Mundo Operário

REFORMA DA PREVIDÊNCIA

Bolsonaro, aposentado aos 33 anos, quer nos obrigar a trabalhar até os 65

Apesar de ter se apoiado nos avanços arbitrários da Lava-Jato para ser o candidato “anticorrupção e anticrime” nestas eleições, Bolsonaro venceu as urnas, mas para vencer a guerra da Reforma da Previdência, que Temer não conseguiu impor. O capitão é a caricatura ultrarreacionária e patética que os empresários, militares e juízes elegeram para atacar a aposentadoria dos trabalhadores e manter intocados os seus gordos privilégios e lucros.

sexta-feira 22 de fevereiro| Edição do dia

Sempre vale lembrar que as eleições de 2018 foram desviadas de cabo a rabo pelo judiciário, começando pela prisão arbitrária de Lula e posterior veto à sua candidatura. Controlaram o resultado dessas eleições, beneficiando Bolsonaro, que não abriu o bico sobre as reais intenções dessa parceria: aprovar a Reforma da Previdência para os capitalistas e os patrões aprofundarem a exploração e ganharem com isso.

Anunciada a proposta no dia 20 desta semana, Bolsonaro já começa a escutar o rebuliço no seu próprio eleitorado. O ex-capitão, aposentado compulsoriamente por mal comportamento aos 33 anos de idade (15 anos de contribuição), é um exemplo de como seu discurso de “combate aos privilégios”, é mais uma de suas Fake News espalhadas no Whatsapp.

A idade mínima que Bolsonaro está querendo impor a todos os trabalhadores é de 65 anos aos homens e 62 às mulheres. Não bastasse isso, na proposta agora terá um mecanismo que permitirá futuros governos ajustarem automaticamente essa idade, com base em dados que especulam sobre o tempo de “sobrevida” dos aposentados, sem lei.

Mas os militares seguirão com as aposentadorias intocadas, e Bolsonaro seguirá gozando da sua aposentadoria de R$ 9.135 mensais, 63% acima do teto do INSS. A proposta de dar direito aos patrões demitirem sem multa e sem FGTS aposentados que precisem continuar trabalhando não vai tocar essa “mamata”, conquistada após ter sido afastado do Exército por “mal comportamento”.

Essa é a cara do patético ex-militar ultrarreacionário, especialista no fisiologismo do baixo escalão, de loteamento de cargos, vide o caso Queiroz. São quase uma dezena de ataques combinados nessa Reforma da Previdência, que já mostrou enorme rebuliço nos espaços de trabalho. Sinal de que Bolsonaro pode ter problemas em convencer seu eleitorado dessa proposta, o que mostra que o “equilíbrio” com a sua lua de mel poderá ter seu fim. O papel de cada trabalhador é muito importante nisso, pois se não conseguirmos a mais ampla aliança entre trabalhadores, junto às mulheres, negros, LGBTs, Indígenas, confluindo ações iniciadas em cada local de estudo, Bolsonaro terá a sua paz necessária para passar este ataque.

O sindicato não pode mandar os funcionários ficarem em casa nesse contexto, como a CUT fez com as 3600 famílias demitidas pela Ford em São Bernardo. É preciso exigir que a CUT se levante da mesa, saia dos gabinetes de negociação com o governo de extrema direita e organize a mobilização contra o fechamento e em defesa do emprego. A CUT e a CTB precisam, assim como as demais centrais sindicais, construir um plano de lutas que unifique os trabalhadores contra a reforma da previdência, as demissões e os ataques em curso.




Tópicos relacionados

privilégios   /    previdência privilegiada   /    Operação Lava-Jato   /    Jair Bolsonaro   /    Reforma da Previdência   /    CUT   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar