Política

RIO DE JANEIRO

Pezão tem 48 horas para pagar servidores da UERJ, sob risco de multa diária em 1 mil

Pedido judicial obriga Pezão pagar os salários atrasados dos servidores da UERJ nas próximas 48h, sob pena de multa de R$1mil por dia.

Juan Dias

RIO DE JANEIRO

quinta-feira 29 de junho| Edição do dia

A pedido da Ordem dos Advogados do Brasil do Rio de Janeiro, o juiz da 10ª Vara Federal, Alberto Nogueira Junior, determinou que o governo do Estado do Rio de Janeiro deve regularizar a situação do pagamento dos servidores da UERJ. O governador terá a obrigação de cumprir a decisão no prazo de 48h, sob pena de multa de R$1mil por dia descontados do seu próprio salário, passando também, caso descumpra a ordem, a ter o seu nome no cadastro de devedores inadimplentes “e outras medidas de constrição sobre seu patrimônio pessoal”.

Na decisão, o juiz afirma que “A ninguém é permitido não colaborar com o Poder Judiciário” e também determinou que o pagamento dos servidores não pode depender do plano de resgate nem de “qualquer espécie de juízo de oportunidade ou de conveniência por parte do Estado do Rio de Janeiro”, mesmo na situação de calamidade na que se encontra o Estado.

Nós do Esquerda Diário viemos denunciando a relação da crise do Rio com sua relação com as grandes empresas, Perdoando dívidas bilionárias e isentando empresários de pagar impostos. É bom lembrar que a divida das empresas, que o governo do PMDB recusa-se a cobrar supera a absurda cifra de R$200 bilhões. A quantia toma proporções ainda mais escandalosas quando comparado com o total gasto pelo governo do Estado com a folha de pagamento dos servidores estaduais, que no mês de janeiro de 2017 custou R$ 2,2 bilhões, ou seja, a dívida perdoada às empresas em nove anos de PMDB no governo do Estado é quase cem vezes maior do que a fatia orçamentária destinada ao pagamento dos trabalhadores estaduais. Somente neste ano foram perdoados R$ 18 milhões das grandes empresas.




Tópicos relacionados

Luiz Fernando Pezão   /    Crise no Rio de Janeiro   /    Rio de Janeiro   /    Política

Comentários

Comentar