Política

CRISE DOS TRANSPORTES

Mesmo com aumento da tarifa, Haddad aumenta em 150% o subsídio aos magnatas do transporte.

A afinidade de interesses do governo do prefeito Fernando Haddad e dos grandes magnatas do transporte não chega a ser nenhuma novidade mas a dimensão dessa amizade fica escancarada com a dimensão dos números divulgados nessa quinta-feira, 19, no jornal Folha de São Paulo.

sábado 21 de maio de 2016| Edição do dia

Mesmo após aumentar novamente o valor da passagem de ônibus no começo do ano, com a justificativa de que era necessário financiar as gratuidades, o passe livre estudantil e o Bilhete único, a gestão Haddad aumentou em 150% os repasses municipais as empresas de ônibus, os chamados subsídios. Qual a justificativa? As gratuidades, o passe livre estudantil e o Bilhete Único!

Comparando os primeiros cinco meses do último ano de Gilberto Kassab com os cinco meses desse último ano de Haddad a frente da prefeitura, foram repassados R$ 914,2 milhões a título de subsídios enquanto no mesmo período de Kassab foram R$ 365 milhões, um aumento de R$ 550 milhões. O valor gasto por Haddad com os subsídios até quarta-feira (18) já se aproxima do total gasto por Kassab em 2012, quando foram gastos R$1,17 bilhão, levando em conta a inflação do período

Os R$ 550 milhões pagos a mais para a máfia do transporte público quase equivalem aos R$ 500 milhões que estima-se que estes embolsaram com o aumento de R$ 0,30 centavos em janeiro desse ano e que, segundo o governo Haddad, serviriam para diminuir ou ao menos não aumentar o subsídio as empresas de ônibus. Somando os dois, os donos das empresas de ônibus aumentaram suas receitas em mais de R$ 1 bilhão somente nos primeiros meses de 2016.

Mas não é só as receitas dos nababos do transporte público que aumentaram, também diminuiu o número de viagens realizadas pelos ônibus em SP desde 2013, com 78 mil viagens a menos por dia em relação aquele ano. Não bastando a aumento dos repasses, as empresas também estão transportando menos gente e, consequentemente, tendo menos gastos com a operação cotidiana da frota de 14.713 ônibus. Com mais receitas e menos gastos, podemos dizer de antemão que os lucros dos magnatas bateram novos recordes este ano.

A desculpa dada pelas empresas para justificar o aumento no subsídio é o aumento de custos devido as gratuidades de idosos, desempregados e estudantes de escolas públicas. Também culpam o Bilhete Único por este permitir quatro viagens com o preço de uma só, pois “para as empresas, o custo continua sendo de quatro passagens” como afirma Francisco Christovam, presidente do sindicato dos patrões SPUrbanuss. Evidente que os patrões nada falam sobre esse R$ 1 bilhão adicional que o Haddad lhes concedeu entre aumento e subsídios.

O modelo de subsídios estatais para financiar o transporte público é apenas uma tentativa de tapar o sol com a peneira, uma vez que o trabalhador deixa de pagar na catraca a passagem mas continua pagando via impostos que se tornam subsídios para manter o lucro dos magnatas do transporte público. Para acabar com essa roubalheira, é necessária a estatização de todo o sistema de transporte sem qualquer tipo de indenização aos seus donos e que esse sistema seja controlado pelos trabalhadores, de forma a poder atender as reais necessidades dos trabalhadores e do povo pobre e não apenas os interesses de meia dúzia de sanguessugas.




Tópicos relacionados

Transporte   /    São Paulo (capital)   /    Política

Comentários

Comentar