TRANSFOBIA

Transexual denuncia agressão por um segurança durante show em Niterói, RJ

Ao longo do show do cantor Wesley Safadão em Niterói na região metropolitana do Rio, um segurança jogou uma jovem trans no chão e deu chutes e socos consecutivos, finalizando com uma declaração homofóbica.

terça-feira 30 de janeiro| Edição do dia

(Foto: Arquivo Pessoal)

Segundo declara a vítima – que não teve revelada a identidade por questão de segurança: "Após ser empurrada, caí no chão e fui chutada. Lembro bem. Ele me empurrou e gritou: ’Aqui não é lugar de viado!", relata a jovem de 23 anos.

Ele estava responsável pela proteção do perímetro do trio elétrico, onde estava o cantor e as agressões teriam sucedido após ela ter reclamado com o segurança sobre um empurrão dado na prima.

O ataque a deixou com escoriações no joelho esquerdo, no queixo e na mão. A jovem disse que irá fazer o exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal. No sábado (27), ela fez um registro de ocorrência na delegacia de São Cristóvão, na Zona Norte do Rio no qual o caso foi anotado como injúria e lesão corporal.

A vítima chegou ao evento por volta das 16h acompanhada da prima. Quatro horas depois, ocorreu a agressão quando o show já estava próximo do fim.

Ocorrido em 21 de Janeiro, sete dias antes do Dia da Visibilidade Trans, mostra ainda mais a realidade brasileira do país do transfeminicidio. Onde uma transexual vive em média apenas 35 anos e nesse tempo são consideradas doentes pelo estado. Somente esse ano é que o Conselho Federal de Psicologia pode despatologizar a identidade trans nas orientações médicas.

Também a nação que a cada 48 horas uma pessoa trans é assassinada e todos os dias vítimas da violência do estado pela polícia.

Pode interessar:

4 medidas para um Plano de Emergência contra o transfeminicídio e a violência LGBTfobica

Informações G1




Tópicos relacionados

Homofobia e Transfobia   /    Rio de Janeiro

Comentários

Comentar