Sociedade

VIOLÊNCIA POLICIAL

Polícia de Witzel comete massacre e deixa corpos pelo chão no Complexo do Alemão

Os moradores do Complexo do Alemão que já sofre com a pandemia teve uma noite de terror com a operação do BOPE que deixou 13 mortos no meio das ruas, mostrando a política de extermínio e racista de Witzel.

sexta-feira 15 de maio| Edição do dia

Os moradores do Complexo do Alemão, favela localizada na zona norte do Rio de Janeiro viveram nessa madrugada um verdadeiro cenário de guerra, os vídeos que circulam nas redes sociais mostram que o batalhão sanguinário e racista do Bope saiu invadindo várias casas de moradores destruindo tudo o que viam pela frente, os becos e ruas do Complexo do Alemão estão marcados com balas e bombas, o Bope conhecido por suas práticas covardes e violentas, entraram na favela com caveirão destroçando e fazendo da vida dos moradores um verdadeiro terror. Esse traço violento que as favelas do Rio de Janeiro sofrem diariamente é uma marca histórica do racismo e capitalismo no cotidiano dos moradores pobres e favelados.

Segundo informações do G1 o número de óbitos pelo COVID-19 é 14.543 isso com as subnotificações dos casos, ou seja, o número provavelmente deve ser maior do que os dados oficiais. O aumento do desemprego cresce cada vez mais no país, o medo do COVID-19 caminha lado a lado com o medo da fome. Como se não bastasse tudo isso o Witzel governador do Estado do Rio de Janeiro reserva para os moradores pobres de favelas violência, morte e terror.

Witzel usa cinicamente desse momento de pandemia e crise no governo para se colocar como uma alternativa política diferente do Bolsonaro para os trabalhadores, mas o que todos nós sabemos é que o Witzel só foi eleito porque se aliou ao bolsonarismo e que o Witzel e o Bolsonaro ambos estão preocupados em garantir os lucros dos patrões e grandes capitalistas, recentemente o próprio Witzel enviou para a Alerj um pacote de privatizações das instituições estatais do Rio de Janeiro. Semana passada o subsecretário de saúde foi preso, acusado de fraudar licitações e ontem dia 14.05, foi a vez do empresário Mário Peixoto, só a a família Peixoto possui contratos que chegam a mais de 81 milhões de reais com o Estado. O Governo Witzel, que no seu primeiro mandato assassinou pelas mãos da polícia mais de 1800 jovens negros e pobres. Witzel, se apoia na defesa do isolamento social, ao mesmo tempo que adota medidas repressivas por parte da polícia, hoje essa operação do Bope na favela do Alemão escancara a verdadeira face do governador Witzel.

Witzel até os dias atuais não adotou nenhuma medida de fato suficiente para garantir um atendimento médico público de qualidade em combate ao coronavírus, em nenhum momento o governador fala sobre testes massivos para toda população, os postos públicos de saúde seguem com precisão de respiradores, UTIs, EPIs. Esse Estado racista e assassino garante para as favelas tiroteio, mortes e repressão, enquanto milhares e milhares de moradores seguem sem nenhuma política assistencial do governador.

É uma verdadeira barbárie o que esses políticos reservam para a classe trabalhadora pobre e negra. É inadmissível que em plena pandemia os moradores de favelas sofram dessa forma com as operações policiais, principalmente as favelas do Rio de Janeiro que são propensas a grandes números de contaminados e mortes pelo COVID-19. Os moradores de favelas nesse momento de pandemia precisam de garantias suficientes para se manterem vivos, por isso defendemos um plano de obras públicas, com moradia digna e de qualidade, funcionamento pleno dos postos de saúde, como as clinicas da famílias e UPAs, com aumento da equipe de saúde para que seja suficiente para a prestação de serviços aos moradores, um auxilio emergencial no valor de 2.000, 00 reais para que seja suficiente uma alimentação de qualidade.

O esquerda diário se solidariza muito com os moradores que nesse momento sofre o terror desse Estado que contidamente nos violenta e em especial as famílias dos jovens assassinados toda nossa profunda solidariedade.




Tópicos relacionados

Wilson Witzel   /    Complexo do Alemão   /    Sociedade   /    Violência policial   /    Rio de Janeiro

Comentários

Comentar