Política

REFORMA DA PREVIDÊNCIA

Reforma da previdência dos militares pode aumentar seus salários em até 75%

Enquanto a reforma da previdência para os trabalhadores gerais recém aprovada corta direitos e aprofunda a precarização, a reforma da previdência dos militares, se aprovada na íntegra, concede aumentos salariais de até 75%.

segunda-feira 21 de outubro| Edição do dia

Na semana passada a Câmara dos Deputados iniciou o debate sobre o projeto de reforma da previdência das Forças Armadas. Se aprovado na íntegra, o texto do projeto apresenta novos adicionais e propõe um aumento de até 75% das remunerações dos militares. Um coronel, por exemplo, teria um acréscimo em seu salário de quase 10 mil reais.

Os postos militares de alto escalão serão os mais beneficiados pelo projeto, enquanto soldados, cabos, etc., terão aumento de cerca de 15%. Os deputados na Câmara ainda não entraram em consenso sobre o percentual e o aumento conforme a hierarquia dentro das Forças Armadas. Como vem acontecendo no último período, o PSL, partido de Bolsonaro, se encontra dividido também nesta questão.

A reforma da previdência dos militares escancara a falsa necessidade da reforma, pois ao conceder adicionais que aumentam em até 75% os salários dos militares, diminui drasticamente o efeito de economia que a reforma traria.

Mais do que isso, este projeto de reforma da previdência diferenciado serve de exemplo claro para demonstrar os reais interesses do governo e da classe dominante. Enquanto a reforma da previdência para os trabalhadores gerais corta direitos mínimos e determina que iremos trabalhar até morrer, o projeto da reforma dos militares concede uma série de privilégios à categoria.

Nesse primeiro ano de governo Bolsonaro os trabalhadores, a juventude e o povo pobre têm sofrido uma série de ataques e corte de direitos e serviços. Essa reforma deixa mais claro como enquanto isso há uma casta e setores da sociedade que se beneficiam e fazem com que sejamos nós a pagar pela crise econômica.




Tópicos relacionados

Reforma da Previdência   /    Política

Comentários

Comentar