Política

LIGADO A QUEIROZ

Adriano da Nóbrega disse a seu advogado que seria assassinado por queima de arquivo

segunda-feira 10 de fevereiro| Edição do dia

Advogado do ex-PM do Rio de Janeiro Adriano Magalhães da Nóbrega, Paulo Emílio Cata Pretta disse que o miliciano já tinha expressado o medo de ser morto por queima de arquivo. O policial, ex-capitão do Bope da PM do Rio que foi morto nesse domingo na Esplanada (BA) teve uma última conversa anterior com seu advogado, na quinta-feira dia 5, onde demonstra saber com certeza que iria ser morto, se apresentando e morrer na cadeia, ou ser encontrado e assassinado. A informação foi revelada no Estado de S. Paulo e divulgada em outros meios.

O advogado questionou a informação divulgada pela Secretaria de Segurança Pública (SSP-BA) em que Adriano tinha envolvimento com o assassinato de Marielle e Anderson. Ele afirma que Adriano não era suspeito disso, mas sim de formar uma quadrilha na milícia de Rio das Pedras, se referindo ao mandado de prisão contra o miliciano durante as Operação Intocáveis. Ele também diz não saber as informações que teriam motivado a queima de arquivo.

O secretário de Segurança Pública da Bahia, Maurício Barbosa, chamou de “estapafúrdia” a afirmação de que teria ocorrido uma queima de arquivo no caso da morte de Adriano Nóbrega.

O miliciano estava foragido a mais de um ano, e era alvo de um mandado de prisão expedido em janeiro de 2019. Ele foi encontrado em um sítio de um vereador do PSL de Esplanada quando foi morto.




Tópicos relacionados

Flavio Bolsonaro   /    Rio de Janeiro   /    Política

Comentários

Comentar