Educação

IGREJA CONTRA A EDUCAÇÃO SEXUAL E DE GÊNERO

Arcebispo do Rio convoca ato contra "ideologia de gênero"

Depois de sua atuação em defesa da homofobia, machismo e a monogamia nas eleições municipais, o arcebispo do Rio, Dom Orani Tempesta, gravou um vídeo convocando um ato contra a educação sexual e de gênero no Colégio Pedro II, que, segundo ele, é uma "doutrina nefasta".

Fernando Pardal

@fepardal

quarta-feira 2 de novembro| Edição do dia

Recentemente, o arcebispo do Rio já demonstrou sua disposição em atuar politicamente em defesa da reacionária ideologia oficial da Igreja Católica ao emitir uma nota contra Freixo e em campanha indireta para Crivella. Nessa nota, ele afirmava que os católicos não deveriam votar em alguém que vai contra os valores cristãos e pregava contra o aborto, o casamento homossexual, entre outros absurdos.

Agora, Tempesta volta a público para combater o que a direita chama de "ideologia de gênero", ou seja, a educação sexual e de gênero nas escolas, para acabar com o machismo e a LGBTfobia. No Colégio Pedro II, uma das instituições educacionais mais tradicionais do Rio de Janeiro, foram os alunos que conquistaram, com organização e luta, diversos avanços relativos à liberdade sexual e de gênero. Entre eles estão o fim da obrigatória distinção de uniformes entre meninos e meninas e o direito a que as pessoas trans utilizem o banheiro de acordo com sua identidade de gênero.

A consequência desses importantes avanços foi a organização de um setor de pais conservadores para impedir que os alunos estabeleçam na escola um terreno de combate cotidiano ao machismo e à LGBTfobia. Eles convocaram um ato, e o arcebispo do Rio gravou um vídeo para convocá-lo. Na gravação, Dom Orani chama o "ato em favor da família contra a ideologia de gênero" afirmando que é uma luta para que "os pais e as crianças sejam respeitados nos seus direitos e na sua orientação" (sim, o direito de oprimir quem é diferente) e também para que "uma doutrina nefasta, que atrapalha a família e também o futuro da humanidade, não penetre em nossa sociedade".

Ele diz que é necessário lutar "pela liberdade das pessoas", ao convocar um ato cuja finalidade é precisamente o de combater a liberdade das mulheres, homossexuais e pessoas trans. Veja o vídeo abaixo:

Nos solidarizamos com os estudantes do Colégio Pedro II e sua exemplar luta para que a escola seja um local de liberdade, de combate à discriminação que faz do Brasil um país que bate recorde em violência de gênero e transfobia. Nem a censura de Dom Orani, nem a da Igreja Universal de Crivella vão calar a voz da juventude que luta pelo direito à livre expressão sexual e de gênero.




Tópicos relacionados

Colégio Pedro II   /    Machismo   /    Homofobia e Transfobia   /    Educação   /    Rio de Janeiro   /    Gênero e sexualidade

Comentários

Comentar