Política

GOVERNO TEMER

Roberto Justus, Abilio Diniz e Luiza Trajano, conselheiros de Temer para atacar melhor os trabalhadores

Guilherme de Almeida Soares

São José dos Campos

segunda-feira 21 de novembro| Edição do dia

Já saíram no Diário Oficial da União os nomes que irão compor o Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social do governo golpista de Michel Temer. O Conselhão, será composto por 96 membros, entre eles o publicitário Roberto Justus, o treinador da seleção brasileira de vôlei masculino, Bernandinho, e o ex-jogador de futebol Raí. O grupo se reúne pela primeira vez nesta segunda feira.

Além deles, vão tomar posse no Conselho os empresários Abílio Diniz, Jorge Gerdeu e Luiza Trajano, e os presidentes da Confederação Nacional da Indústria, Robson Bragam e da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, Paulo Skaf. O ator Milton Gonçalves, também aceitou o convite. Nomes como Viviane Senna, do Instituto Ayrton Senna, e Claudia Sander, da Latam Brasil, se mantiveram no grupo.

O perfil do conselho econômico do atual governo, apenas mostra que Michel Temer vai preparar as medidas impopulares contra os trabalhadores e demais setores populares da sociedade em conjunto com os principais grandes empresários do país. Mais uma vez, Temer mostra que seu principal objetivo é fazer com que a taxa de lucro dos grandes empresários e banqueiros aumente ainda mais.

Neste conselho, como era de se esperar, nenhum representante dos trabalhadores e de setores populares para discutir qual é a saída pro país sair da crise econômica, nem menos burocratas das centrais sindicais e estudantis para dar um ’’ar democrático’’ ao Conselho como fez Dilma. Temer deu a este órgão de governo seu verdadeiro papel: balcão de negócios dos grandes empresários e banqueiros.

Temer chegou a nomear até Roberto Justus, apresentador de televisão conhecido por dizer ’’você está demitido’’ em um dos seus programas de televisão. Frente a mais de 12 milhões de desempregados, número este que só tende aumentar com o governo Temer, chega a ser um insulto a todos aqueles que foram privados de seu sustento colocar o patrão milionário que faz papel de carrasco para aconselhar assuntos sociais.

Com a formação do novo Conselho, Temer quer responder as criticas dos grandes empresários e banqueiros de que o governo estaria enrolando para implementar as medidas impopulares. Michel Temer sabe que tem pouco tempo para atacar os trabalhadores e mostrar porque pode continuar no governo até 2018, pois a Lava Jato através da delação premiada da Odebrecht certamente avançará contra o seu governo.

Enquanto Temer monta o seu conselho de empresários, a CUT e CTB mantém os trabalhadores paralisados por conta do seu pacto de trégua com o atual governo. Se depender destas centrais sindicais, certamente os ataques passarão sem resistência. É preciso barrar as medidas impopulares de Temer. Pra isso, exigimos que a CUT e CTB rompam com este acordo e comece organizar um plano de luta efetivo contra Temer.




Tópicos relacionados

Governo Temer   /    Política

Comentários

Comentar