Logo Ideias de Esquerda

Logo La Izquierda Diario

SEMANÁRIO

Racismo, capitalismo e luta de classes

Josefina L. Martínez

Racismo, capitalismo e luta de classes

Josefina L. Martínez

A revolta anti-racista nos Estados Unidos pelo assassinato brutal de George Floyd reabre questões estratégicas: como articular a luta contra o racismo, a repressão e a exploração capitalista? Um contraponto entre as teorias da interseccionalidade e o marxismo.

Imagens de protestos contra o racismo nos Estados Unidos pelo assassinato brutal de George Floyd chocaram o mundo. O grito do Black Lives Matters também foi ouvido na França durante uma manifestação com milhares de pessoas exigindo justiça e verdade para o jovem Adama Traoré, morto pela polícia racista francesa. As manifestações dos "manteros" (vendedores ambulantes) no Estado espanhol, as greves dos trabalhadores sazonais agrícolas subsaarianos na Itália ou dos migrantes romenos que colhem morangos na Alemanha, mais uma vez encenaram, em meio à crise de Covid-19, o agravamento do racismo e da xenofobia isso aumenta a precariedade do trabalho para milhões que estão na "linha de frente".

A irrupção da luta de classes no coração do império norte-americano, alimentada pelo protesto contra o racismo policial e a crise econômica que atinge especialmente os bairros pobres de negros e latinos daquele país, reabre os debates sobre a relação entre o racismo e o capitalismo hoje e como articular uma estratégia socialista e revolucionária para a emancipação de todos os oprimidos e explorados.

As teorias de interseccionalidade sustentam que o marxismo carrega alguma "falha" em seu núcleo central que deve ser superada para abordar essa questão, mas isso é verdade ou responde a uma caricatura do marxismo? Por outro lado, alguns setores da esquerda desvalorizam a luta contra o racismo, como se fosse algo secundário. Qual é o método que o marxismo oferece para entender as relações entre gênero, raça e classe? Estas são algumas questões que consideraremos a seguir, com foco na questão do racismo.

Marx, escravidão e roubo colonial na gênese do capitalismo

Para muitos dos que aderem às teorias da interseccionalidade, tornou-se comum questionar o marxismo por um suposto economismo, como se fosse uma tradição teórica que não dê importância à questão do racismo ou da opressão de gênero. Na realidade, eles argumentam com um "espantalho", uma versão vulgar do marxismo ou um desenho distorcido dele.

Contudo, tanto na obra de Marx e Engels, como no pensamento de Lenin, Rosa Luxemburgo e Trotsky, importantes contribuições são encontradas sobre o papel do racismo como um dos mecanismos de dominação capitalista, desde suas origens. Em Capital Marx escreveu:

"A descoberta de ouro e prata nos Estados Unidos, a pilhagem, a escravidão e o enterro da população aborígine nas minas, o início da conquista e a pilhagem das Índias Orientais, a conversão da África em uma toca para a caça das peles pretas", são parte do início da era da produção capitalista.

O desenvolvimento capitalista envolveu, em diferentes períodos históricos, grandes movimentos populacionais e a subjugação de povos inteiros. Movimentos forçados à mão armada e com correntes, como no caso da escravidão na África negra ou causados pela necessidade de ferro, como fenômenos migratórios maciços para escapar da pobreza, fome ou das guerras.

Vários autores apontam que a ideia de "raça" é uma criação da modernidade capitalista. A construção de diferentes "tipos raciais" aos quais são atribuídas determinações físicas, caráter ou capacidade intelectual, seguindo uma ordem hierárquica em que a pele branca é sempre superior e a pele preta é a extremidade inferior, consolida-se com a generalização de escravidão. E a escravidão, por sua vez, é um elemento-chave nas origens do capitalismo.

Como aponta Kevin Anderson, o jovem Marx já teorizou que o capitalismo industrial se fundava não apenas na exploração da classe trabalhadora assalariada, mas também na existência de trabalho escravo negro. "A escravidão direta é tanto o eixo sobre o qual nosso industrialismo atual gira quanto máquinas, crédito, etc. Sem escravidão, não haveria algodão; sem algodão, não haveria indústria moderna". A escravidão organizada no sentido capitalista, muito diferente da escravidão nos tempos antigos, acrescenta Anderson. [1]

Foi então que o conceito de "raça" adquiriu seu significado moderno e foi codificado nas Leis, estabelecendo que algumas pessoas podiam ser vendidas, açoitadas, violadas, expropriadas de seus filhos e exploradas para trabalhar até a morte. A racialização do trabalho escravo foi combinada com as queixas da opressão de gênero. Nas colônias norte-americanas, a lei estabeleceu que os filhos de uma escrava e de um pai inglês nasceriam como escravos, legitimando assim o estupro sistemático e reduzindo as mulheres a máquinas de parto para alimentar as plantações com trabalho.

Os saques e a violência mais brutal foram os métodos do sistema colonial, da América às Índias Orientais, através da ilha de Java, onde a Holanda "moderna" roubou pessoas para entregá-las ao tráfico. Mas essa situação de exploração brutal e racialização da força de trabalho não só foi vivida no novo continente, como também houve povos racializados na Europa, como as comunidades irlandesa, eslava, rom e judaica. Ao mesmo tempo, os capitalistas usavam outras fontes de mão-de-obra barata, através da escravidão infantil na Inglaterra (o roubo de crianças pobres para levá-las ao trabalho era frequente) ou da escravidão disfarçada de assalariados, homens, mulheres e crianças sujeitos a dias exaustivos em oficinas ou minas. Por alguma razão, Marx escreveu que o Capital veio "pingando sangue e lama, de todos os poros, da cabeça aos pés”. [2]

Em um nível mais geral, um conceito-chave para colocar a questão do racismo no coração da acumulação capitalista, e não como um fenômeno "acessório" ou um "obstáculo ao passado", é a necessidade do capital criar e recriar permanente um exército de reserva industrial ou uma população ativa. Algo que Marx argumenta é uma "condição de existência do modo de produção capitalista". Esse exército de reserva industrial é composto, em primeiro lugar, por trabalhadores expulsos do processo de produção ou mantidos fora dele por diferentes razões. A existência desse material humano suplementar permite que o capital incorpore massivamente a força de trabalho em períodos de prosperidade e se livre de parte dela em momentos de crise. Mas, ao mesmo tempo, cumpre outros efeitos benéficos para os capitalistas, uma vez que pressiona a classe trabalhadora ocupada por meio da competição, forçando-a a trabalhar excessivamente e a se submeter aos ditames do capital, se não quiser passar a aumentar as fileiras dos desempregados.

No entanto, esse exército de reserva industrial é alimentado não apenas pelos trabalhadores expulsos da produção em períodos de crise, mas de maneira mais geral por todas aquelas "mãos disponíveis" para trabalhar, como um exército industrial "latente". Marx analisou a situação dos camponeses na Inglaterra, cujas condições de vida eram muito precárias e estavam dispostas a migrar para as cidades a qualquer momento, onde se tornariam parte do exército de reserva industrial, expandindo seus limites. Na história do capitalismo, milhões de pessoas se viram na mesma situação: as classes trabalhadoras e empobrecidas dos países coloniais e semicoloniais e uma grande parte das populações migrantes e racializadas, bem como as mulheres das famílias trabalhadoras, entrando e saindo do mercado de trabalho, ocupando os setores mais explorados e oprimidos.

Racismo, um dos grandes segredos da dominação capitalista

O pesquisador Satnam Virdee [3] destaca que existe uma relação inseparável entre capitalismo, luta de classes e racismo, e sustenta que o capitalismo consolidou seu domínio "através de um processo de diferenciação e reordenação hierárquica da classe trabalhadora global". O argumento deles é que o racismo não é apenas um mecanismo usado para maximizar os lucros, mas historicamente tem sido um mecanismo de dominação promovido pelas classes dominantes e pelo Estado para dividir a força da classe trabalhadora, onde houve importantes experiências anteriores de lutas multiétnicas que tendiam à unidade de diferentes setores.

Virdee faz uma jornada histórica desde a colonização da Virgínia no século XVII até a Grã-Bretanha vitoriana e processa no século XX e garante que “o racismo era uma arma indispensável no arsenal das elites estatais, usado para conter as lutas de classes realizadas por populações subordinadas com vistas a tornar o sistema seguro para acumulação de capital[4].

Essa jornada permite que ele coloque o racismo como parte dos mecanismos de dominação do capitalismo, em relação à luta entre as classes, e não como produto de uma polaridade entre o Ocidente e o resto do mundo, como fazem as tendências pós-coloniais. Segundo o autor, é importante identificar "a força estruturante do racismo e as diferentes maneiras pelas quais o proletariado se incorporou nas relações capitalistas de dominação" é importante pensar em uma política de emancipação.

Definições nesse mesmo sentido também podem ser encontradas na obra de Marx, particularmente em suas análises da subjetividade da classe trabalhadora inglesa e sua relação com os trabalhadores irlandeses. Estes foram os "racializados" do momento, a quem foram atribuídas determinações físicas e de caráter que os marcaram como inferiores e mais propensos ao trabalho duro e à pobreza. E Marx encontrou no racismo e no ódio dos trabalhadores ingleses em relação aos irlandeses um dos "segredos" do domínio da burguesia inglesa.

Assim o expressava:

“… A burguesia inglesa, além de explorar a miséria irlandesa para piorar a situação da classe trabalhadora na Inglaterra através da imigração forçada de irlandeses pobres, dividiu o proletariado em dois campos inimigos. O ardor revolucionário do trabalhador celta não se une harmoniosamente com a natureza positiva, mas lenta, do trabalhador anglo-saxão. Pelo contrário, em todos os grandes centros industriais da Inglaterra há um profundo antagonismo entre os proletários ingleses e irlandeses. O trabalhador inglês médio odeia o irlandês, que ele considera um rival que faz com que os salários e o padrão de vida caiam. Ele tem uma antipatia nacional e religiosa por ele. Ele olha quase como os brancos pobres dos estados do sul da América do Norte olhavam escravos negros. O antagonismo é artificialmente promovido e preservado pela burguesia entre os proletários da própria Inglaterra. Ele sabe que nesta divisão do proletariado reside o verdadeiro segredo da manutenção de seu poder”.

No final do século XIX, as tendências da pilhagem rapina e capitalista deram um salto, dando lugar à fase imperialista. A capital estende seus tentáculos aos cantos mais distantes do planeta. Em pouco tempo, como que por mágica, ele construiu oficinas e fábricas modernas, onde até então havia apenas economias rurais e tradições locais que não mudavam há séculos; O desenvolvimento desigual e combinado, como o marxista russo Leon Trotsky o chamou, é uma característica constitutiva da nova era do capitalismo, com a qual a opressão colonial e semicolonial de todo o mundo é reforçada. Mais uma vez, o racismo e a dominação colonial serão usados pelas burguesias imperialistas para forçar essas divisões do proletariado mundial, entre setores sujeitos à maior exploração e opressão nas colônias, e também profundas divisões na classe trabalhadora dos próprios países imperialistas, entre uma aristocracia operária com maiores privilégios e faixas mais exploradas e precárias da classe trabalhadora.

Essa máquina infernal de dominação imperialista aproveitou cada vez mais as profundas diferenças encontradas em seu caminho para fazer os povos oprimidos competirem uns contra os outros e exacerbou as diferenças de gênero, raça e nações para seus próprios fins. Para esta tarefa, contará com a inestimável colaboração das burocracias trabalhistas, dos partidos social-democratas e dos sindicatos, que apoiaram as empresas coloniais como elementos da "civilização". O ponto alto dessa tendência veio em 1914, quando a social-democracia europeia deu seu apoio aos créditos de guerra, apoiando sua própria burguesia e garantindo que trabalhadores de diferentes países se matassem para realizar uma nova divisão das colônias e dos mercados mundiais.

Lenin, Rosa Luxemburgo, Trotsky e outros marxistas revolucionários lutaram justamente contra essas fraturas na classe trabalhadora, a consolidação de preconceitos chauvinistas, racistas e a influência da ideologia burguesa entre os trabalhadores, promovida pelas burocracias operárias.

Sobre a questão negra, em particular, a Terceira Internacional afirmou que o movimento comunista não deveria permanecer à margem do movimento negro. Que eles deveriam participar dela para "desmascarar a mentira da igualdade burguesa e enfatizar a necessidade de revolução social que não só libertará todos os trabalhadores da servidão, mas também é a única maneira de libertar o povo negro escravizado.”

Leon Trotsky e a questão negra

Menos conhecido é o pensamento de Trotsky sobre a questão negra, em seus debates e diálogos com os trotskistas americanos na década de 1930, e ainda tem uma enorme riqueza estratégica para pensar sobre essas questões, em meio a uma crise social sem precedentes, e quando as tendências à revoltas começam a recomeçar.

Em uma carta de 1932, intitulada "Mais próximo dos proletários das raças coloridas!", Ele levantou uma questão muito importante sobre a relação do partido revolucionário com as raças oprimidas. O ponto de partida foi sua visão de como a Oposição de Esquerda deveria ser colocada diante da abordagem apresentada por diferentes setores sociais. Trotsky argumentou que era necessário colocar "mil testes" em pequenos burgueses ou intelectuais que se aproximavam de suas fileiras antes de aceitá-las, e ele também deveria ser muito cauteloso e desconfiado dos grupos de trabalhadores que, pertencentes a um setor em que havia mais trabalhadores oprimidos, não os agrupe, advertindo contra todas as tendências reacionárias da "aristocracia operária". No entanto, seria muito diferente quando os que se aproximavam fossem um grupo de trabalhadores negros.

“Aqui estou preparado para considerar de antemão que tendemos a concordar com eles, embora isso ainda não seja óbvio; Devido à sua posição, eles não se dedicam e não podem se dedicar a degradar alguém, oprimir alguém ou privar alguém de seus direitos. Eles não reivindicam privilégios e não podem aspirar à vitória, exceto no caminho da revolução internacional. Podemos e devemos encontrar um caminho para a consciência dos trabalhadores negros, trabalhadores chineses, trabalhadores hindus, todas essas raças de cores oprimidas do oceano humano a quem pertence a palavra decisiva no desenvolvimento da humanidade".

Mais tarde, em fevereiro de 1933, Trotsky participou de um debate dos trotskistas norte-americanos sobre a questão negra. O revolucionário, do exílio em Prinkipo, na Turquia, responde às perguntas dos militantes da Liga Norte-Americana e discute com sua recusa em levantar o slogan da "autodeterminação do povo negro". Trotsky argumenta que a única maneira de conquistar trabalhadores negros para o comunismo é se os revolucionários convencerem os trabalhadores brancos de que eles devem ser deixados "até a última gota de sangue" na luta para garantir plenos direitos democráticos ao povo negro, até, se quisessem, o direito de se separar como nação independente.

Nessa troca, dada a relutância de seu interlocutor em defender esse programa, Trotsky é categórico em repudiar todo preconceito racista da classe trabalhadora norte-americana:

“Os negros ainda não acordaram e ainda não se juntaram aos trabalhadores brancos. Os 99,9% dos trabalhadores americanos são chauvinistas; em relação aos negros, são os carrascos e também os chineses. É necessário ensinar a esses animais americanos. Eles devem entender que o Estado americano não é seu Estado e que não precisam ser os guardiões desse Estado. Os trabalhadores americanos que dizem: “Os negros devem se separar quando quiserem e nós os defenderemos da nossa polícia americana’, eles são revolucionários, tenho confiança neles”.
Para reforçar seu argumento, Trotsky argumenta que os negros poderiam se tornar a seção mais avançada da classe trabalhadora americana na luta de classes. E ele garante que a experiência revolucionária russa confirma: "Os russos eram os negros da Europa”.

Em Trotsky, encontramos um pensamento estratégico sobre a questão do racismo e a necessidade de formular um programa hegemônico da classe trabalhadora, não apenas para unir suas fileiras e superar essa divisão interna, mas para conquistar aliados, contra as divisões que o imperialismo promove para manter sua dominação. A única maneira de combater a influência da pequena burguesia radical entre os trabalhadores negros, o que levaria a um programa separatista, reformista ou de conciliação de classe, é para os revolucionários defenderem "até a última gota de sangue" um programa de transição para combater o racismo e por plenos direitos democráticos, políticos e sociais para o povo negro, no âmbito de um programa revolucionário mais geral.

Racismo, capitalismo e estratégia socialista

Se em toda a história do capitalismo a questão racial foi inseparável da questão de classe, muito mais no século XXI, quando a classe trabalhadora se espalhou pelo mundo, com maior precariedade, racialização e feminização. Leis, muros e cercas de imigração são novas formas modernas de "segregação" (no estilo do regime segregacionista que separou legalmente brancos dos negros nos Estados Unidos até a década de 1960) adaptados a um capitalismo globalizado onde as migrações e a classe trabalhadora se multiplicaram dos principais países imperialistas é profundamente multicultural e multiétnico.

No entanto, afirmar que a questão racial é cruzada pela questão de classe não é o mesmo que reduzir a primeira para a segunda. Primeiro, porque o racismo afeta não apenas setores da classe trabalhadora, mas também outros setores sociais intermediários, como o campesinato - por exemplo, em países da América Latina, onde, além disso, a questão camponesa é cruzada com a questão indígena nacional -, e grandes setores da pequena burguesia urbana. Portanto, os movimentos sociais anti-racistas organizados em torno da identidade racial oprimida também são heterogêneos do ponto de vista da classe.

Além disso, nas últimas décadas, indivíduos de populações negras ou latinas conseguiram alcançar posições de destaque na burguesia mundial ou nas instituições dos estados capitalistas. O caso de Obama, o primeiro presidente negro do estado imperialista mais poderoso do mundo, ou o de Oprah Winfrey, uma das mulheres negras mais ricas do mundo, são paradigmáticas a esse respeito. Nessa mesma base, nas décadas de 80 e 90, o debate sobre a trilogia de gênero, raça e classe foi assimilado como "multiculturalismo" ou política de identidade, na órbita das teorias pós-modernas. O neoliberalismo assumiu a forma de "neoliberalismo progressivo".

Nesse espírito da época, as teorias da interseccionalidade - embora frequentemente critiquem os desvios liberais desse muticulturalismo - deram mais peso à questão do racismo, sexualidade ou gênero, enquanto a questão da classe foi desvalorizada.
No novo quadro da crise do neoliberalismo e do ressurgimento de movimentos sociais como o das mulheres ou o movimento anti-racista, em certos setores do ativismo, existem posições que tendem a autonomizar a opressão racial ou de gênero a partir de uma luta mais unida contra a sistema capitalista. Subestimar ou negar a centralidade da classe trabalhadora como sujeito revolucionário, que, por várias razões, seria substituído por outros sujeitos, como o movimento de mulheres, os negros, os migrantes e os refugiados, os movimentos juvenis contra as mudanças climáticas, os camponeses que resistem à privatização do território, etc.

Por outro lado, em setores da esquerda, reafirmam-se posições reducionistas de classe, que subestimam a questão do racismo, negam sua importância ou a reduzem a um fenômeno “cultural” secundário (como se a violência policial matasse e Negros e latinos são encarcerados em uma proporção maior). Assim, eles acabam em posições sindicalistas sobre a classe trabalhadora, corporativa ou um certo "chauvinismo social" nos países imperialistas, onde é dada prioridade à obtenção de poucas medidas sociais para alguns setores da classe trabalhadora nativa, mantendo o controle da polícia das fronteiras e das populações racializadas são impostas condições como trabalhadores segundo ou sem direito.

A classe trabalhadora mundial continua sendo a que, devido às posições estratégicas que ocupa na produção, circulação e reprodução, pode articular a força social para subverter a ordem existente e derrotar a minoria social dos capitalistas que mantém a exploração e a opressão para milhões em todo o mundo. Milhões de trabalhadores agrícolas, caminhoneiros, logística, indústria de alimentos, telecomunicações, transporte, empresas de limpeza, enfermeiros e pessoal de saúde, caixas de supermercado, trabalhadores de bancos e comércio, produção de aço ou produção de energia; nativos, imigrantes, de todas as etnias e gêneros, sem eles o mundo não se move, como ficou claro durante a crise da COVID e o debate sobre os “essenciais”.

A burguesia teme nada mais do que aqueles momentos da história em que a luta de classes conseguiu superar as divisões internas entre oprimidos e oprimidos, raciais ou qualquer preconceito, para construir uma força de combate unificada contra o Estado e os capitalistas e conquistar a hegemonia sobre setores aliados. Esses momentos aconteceram repetidamente na história e é aí que, como o revolucionário negro C.L.R. James, os raios anunciam trovões.

As profundas tendências à rebelião dos jovens negros nos Estados Unidos, mas, mais ainda, as tendências de convergir com os precários jovens brancos e latinos, ou com os trabalhadores da “linha de frente” nas manifestações e protestos contra a polícia é, nesse sentido, o pré-anúncio de algo verdadeiramente novo.

Notas:

[1] Kevin B. Anderson; Karl Marx and Intersectionality, Logos, Winter 2015: Vol 14, no. 1.

[2] Karl Marx, El Capital, Tomo I, Vol. 3, Capítulo XXIV, La llamada acumulación originaria, Génesis del capitalista industrial, Siglo XXI Editores, 2004, Argentina.

[3] Satnam Virdee, Racialized capitalism: An account of its contested origins and consolidation, The Sociological Review 2019, Vol. 67(1) 3 –27.

[4] Tradução própria, Ibidem.

veja todos os artigos desta edição
CATEGORÍAS

[Interseccionalidade]   /   [Racismo]   /   [Capitalismo]   /   [Machismo]   /   [Cultura]   /   [[email protected]]   /   [Gênero e sexualidade]   /   [Internacional]

Josefina L. Martínez

Madrid | @josefinamar14
Comentários