Política

DELAÇÃO PREMIADA

Palocci afasta advogado para negociar delação com Lava Jato; segue o jogo de impunidade

sexta-feira 12 de maio| Edição do dia

O ex-ministro Antonio Palocci (Fazenda e Casa Civil/Governos Lula e Dilma) decidiu fazer delação premiada. Nesta sexta-feira, 12, diante da promessa de que "muito em breve" poderá ganhar a liberdade, ele comunicou seu advogado de confiança, o veterano criminalista José Roberto Batochio, que não precisa mais de sua assistência.

Palocci está preso desde setembro de 2016.

Ele teria comunicado a Batochio que a saída dele da causa foi uma "primeira exigência" da força-tarefa da Lava Jato. Batochio, "por princípio", não defende clientes que fazem delação premiada.

Em abril, quando foi interrogado pelo juiz Sérgio Moro na ação penal em que é réu pelo suposto recebimento de R$ 128 milhões em propinas da empreiteira Odebrecht - parte do valor teria sido destinado ao PT -, Palocci acenou claramente com a possibilidade de fazer delação. Na ocasião, ele disse ao juiz que tinha informações importantes a revelar que podem esticar por mais um ano, pelo menos, os trabalhos da Lava Jato.

Batochio defende Palocci há dez anos. Nesse período conseguiu 12 absolvições do ex-ministro, como no episódio do caseiro Francenildo e na investigação sobre tomate com ervilhas da merenda escolar de Ribeirão Preto, município do qual o petista foi prefeito.

"Palocci não resistiu ao sofrimento psicológico que lhe foi imposto em Guantánamo meridional", declarou Batochio, referindo-se a Curitiba, base da Lava Jato.

Em nota, o escritório José Roberto Batochio Advogados Associados confirmou que Palocci deu início à delação premiada com a força-tarefa da Operação Lava Jato. A nota destaca que Batochio deixou a defesa do ex-ministro em duas ações penais no âmbito da 13.ª Vara Federal Criminal de Curitiba, sob tutela do juiz Sérgio Moro.

Durante mais de uma década a defesa de Batichio garantiu a impunidade de Palocci por outras vias, agora, frente a uma "grande oportunidade" de estar livre o mais rápido possível o ex-ministro não teve nenhum problema de principio em ceder ao jogo lucrativo das delações. Na ciranda dos ataques contra os trabalhadores os juízes milionários que determinam sua própria lei e criam mecanismos de impunidade para os políticos e empresários que os enriquecem ainda mais a Lava Jato segue seu rumo contra qualquer interesse real dos trabalhadores.

Com informações da Agência Estado.




Tópicos relacionados

Operação Lava Jato   /    Política

Comentários

Comentar