Política

FUTEBOL NA PANDEMIA

Camilo Santana (PT-CE) estuda volta das torcidas aos estádios

Após o aval do Ministério da Saúde, o governador petista do Ceará estuda a volta do público nos estádios num dos estados com maior número de mortes/habitante pela pandemia.

terça-feira 22 de setembro| Edição do dia

Após o general Pazuello, que hoje está a frente do ministério da saúde autorizar a volta das torcidas aos estádios, o Governo do estado anunciou estar aberto à discussão com as federações e clubes para viabilizar a abertura.

Desde julho que os clubes e as federações pressionam o governo. Agora, com o aval do ministério da saúde, sob a batuta dos militares, que estão atendendo aos interesses dos capitalistas e a forte tensão que envolve as finanças dos clubes, a tendência é que logo teremos estádios e ruas tomadas por torcedores se expondo ao risco de contaminação pela COVID-19.

Na esteira da "retomada" cerca de 95% das atividades econômicas já estão em pleno funcionamento e o próximo passo será a volta às aulas presenciais, pauta que já vem sendo amplamente discutida sobretudo pelas associações de escolas particulares que cobram com veemência que o governo ceda à sua demanda.

O futebol europeu passou pela experiência da volta das torcidas às partidas de futebol com resultados que foram classificados com desastrosos e irresponsáveis por sanitaristas que apelidaram a empreitada de "bomba biológica."

Após a partida entre Atalanta e Valencia, disputada em 19 de fevereiro, em Milão, o vírus se alastrou pela região da Lombardia, uma das mais atingidas em todo o planeta, que soma mais de 16 mil mortes pela COVID-19. Outro jogo entre Liverpool e Atlético de Madri, em 11 de março, foi responsável direto por 41 mortes pelo Corona vírus, segundo estudo local.

Embora a autorização específica que limita a 30% o máximo de ocupação dos estádios, é importante salientar que refere-se apenas a torcida do clube mandante, ou seja, em uma partida poderemos ter 60% de ocupação de torcedores sem falar nos atletas e todos os profissionais envolvidos em uma partida de futebol e ambulantes nos arredores dos estádios.

Quem controlará essas massas dentro e fora das arenas?

Curioso notar que segundo matéria do Diário do Nordeste os dirigentes dos principais clubes cearenses já projetavam a volta dos torcedores às arquibancadas para outubro, mostrando seu poder de influência nas decisões do governo.




Tópicos relacionados

Fortaleza   /    Crise do Coronavírus   /    Camilo Santana (PT)   /    Coronavírus   /    Ceará   /    Futebol   /    Política

Comentários

Comentar