Educação

CRISE UFRJ

Professores foram contra greve, mas estudantes do IFCS/IH deliberam por paralisação no dia 28

A assembléia pautou os cortes de 9 bilhões anunciados pelo governo Dilma, e como esta medida ataca diretamente as condições estruturais da universidade, desde as bolsas de permanência e pesquisa até as condições de quem trabalha nela, e que com estes cortes a UFRJ só teria orçamento até setembro.

quinta-feira 28 de maio de 2015| Edição do dia

Nesta quarta-feira, em assembléia, cerca de 200 estudantes de Filosofia, Ciências Sociais e História se reuniram no pátio do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da UFRJ para debater a crise da UFRJ e das universidades públicas e decidir o que fazer frente à crise que a universidade está passando.

Um pouco antes da assembléia estudantil, havia terminado a assembléias dos professores, que deliberou por não aderir à greve e retirar o indicativo de greve, por 300 votos a 199. Estudantes que estiveram presentes nesta assembléia informaram, impressionados, que a assembleia foi tumultuada, com agressões verbais até empurra-empurra.

Na assembléia estudantil, foi saudada a ocupação da reitoria pelos estudantes da Universidade Federal Fluminense, que começou também neste mesmo dia 27, pela negativa da REItoria da UFF de atender às demandas dos estudantes no Conselho Universitário. Além disso, também a UERJ foi saudada, com metade de seus cursos paralisados pelos estudantes.

A assembléia pautou os cortes de 9 bilhões anunciados pelo governo Dilma, e como esta medida ataca diretamente as condições estruturais da universidade, desde as bolsas de permanência e pesquisa até as condições de quem trabalha nela, e que com estes cortes a UFRJ só teria orçamento até setembro.

Por isto, os estudantes do IFCS/IH decidiram por paralisar no dia 28, afirmando a necessidade de barrar os cortes mas também transformá-la, com a necessidade de alojamento para todos estudantes que precisam e vem de outros estados, a necessidade de bandejões para os estudantes poderem se alimentar, e de bolsas para todos os estudantes cotistas e de baixa renda.

Tendo em vista a falta de condições estruturais para estudar, sem moradia, com bolsas que atrasam e sofrem ameaça de cortes, além de trabalhadores dentro da universidade, os terceirizados da limpeza, sem previsão de receber integralmente seus salários atrasados, os estudantes deliberaram por paralisar suas atividades nesta quinta-feira. E deliberaram indicar à assembléia geral estudantil da UFRJ a necessidade de se iniciar a greve estudantil na assembléia que ocorrerá hoje, dia 28, às 14h no Centro de Ciências da Saúde (CCS).




Tópicos relacionados

UFRJ   /    Educação   /    Rio de Janeiro   /    Juventude

Comentários

Comentar