Política

LAVA-JATO

O golpista do Sergio Moro afirma: A Lava Jato segue "enquanto existir" material

Guilherme de Almeida Soares

São José dos Campos

sexta-feira 5 de agosto| Edição do dia

"É impossível fazer um prognóstico sobre o fim da Operação Lava Jato", disse o golpista Sergio Moro na comissão especial da Câmara que analisa medidas anticorrupção propostas pela força-tarefa de Curitiba na forma de um projeto de "iniciativa popular’’. Questionando sobre declarações que fizera no sentido de que o caso poderia terminar no final de 2016, Sergio Moro esclareceu ‘’Isso foi um comentário que eu fiz. É mais um desejo – porque eu confesso que estou um pouco cansado, o trabalho tem sido desgastante – do que propriamente uma previsão objetivo. O juiz e todos trabalham com base em deveres legais que dizem que, se surgem provas de conduta criminosa, isso tem que ser apurado. Evidentemente ninguém vai fechar os olhos para essas questões’’.

Moro disse, então, a frase definitiva sobre o tema: "O trabalho continua enquanto existir com que trabalhar. É impossível um prognóstico’’. O juiz também disse "Da mesma forma, não existe nada que, dentro de um regime democrático, não possa ser enfrentado, desde que haja vontade, não só da sociedade, mas também das instituições. Então, não creio que o Brasil está condenado a ser visto como um país extremamente corrupto. Podemos tomar passos a cada dia, avançando na reforma das nossas instituições, dentro da democracia’’.

E a Lava Jato, quando vai terminar? Essa pergunta pode ser respondida

Como estamos denunciando há tempos neste site, a operação Lava Jato não tem nenhum interesse em combater a corrupção, mas sim tem como objetivo abrir espaço para que imperialismo avance mais no país e também para desalojar o setor burguês representado pelo o PT no governo, colocando no lugar, setores que estão mais ligados ao imperialismo.

Como denunciamos neste texto aqui, o Juiz Sergio Moro já realizou trabalhos para a empresa Shell e já foi advogado do PSDB.

É discutido também da Lava Jato seguir o rumo da operação italiana Mãos Limpas, operação esta que trocou a casta política italiana. A possibilidade da Lava Jato de seguir o rumo da operação italiana ganhou força, quando uma ala do Judiciário resolveu avançar contra o PMDB e suas principais figuras públicas dentro do parlamento. Isso só ocorreu, porque o golpista do Temer deu uma demonstração de não conseguir atender os ajustes que o imperialismo exigia.

Agora que o golpista do Michel Temer pediu um voto de confiança pro imperialismo e fez com que ‘’reforma’’ da previdência e trabalhista avançassem, logo a grande mídia e o poder Judiciário não falaram mais nada sobre a participação dos casos de corrupção envolvendo Sergio Machado, Michel Temer e até José Sarney. Porém já existem setores ligados ao imperialismo organizados no PSDB que querem mais que o governo golpista está oferecendo e estão dispostos a avançarem contra o Temer.
Isso faz com que a Lava Jato volte ao seu objetivo que é desalojar o setor burguês representado pelo o PT do governo, para colocar uma ala que tenha uma relação mais estreita com o imperialismo. Então se avança contra as principais figuras do PT, fazendo com que este partido perca todas as suas pretensões eleitorais de ocupar cargos importantes dentro do Estado burguês.

Importante dizer, independente se a Lava Jato e o Judiciário avancem contra o PT ou vai mais alem, membros como José Serra e Geraldo Alckmin já estão com a sua impunidade garantida. A grande questão vai ser se pune o Aécio Neves ou não. Isto depende se tem correlação de força que obrigue a Lava Jato mostrar que é contra todos os políticos corruptos ou se vai ter espaço inclusive para garantir a impunidade do senador mineiro tucano envolvido até o pescoço em corrupção.

Outro objetivo da Lava Jato é abrir mais espaço para empresas imperialistas como a Shell atuarem dentro do país. E pra poder fazer isso, a Lava Jato tem que avançar contra as empresas nacionais dentro país, fazendo com que estas percam o espaço que elas possuem dentro do ‘’mercado brasileiro’’.

Qual é a saída para o combate contra a corrupção?

O PT durante o tempo em que foi governo, assimilou muito bem os métodos da direita de governar e fez todo tipo de acordos espúrios com grandes empresários e políticos da ordem. O PT é parte deste regime do suborno marcado por escândalos corrupção, porém ele tem a doce companhia dos partidos da direita. De um lado avançar contra o PT e não avançar contra todos partidos envolvidos na Lava Jato, significa garantir que estes partidos de direita ganhem a ‘’maior fatia da torta’’ nos esquemas de corrupção.

Do outro lado, dizer que o PT não participou sozinho dos esquemas de corrupção não significa fortalecer aqueles que acham que a operação Lava Jato tem que ser uma operação Mãos Limpas do Brasil, como faz a Luciana Genro do PSOL. A corrupção é um dos mecanismos deste Estado que está a serviço dos grandes empresários e banqueiros. É pra questionar isso é preciso uma Assembléia Constituinte Livre e Soberana, imposta pela força da mobilização dos trabalhadores e dos setores populares da sociedade. Uma assembléia que fazem os trabalhadores questionarem o sistema com medidas como ‘’que todo político e funcionário de alto escalão ganhem igual a um professor’’, ‘’que todo juiz seja eleito’’, ‘’revogabilidade para todos os cargos’’ e ‘’fim do Senado’’.

Não vão ser os métodos de delação premiada que garante a impunidade pra alguns, que a corrupção vai ser combatida. Isso mostra que o caráter da Lava Jato, uma verdadeira fabrica de ganhar dinheiro com as delações premiadas, conforme denunciou o portal Esquerda Diário.




Tópicos relacionados

Operação Lava Jato   /    Política

Comentários

Comentar