Internacional

CORONAVÍRUS E LUTA DE CLASSES

Guatemala: economia informal em crise e bandeiras brancas pela fome

80% da população da Guatemala sobrevive na produção e venda de suas mercadorias. Hoje são eles que saem às ruas e erguem bandeiras brancas como sinal de fome em suas famílias.

quarta-feira 27 de maio| Edição do dia

O quadro piora com o tempo, porque não apenas o sistema de saúde está desmoronando, mas também a economia informal ou popular: na Guatemala, 80% da população sobrevive da produção e venda de seus bens. Nesse sentido, a maneira pela qual as restrições são aplicadas é desigual, pois o setor empresarial é privilegiado ao atacar o setor da economia informal, ou seja, todos os que trabalham dia a dia, os marginalizados pelo Estado e empobrecidos pelo sistema capitalista.

Hoje, aqueles que saem às ruas erguendo bandeiras brancas como sinal de ajuda à fome, a quem Giammattei chamou de "arrastados" em uma conferência da cadeia nacional, são todas aquelas famílias que sobrevivem vendendo suas mercadorias nas ruas, ônibus urbanos e extra-urbano, quem trabalha na construção civil, venda de alimentos, oficinas mecânicas, trabalho doméstico, pilotos de transporte público, entre outros.

Aqueles pelos quais o governo supostamente ajudaria com o famoso "auxílio familiar" composto por mil quetzales (Q1, 000 / $ 130,24), que seriam fornecidos por três meses e que até agora muitas comunidades ainda estão esperando.

A burocracia encarregada de realizar o processo para obtê-lo foi deixada aos municípios, que improvisaram a maneira como o auxílio deveria ser entregue. Alguns beneficiaram apenas as famílias dos trabalhadores do mercado, excluindo as famílias do setor informal e, pior, estabeleceram a exigência de mostrar sua conta de energia elétrica para obtê-la, quando muitas dessas famílias são inquilinas e não proprietárias.

Além disso, pequenas e médias empresas fecharam suas instalações devido à falta de vendas e à falta de pagamento do aluguel pelas instalações. Também é importante referir-se aos trabalhadores de setores da economia hoteleira, restaurantes, call centers, etc., onde eles foram demitidos em larga escala sem justificativas, para suspensões totais ou parciais, deixando muitos na rua, sem a capacidade de sustentar suas famílias, pedindo apoio com bandeiras brancas.

Enquanto o Ministério do Trabalho tenha garantido, por meio de um decreto, que os empregadores poderiam "suspender" trabalhadores, sem exigências ou argumentos adicionais, mais de 21.859 funcionários foram suspensos até 5 de maio. Isso teve, logicamente, um aumento, mas ainda não há registros concretos sobre essa quantidade, obviamente o resultado das restrições implementadas pelo governo.

Mas mesmo com um panorama tão crítico, eu ousaria dizer ao mundo que o estado neoliberal criado em nosso país não silenciará nossas vozes, nem evitará o descontentamento social. Em algum momento, tomaremos as ruas e rodovias, como nos mostraram os povos maias nas comunidades rurais, que, diante do descontentamento coletivo e das medidas restritivas, dizem: Eles não nos impedirão!

Ángela Álvarez é autora desta nota, mestre em História e Ciências Sociais e membro da Frente Revolucionária Robin García na Cidade da Guatemala

Publicado originalmente no La Izquierda Diario




Tópicos relacionados

Crise do Coronavírus   /    Coronavírus   /    Internacional

Comentários

Comentar