Logo Ideias de Esquerda

Logo La Izquierda Diario

SEMANÁRIO

Um trabalhador diante da história do Brasil

Afonso Machado

Nota do autor: este texto é um experimento histórico-literário que propõe uma reflexão crítica.

Um trabalhador diante da história do Brasil

Afonso Machado

Um trabalhador que trabalhou demais precisa pensar. Mas como pensar? Primeiro é preciso se perguntar por que o olho está roxo e por que o estômago está roncando. Entender que o seu corpo é concreto, um corpo surrado e faminto, é um ponto de partida importante para este trabalhador concluir que não é o pensamento que determina o ser e sim o ser social que determina o pensamento. Os trabalhadores que sabem que fazem parte de uma classe, lutam e precisam aprender a conhecer cada vez mais. O trabalhador que não sabe e que portanto não luta, precisa aprender a conhecer, precisa aprender a lutar. Este mesmo trabalhador que não sabe e não luta, compreende que veio do útero da sua mãe e que é brasileiro. Mas o seu passado está muito além do útero da mãe: o que ele sabe sobre a história do Brasil?

Alguns “ fatos “ da história do Brasil são lembrados pelo trabalhador que ainda não conhece a história do Brasil:

ERA UMA VEZ...

- Num lindo dia de sol do ano de 1888, a Princesa Isabel concedeu aos escravos a sua liberdade. Sim, uma fada que no auge da sua bondade criou uma nação de homens livres.

- Pedro Álvares Cabral descobriu em 1500 um paraíso que seria batizado como Brasil. Nestas terras tudo que se planta dá... Este paraíso abriga uma diversidade cultural em que portugueses, indígenas e negros se misturaram heroicamente. É uma terra de gigantes! Esta terra é uma grande mãe que não faz diferença entre os seus amados filhos. Observamos uma história gloriosa em que todos lutam pelos seus sonhos.

- Ás margens do rio Ipiranga Dom Pedro, futuro imperador do Brasil, libertou com sua espada o nosso território em 1822: nasce uma nação independente de Portugal.
- Em 1964 as forças armadas, os EUA e todos os amantes da liberdade fizeram uma Revolução no Brasil. Durante 21 anos os comunistas foram afastados do poder e o progresso econômico chegou a todo o país.

- Quem quiser saber sobre os primeiros heróis de nossa história precisa conhecer a coragem dos bandeirantes. Estes bravos do século XVII adentraram pelo interior do nosso território enfrentando onças pintadas, perigos da selva, índios selvagens... Devemos a eles uma parte considerável do nosso progresso.

Pausa:
Como o trabalhador que ainda não sabe pode avaliar os acontecimentos narrados acima? Primeiramente ele precisa de ferramentas, de materiais adequados.

MATERIAIS NECESSÁRIOS PARA O TRABALHADOR PENSAR A HISTÓRIA DO BRASIL:

1- Lente de aumento
2- Banana de dinamite
3- Despertador

Com estes materiais o trabalhador está equipado para um exame crítico. Vejamos: a lente de aumento possibilita ir além das falsas aparências. A partir de agora o trabalhador faz uso da lente de aumento para estudar história. O proletário descobre que muito antes da Princesa Isabel e dos interesses do Capital inglês oitocentista, existiu uma gigantesca luta de séculos contra a escravidão protagonizada pelos próprios cativos: uma luta que vai do Quilombo de Palmares e chega no movimento abolicionista. O proletário entende que a nossa formação histórica na América portuguesa envolveu a destruição de povos indígenas e a utilização de escravos de origem africana nas fazendas de engenho. O proletário observa que os Bandeirantes não tinham nada de heroicos, que eram caçadores de índios e de escravos fugitivos. O proletário descobre que os povos indígenas lutaram, resistiram contra a colonização. O proletário percebe que na prática a Independência do Brasil gerou um Estado opressor voltado exclusivamente para os interesses econômicos das classes proprietárias. O proletário conclui que este Estado assumiu ao longo da história formas autoritárias, como ilustra por exemplo o Golpe de 1964: foram 21 anos de perseguições, prisões, torturas, assassinatos, exílio e censura.

Após utilizar a lente de aumento o trabalhador faz uso da banana de dinamite para explodir as falsas imagens da história do Brasil: vão pelos ares as distorções e os ocultamentos presentes na construção das narrativas dominantes. Agora o proletário tem em mãos um despertador colocado entre ele e o nosso passado: revendo a nossa história a partir das lutas dos oprimidos o despertador toca, repica, faz um alerta para que o trabalhador compreenda a luta de classes. Ele passa a ouvir inclusive a história do movimento operário brasileiro. Agora este proletário que não sabia, sabe porque apanha e passa fome.

Imagem: "Juramento da Princesa Isabel Como Regente do Estado e Como Herdeira do Trono Brasileiro ", de Victor Meirelles

veja todos os artigos desta edição
CATEGORÍAS

[história do Brasil ]   /   [Literatura]   /   [Cultura]

Afonso Machado

Campinas
Comentários