Mundo Operário

TRABALHADORAS DA SAÚDE

Trabalhadoras da saúde de BH denunciam Zema em ato por mais EPIs, testes e contra a reforma da previdência

Nesta segunda-feira (13), as trabalhadoras e trabalhadores da Fundação Hospitalar de Minas Gerais realizaram um ato denunciando a política assassina do Governador Romeu Zema (NOVO). Além da fundação não garantir testes preventivos e EPIs para as trabalhadoras, e manter trabalhadores que testaram positivo para a COVID trabalhando, Zema quer passar uma reforma da previdência em meio à pandemia, para fazer os trabalhadores pagarem ainda mais caro por esta crise.

terça-feira 14 de julho| Edição do dia

Enquanto as infecções e óbitos não param de crescer em Minas Gerais e no Brasil, as trabalhadoras e trabalhadores que são linha de frente no combate à pandemia se encontram não apenas desamparados, mas também diretamente atacados por Zema, que quer mostrar serviço a Bolsonaro e aos capitalistas atacando ainda mais os direitos dos trabalhadores.

Como já expomos neste link, as trabalhadoras vem denunciando há semanas a situação caótica dos hospitais da Fhemig, que acarreta no adoecimento ou até mesmo na morte de trabalhadoras e/ou seus familiares. Foi decidida uma paralisação para segunda-feira, respeitando as escalas mínimas, que no entanto foi impedida de acontecer pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais, que se coloca ao lado de Zema no descaso e ataques aos trabalhadores da saúde.

Ainda assim foi mantido um ato que ocorreu pela manhã denunciando as condições de trabalho e a Reforma da Previdência, exigindo que a fundação garanta EPIs e testes e que libere os trabalhadores com suspeita ou confirmação de COVID para preservar a saúde dos trabalhadores e dos pacientes.

No Brasil do negacionista Bolsonaro e de governadores como Zema, as piores consequências dacrise sanitária estão recaindo sobre a classe trabalhadora, especialmente sobre as categorias dos serviços essenciais ou trabalhadores precários, que muitas vezes são de maioria feminina e negra.

Não bastasse a pandemia, os governos não param de tomar medidas que atacam as condições de vida dos trabalhadores em prol do lucro dos capitalistas, como as leis de rebaixamento salarial de Bolsonaro ou esta Reforma da Previdência de Zema, que vai corroer ainda mais o salário dos funcionários e funcionárias públicas de Minas Gerais, inclusive das trabalhadoras da saúde que estão adoecendo e morrendo na linha de frente.

A luta das trabalhadoras da saúde pelas suas vidas e de toda a população é uma luta de todos pela garantia de testagem massiva, com centros de testes por bairros, para multiplicar urgentemente os leitos de UTI com respiradores, contratação de trabalhadores da saúde terceirizados e desempregados como efetivos, centralização de todo o sistema de saúde, público e privado, com um SUS 100% estatal sob controle dos trabalhadores da saúde e cientistas, readequação da produção e expropriação de toda empresa que possa produzir respiradores e equipamentos necessários para o combate da pandemia sob controle dos trabalhadores, proibição de demissões enquanto dure a epidemia e cobertura de 100% dos salários e direitos de todos os trabalhadores afastados.

A pandemia mostra mais do que nunca que sem os trabalhadores nada funciona, a classe trabalhadora se arrisca dia a dia para garantir o funcionamento da sociedade, mas o que recebe em troca é exposição ao vírus, desemprego, cortes no salário, adoecimento ou até morte. A luta da classe trabalhadora e uma só, das trabalhadoras da saúde de MG, dos entregadores em todo o país, dos metroviários, rodoviários, professoras, operários industriais e demais setores que estão dia a dia sendo explorados e oprimidos por um punhado de capitalistas, por políticos e pela polícia racista e assasina. É uma só classe e uma só luta pra fazer os capitalistas pagarem pela crise.

Flávia Valle, professora estadual de Minas Gerais e militante do MRT e do Esquerda Diário esteve no ato prestando apoio às trabalhadora da saúde e defendendo a unidade dos trabalhadores. Veja o vídeo:

Hoje estive na manifestação de trabalhadores da Fhemig, que lutam contra a reforma da previdência do governador...

Publicado por Flavia Valle em Segunda-feira, 13 de julho de 2020




Tópicos relacionados

trabalhadores da saúde   /    Coronavírus   /    Saúde MG   /    Romeu Zema   /    Reforma da Previdência   /    Belo Horizonte   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar