Educação

Maia ataca professores e ameaça reduzir reajuste da categoria

Visando atacar ainda mais a educação e os trabalhadores, O presidente da câmara dos deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), propôs, durante uma live, desengavetar um absurdo projeto de lei que prevê a redução do reajuste de salário dos professores, sendo contabilizado não mais pela relação custo-aluno como é previsto em lei, mas apenas pela inflação anual.

sábado 18 de julho| Edição do dia

Na pratica, desengavetamento do reacionário projeto equivale a uma redução exorbitante no reajuste de salários dos professores, o que escancara uma política que ataca descaradamente os professores, estes que diariamente têm o seu trabalho precarizado, muitas vezes precisando retirar do próprio salário itens básicos para trabalhar em escolas sem nenhum tipo manutenção.

Se aprovado, esse projeto reduziria o reajuste de 12,84% em 2020 que está em conformidade com a relação custo-aluno passando a ser corrigido a 4,31% valor equivalente a inflação de 2019. Esse ataque proposto por Maia reduziria drasticamente o piso salarial do magistério, trabalho já tão mal remunerado e que vêm sofrendo uma série de ataques por parte do governo, como a reforma da previdência de João Doria.

Maia tem tentando se colocar como alternativa a Bolsonaro, mas em verdade ambos seguem implementando medidas que atacam profundamente a classe trabalhadora. Esse posicionamento de Maia é mais uma evidencia de que os trabalhadores não podem contar com Maia ou Doria como alternativa ao governo Bolsonaro e menos ainda como uma alternativa capaz de responder as necessidades da classe trabalhadora, os mesmos políticos apoiaram e seguem se beneficiando do Golpe de 2016.

Nesse sentido, diante desse ataque que será promovido contra os professores, é fundamental que as grandes centrais e seus sindicatos, em especial a APEOESP, saiam da paralisia e busquem articular a luta dos trabalhadores, desde as bases, contra todos os ataques que estão sendo promovidos pela direita. Tudo isso, a partir de uma política baseada na independência de classe, tendo como perspectiva um programa que responda à crise política e sanitária e que, tenha como perspectiva um combate ao regime de conjunto, pelo fora Bolsonaro e Mourão e, também, pela imposição de um assembleia constituinte livre e soberana.




Tópicos relacionados

Governo Bolsonaro   /    Crise na Educação   /    Rodrigo Maia   /    Jair Bolsonaro   /    Educação   /    Professores

Comentários

Comentar