ONDE ESTÁ SANTIAGO MALDONADO?

Polícia argentina encontra um corpo no lugar onde desapareceu Santiago Maldonado

Foi encontrado nesta terça-feira no marco de uma varredura que realizaram mergulhadores no rio Chubut. Havia sido ordenado pelo juiz Lleral no âmbito da investigação sobre o desaparecimento de Santiago Maldonado. A procuradora encarregada do caso assegura que o cadáver foi encontrado a cima.

quarta-feira 18 de outubro| Edição do dia

Ao meio-dia de terça-feira, um corpo foi encontrado no canal do rio Chubut, província de Chubut. Ele foi visto por mergulhadores táticos da Prefeitura Naval da Argentina. Foi no quadro de um rascunho sobre o rio, onde também cães da Divisão Cinotecnia atuaram.

De acordo com a versão do jornal La Nación, o corpo foi encontrado submerso e agarrado a ramas de salgueiros, dentro do Pu Lof da comunidade mapuche em Cushamen. O jornal cita as fontes judiciais de Esquel para apoiar sua versão.
Esta é a quarta varredura que ocorre na área do rio Chubut. Foi ordenado pelo juiz Gustavo Lleral. A varredura anterior tinha sido realizada no último dia 18 de setembro por ordem do juiz anterior do caso, Guido Otranto. Este juiz foi recusado por ordem da família Maldonado. O magistrado mostrou uma manifesta parcialidade na causa.

Na varredura anterior envolveu centenas de tropas de várias forças. Gonzalo Cané, funcionário do Ministério da Segurança Nacional, também esteve presente, que fazia parte daqueles que intervieram em fazer o seu melhor para desviar a atenção da Gendarmerie na investigação.

Deve-se lembrar que nesta incursão, além de uma forte ação repressiva sobre os membros do Pu Lof, impediu a entrada de Sergio Maldonado, irmão de Santiago. Não só ele não podia entrar. Ninguém poderia fazê-lo nessa ocasião até 7 horas após o término da operação.

O governo de Maurício Macri rapidamente enviou uma comitiva a Esquel. Em um avião oficial, o secretário dos Direitos Humanos, Claudio Avruj, o funcionário do Ministério da Segurança da Nação, Gonzalo Cané, junto com outros membros do governo, viajaram para Esquel. De acordo com a mídia de televisão, o ministro da Segurança, Patricia Bullrich, também viajaria para Chubut. Por outro lado, um especialista proposto pela família Maldonado também voaria para Esquel.
Santiago desapareceu no último dia 1 de agosto, após uma violenta repressão realizada pela Gendarmería. O mesmo havia sido digitalizado por Pablo Noceti, chefe de gabinete do Ministério da Segurança da Nação.

Desde o próprio momento desse desaparecimento, a investigação em torno do mesmo estava plagada de faixas e manobras falsas, plantadas pela mesma Gendarmeria, serviços de inteligência, o governo nacional e a mídia similar à oficial. A aparência deste corpo se enquadra nesta estrutura.

Precisamente por esta razão, deve-se notar que esse fato pode possibilitar a realização de novas manobras destinadas a desviar ainda mais a investigação e a manter a Gendarmeria e os líderes políticos do Ministério da Segurança Nacional.

O Ministério Público Distrital de Esquel diz que o cadáver foi encontrado rio acima

Este é o primeiro comunicado do judiciário, assinado pelo Procurador Federal de Esquel, depois de encontrar o corpo no rio Chubut. Enquanto aguardava o reconhecimento do corpo encontrado esta tarde no rio Chubut, o Ministério Público Federal de Esquel emitiu uma declaração dizendo que "um corpo foi encontrado morto no rio Chubut, a aproximadamente 300 metros a montante do epicentro do conflito que ocorreu em 1 de agosto de 2017. "

Esta confirmação não acrescenta dúvidas sobre como essa descoberta. Para os argumentos já expostos por este meio, como o fato de que é a quarta vez que se faz uma varredura e anteriormente nenhum vestígio foi encontrado, acrescenta ao fato de que o corpo encontrado na terça-feira foi "300 metros a montante” do lugar onde Santiago Maldonado foi visto pela última vez. Se esse corpo é o de Santiago, a questão que se coloca é: como pode ser que o corpo subiu a montante?

A declaração esclarece que a incursão realizada hoje foi a pedido do juiz Gustavo Lleral e promovida pelo Ministério Público no âmbito do habeas corpus, que visa procurar o desaparecido há 78 dias. No entanto, o promotor não desperdiça a oportunidade de atacar de novo a comunidade, voltando a revigar as vítimas.
"A criação de um espaço de diálogo com a Comunidade, uma situação que sempre foi favorecida por este Ministério Público e o Tribunal Federal de Esquel, reduziria a possível reticência no desenvolvimento de corridas previamente ordenadas", afirmou a declaração. , insistindo mais uma vez em uma suposta relutância por parte dos membros do Pu Lof que não teria permitido realizar varreduras. Isso já foi negado repetidamente nestes eternos 78 dias sem Santiago.

O critério do "diálogo" do advogado Avila também é curioso. Lembre-se que, desde o início do caso, o tribunal de defesa de Otranto não fez mais do que atacar, maltratar e deslegitimar testemunhas e membros da comunidade. Em 18 de setembro, a mega operação da invasão, ordenada pelo juiz Otranto, durante a qual o "diálogo" da acusação estava presente, chegou a um período de mais de 12 horas para aqueles que estavam no território Mapuche.

Enquanto aguardava notícias sobre o reconhecimento do corpo encontrado para confirmar ou negar se é Santiago Maldonado, o que é claro a partir de mais manobras e argumentos falsos que utilizam do governo e do judiciário é que tudo o que aconteceu com Santiago Maldonado desde o seu desaparecimento em 1 de agosto no quadro de uma repressão brutal em Pu Lof na Resistencia de Cushamen é pura e exclusiva responsabilidade de Patricia Bullrich, Pablo Noceti e da Gendarmeria Nacional da Argentina.

Tradução de Douglas Silva




Tópicos relacionados

Santiago Maldonado

Comentários

Comentar