Política

JUDICIÁRIO DOS RICOS

Cláudia Cruz, esposa de Cunha, é inocentada por Moro e sua justiça dos ricos

Nessa quinta-feira, dia 25, Sérgio Moro livrou da cadeia Cláudia, esposa de Eduardo Cunha, que dentre as investigações e delações da Lava Jato, foi acusada dos crimes de lavagem de dinheiro e evasão fraudulenta de divisas. Apesar da origem dos US$1 milhão de dólares que Claudia tem na Suíça serem, obviamente, oriundos do enriquecimento ilícito – palavras bonitas para roubo de dinheiro do povo – de seu marido.

Leticia Parks

São Paulo

quinta-feira 25 de maio| Edição do dia

Nessa quinta-feira, dia 25, Sérgio Moro livrou da cadeia Cláudia, esposa de Eduardo Cunha, que dentre as investigações e delações da Lava Jato, foi acusada dos crimes de lavagem de dinheiro e evasão fraudulenta de divisas. Apesar da origem dos US$1 milhão de dólares que Claudia tem na Suíça serem, obviamente, oriundos do enriquecimento ilícito – palavras bonitas para roubo de dinheiro do povo – de seu marido.

Segundo Moro, Cláudia teria sido apenas negligente ao usufruir de um dinheiro que não correspondia com os ganhos oficiais de seu marido, comendo em restaurantes caros de Paris, Milão, Madrid e comprando roupas caras.

Além de hipócrita, Moro conseguiu em seu pronunciamento, ser profundamente machista ao conduzir a uma ideia de que Cláudia, como mulher, não poderia ter consciência da origem de seu dinheiro e do exagero de seus gastos. Sua atitude não tem nada a ver com seu gênero, mas com a naturalidade como a burguesia e seus políticos tratam o fato de que usufruem indiscriminadamente do dinheiro público.

Essa dita justiça é a mesma que aprisiona sem julgamento cerca de 33% da população carcerária brasileira, a maior taxa mundial de presos sem julgamento e a 4ª maior população carcerária do mundo. Dentre os 67% que são julgados, muitos são os que não cometeram qualquer crime, pelo contrário, são expressão do racismo, crime esse diariamente cometido pelo Estado Brasileiro e sua Justiça, como Rafael Braga, que foi condenado a 11 anos de prisão quando foi apreendido em um ato contra o aumento da tarifa no Rio de Janeiro, um dos atos que ocorreram na jornada de Junho que fez o país tremer. O crime de Rafael foi portar Pinho Sol, sendo que até sua condenação por absolutamente crime nenhum, Rafael passou todo esse tempo preso, ou seja, quase 4 anos.

Enquanto os pobres e negros são julgados dessa maneira, Claudia Cruz é inocentada apesar de seus gastos estrapolarem o suposto orçamento de esposa de deputado e de ter documentos com sua assinatura comprovando a abertura absolutamente consciente e voluntária da tal conta na Suíça.


documento mostra assinatura de Claudia na abertura de conta na Suíça

Em meio a crise política, os escândalos de corrupção se escancaram e a atitude da justiça mostra como, independente da gravidade de cada caso que estampa as capas de jornais, a justiça é e sempre será dos ricos enquanto o Estado também for. As ilusões em Moro vão se desfazendo ao passo que a crise política aumenta e 28A e 24M chacoalham as alianças políticas e a já frágil estabilidade da ordem. Não daremos tampouco trégua à justiça racista e continuaremos exigindo liberdade à Rafael Braga e uma nova Constituição que mude as regras desse jogo onde só os ricos saem ganhando.




Tópicos relacionados

Sérgio Moro   /    Operação Lava Jato   /    Eduardo Cunha   /    Poder Judiciário   /    Política

Comentários

Comentar