Amazon tem conseguido rejeitar todas as tentativas de sindicalização de seus trabalhadores nos Estados Unidos. No resto do mundo, a luta dos trabalhadores da empresa teve mais sucesso. Na Itália em 2018, por exemplo, o sindicato Filcams Cgil foi o primeiro a botar a Amazon na mesa para negociar, o mesmo sindicato também representa os trabalhadores da Amazon na Polônia e na França.

Ainda assim, os funcionários do depósito estão lutando. Os organizadores lá se dirigiram ao Sindicato do Varejo, Atacado e Lojas de Departamento (RWDSU na sigla em Inglês) no verão passado, na esteira do levante do Black Lives Matter, conforme a pandemia varreu os centros de logística da Amazon - como a empresa chama seus depósitos - em todo o país. Em 8 de fevereiro, o National Labor Relations Board (NLRB na sigla em inglês), que supervisiona a legislação trabalhista dos EUA, enviará cédulas de votação para 5.800 trabalhadores na fábrica fora de Birmingham, para que possam votar a favor ou contra a formação de um sindicato.

Em 2019, os trabalhadores do depósito de Chicago formaram o “Amazonians United” para lutar por melhores condições de trabalho. Junto com outras organizações, eles ajudaram a organizar um "sick out" (saída do local de trabalho para protestar alegando doença/mal-estar) para centenas de trabalhadores na Amazon, Target, Whole Foods e outros locais no 1º de maio do ano passado, protestando contra a falta de equipamentos, proteção básica e outras medidas de segurança na pandemia.

A sindicalização nas instalações do Alabama seria um passo significativamente maior – coroaria a maior luta sindical desse tipo na história da Amazon.

Especulação na pandemia e os trabalhadores como dispensáveis

A Amazon tem lutado contra as tentativas de seus trabalhadores se organizarem com unhas e dentes para garantir seu alto nível de lucro. No Alabama, a empresa exige que a votação do sindicato ocorra pessoalmente no armazém - uma tática para intimidar os trabalhadores durante a pandemia e (como apontam alguns advogados anti-sindicais) como resultado do fato de que os trabalhadores enviam cédulas por correio para dificultar os esforços da empresa para "desencorajar os trabalhadores de apoiar a sindicalização antes das eleições." Este movimento foi rejeitado pelo NLRB. Mas a Amazon ainda está lutando contra o uso de cédulas pelo correio para votação sindical.

A Amazon tornou uma prática comum espionar seus trabalhadores em busca de resistência. Isso vai desde a verificação de contas de mídia social até a contratação de espiões da notória empresa Pinkerton para rastrear e relatar o que os funcionários estão fazendo e dizendo no trabalho. Muito além de seus locais de trabalho, a Amazon rastreia constantemente movimentos sociais progressistas - ativismo climático, por exemplo, além do movimento Coletes Amarelos na França - para analisá-los quanto a ameaças potenciais a seus ganhos e para facilitar o planejamento prévio. A empresa usa essas táticas em todo o mundo, dos Estados Unidos ao Oriente Médio, Ásia e Austrália.

O cinismo da luta aberta da empresa para manter seus lucros é evidente no Alabama. A Amazon criou um site para convencer os trabalhadores a votarem contra o sindicato e, em uma versão inicial ridícula do site (antes de ser editado), sugeria:

“Não compre aquele jantar, não compre aquele material escolar, não compre esses presentes porque você não terá os quase US$500 que pagou em contribuições sindicais. POR QUE NÃO economizar dinheiro e conseguir os livros, presentes e coisas que deseja? COMPRE sem taxações!"

Mais recentemente, o site disse:

"SE VOCÊ ESTÁ PAGANDO CONTRIBUIÇÕES SINDICAIS ... você será alguém RESTRITIVO, o que significa que não será fácil ser tão prestativo e sociável com os outros. Portanto, seja uma PORTA DE ENTRADA, seja amigável e faça as coisas em vez de pagar as contribuições ... Quando trabalhamos juntos para melhorar nossos negócios e atender nossos clientes, geramos mais negócios, o que significa mais segurança no trabalho para todos."

Enquanto isso, 20.000 pessoas na força de trabalho da Amazon foram infectadas com COVID-19 e pelo menos 10 morreram em outubro passado - números que certamente só aumentaram enquanto a pandemia continua a devastar a classe trabalhadora. E os trabalhadores repetidamente notam as condições de trabalho desumanas e "extenuantes" que enfrentam.

No entanto, os negócios estão crescendo, para patrões e acionistas. A Amazon registrou seus maiores ganhos durante o pior da primeira onda de COVID-19. Entre julho e outubro de 2020, a empresa teve um aumento de 37% no faturamento, para US$96 bilhões. O fundador da Amazon, Jeff Bezos, é um exemplo de especulação pandêmica. Ele viu sua riqueza pessoal aumentar em 79%, um adicional de US$90,1 bilhões somente em 2020. Em um dia, ele levantou US$13 bilhões.

Uma luta importante, com desafios pela frente

Obter o reconhecimento legal da RWDSU no depósito do Alabama seria um marco importante para uma classe trabalhadora americana que está na defensiva por muito tempo e precisa urgentemente reconstruir seu poder de combate. Essa vitória poderia inspirar mais campanhas sindicais em outros depósitos e além. Todos os socialistas que se orgulham de lutar no Alabama têm o mais pleno apoio e solidariedade.

Mas conquistar o reconhecimento do sindicato por si só não seria suficiente. Os trabalhadores de lá também enfrentam o perigo da liderança sindical burocrática da RWDSU, que poderia atrapalhar seu caminho.

Esse sindicato representa trabalhadores de saúde e serviços em todo o país, trabalhadores na linha de frente da pandemia. Enquanto seus membros adoeciam e muitos morriam, a direção evitou a todo custo organizar greves ou outras ações de protesto, ou defender de forma contundente qualquer tipo de ação militante de seus membros para proteger suas vidas e saúde.

Quando a crise começou a atingir os EUA março passado, o presidente da RWDSU, Stuart Applebaum, escreveu um artigo de opinião para o New York Daily News pedindo mais segurança nos locais de trabalho, mas não disse uma palavra sobre como os trabalhadores poderiam obter essa garantia mais do que pedir educadamente aos chefes. Enquanto isso, o boletim informativo da RWDSU continua atualizando sua nova seção que lista todos os membros do sindicato que morreram na pandemia.

No geral, a estratégia da RWDSU parece ser pedir às empresas que se preocupem mais com os trabalhadores, pressionar o NLRB para reconhecer novos sindicatos locais e acomodar o Partido Democrata, pedindo novas leis, apoiando entusiasticamente os candidatos democratas e doando milhares de dólares para campanhas políticas. Desde o início da pandemia, seu boletim informativo está repleto de histórias sobre o poder da “pressão pública” sobre os patrões, em vez de impulsionar ações destrutivas no local de trabalho.

Mas o verdadeiro poder vem de uma base organizada e pronta para lutar, atacando o que mais vale para o empresário: o lucro. Em outras palavras, o que funciona é uma ação militante, não trabalhando com o NLRB ou os democratas. O processo de certificação de um sindicato é projetado contra os trabalhadores, desde as regras fracas que “protegem” os trabalhadores de retaliação até o tempo abundante que o NLRB dá aos patrões para interferir em todos os aspectos de uma campanha de organização. Quando os chefes inevitavelmente violam as regras, como intimidar e demitir funcionários, apelos ao NLRB por ajuda levam um tempo absurdamente longo, às vezes anos, para serem resolvidos, provavelmente muito depois de a pessoa ou pessoas demitidas terem saído da empresa.

Em 2018, professores de base e outros trabalhadores da educação entraram em greve na Virgínia Ocidental, tanto contra a lei estadual quanto contra seus burocratas sindicais, e ganharam concessões substanciais em salários e benefícios. Durante a revolta do BLM no verão passado, motoristas de ônibus sindicalizados em Minneapolis, Pittsburgh, Nova York e em outros lugares se recusaram a transportar policiais ou manifestantes que haviam prendido, destacando o papel dos trabalhadores na revolta. Alguns sindicatos foram uma força fundamental no subfinanciamento parcial de algumas forças policiais, uma demanda do BLM. Só neste mês, cerca de 1.400 Teamsters (caminhoneiros) entraram em greve no Hunts Point Market da cidade de Nova York, o maior mercado atacadista de produtos agrícolas do mundo, e obtiveram aumentos significativos em salários e folgas.

O Partido Democrata não é aliado do movimento operário organizado. Apesar de tudo que tentaram oferecer e persuadir para fazer os membros dos sindicatos votarem neles, repetidamente provaram ser inimigos da organização operária independente e do verdadeiro poder dos trabalhadores. No entanto, desde os anos 1980, a grande maioria dos líderes sindicais nos Estados Unidos abandonou as táticas militantes como greves e, em vez disso, está tentando obter o acordo dos políticos democratas para obter concessões. Durante essas mesmas décadas, os salários estagnaram e os próprios sindicatos se desmantelaram constantemente. A estratégia de aliar-se ao Partido Democrata é um fracasso abjeto.

São os democratas de estados como Nova York que defendem as leis que proíbem os funcionários do setor público de usar sua principal arma: a greve. Foi um governo democrata, o de Clinton, que lutou pelo NAFTA (Acordo de Livre Comércio da América do Norte), que ajudou a alimentar a "corrida para o fundo do poço" mundial das condições salariais e de trabalho, e enfraqueceu a força de trabalho americana ao longo do caminho. E foi outro governo democrata, o de Obama, que prometeu aprovar uma legislação pró-sindical e recusou fazer quando assumiu o cargo. Até mesmo hoje, o Chicago Teachers Union, um dos mais militantes e ativos do país, está à beira de uma greve porque a prefeita Lori Lightfoot, uma democrata "progressista", está tentando forçar os professores voltarem à sala de aula sem medidas de segurança adequadas durante uma pandemia mortal.

O poder sindical não vem de uma declaração de Bernie Sanders apoiando os trabalhadores da Amazon Alabama, ou de Alexandria Ocasio-Cortez fazendo aparições nos piquetes. Vem da ação organizada e unida das bases. Depender dos democratas para construir o poder dos trabalhadores é suicídio.

A base é decisiva. Os burocratas sindicais assumem uma posição "intermediária" entre patrões e trabalhadores, aceitando-a como seu trabalho não apenas para fechar contratos sem greves, mas para garantir uma força de trabalho dócil que "permaneça na linha". Fazem isso assinando contratos com "cláusulas anti-greve" que proíbem os trabalhadores de usar a principal arma que lhes dá poder sobre os patrões.

Os sindicatos só avançam por meio de uma organização de base que está pronta e disposta a enfrentar os burocratas, empurrando-os para a esquerda, obrigando-os a assumir posições mais militantes e forçando um maior controle do sindicato pela base, lutando contra os patrões de forma militante. Essa é uma lição que se desenvolverá no Alabama e além.

Há desafios pela frente, mas a luta na Amazon é crucial para os trabalhadores norte-americanos. Solidariedade com a luta sindical na Amazon!




Tópicos relacionados

Jeff Bezos   /    Sindicatos   /    Amazon   /    Internacional

Comentários

Comentar