CORRUPÇÃO

Witzel é ligado a empresário corrupto preso por desviar recursos da saúde durante a pandemia

O governo do Rio de Janeiro, que tem Witzel a frente como Governador, amanheceu mais uma vez envolto em um escândalo de corrupção. Em meio aos avanços na pandemia no país que já matou oficialmente mais de 10 mil pessoas e onde o Rio de Janeiro, junto com São Paulo, vem liderando o número de contaminados mesmo com a imensa subnotificação empresários e pessoas diretamente ligadas como o governo tem sido presa por desvios de verbas e casos de corrupção na área da saúde.

sexta-feira 15 de maio| Edição do dia

Se a uma semana atrás o subsecretário de saúde foi preso, acusado de fraudar licitações, hoje (14/05) foi a vez do empresário Mário Peixoto. A família Peixoto possui contratos que chegam a mais de 81 milhões de reais com o Estado, de acordo com a Folha Mario seria responsável por indicações em empresas e órgãos estatais tendo infinitos laços com o governo por meio de contratos de serviços terceirizados.

A operação Favorito, que levou Mário a prisão, emitiu 42 mandados de busca e apreensão e mais 3 de prisão que a Polícia Federal não revelou os nomes diz respeito a um a investigação dos anos de governo do ex-governador Sérgio Cabral. As prisões, em caráter preventivo, foram determinadas pela lava-jato porque de acordo com as investigações as operações de desvio e corrupção que envolviam um esquema de laranjas para os desvios dos recursos da saúde se mantinham mesmo envolvendo ações relacionadas ao combate ao COVID-19.

A prisão e os passos das investigações da lava-jato entram nos cálculos e disputas abertas entre os setores do governo e a lava-jato, que até recentemente tinha seu principal rosto como ministro do governo Bolsonaro. Mas também escancaram o quanto para os empresários e capitalistas nossas vidas não valem nada e a conveniência dos governantes, que como Witzel devem suas eleições a esses setores e as altas quantias que destinaram para sua campanha. O governador do Rio, enquanto tenta disputar a confiança dos trabalhadores diante do negacionismo de Bolsonaro para se colocar como uma alternativa na verdade busca garantir cada vez mais os lucros de seus aliados.

Leia mais aqui: Os novos realinhamentos no regime político brasileiro

Se apoia no discurso de isolamento social para aumentar medidas repressivas e para buscar avançar em planos de ataques e privatizações nos serviços públicos sem ter que se enfrentar com os trabalhadores nas ruas. Ao mesmo tempo que não garante as condições materiais para as pessoas ficarem em casa e, para o caso de adoecerem, se tratarem. Nem mesmo os leitos dos hospitais de campanhas prometidos foram entregues, faltam respiradores e as condições de trabalho dos profissionais da saúde vão desde a falta de EPI’s até atrasos de salários de tão precárias.

Veja aqui: Witzel deixa funcionários sem salários e EPIs em Hospital Estadual Anchieta

Veja aqui: Dos 1000 respiradores comprados por Witzel, só 52 chegaram e não servem pra Covid

E quanto isso as universidades desenvolvem projetos, como é o caso da UERJ e da UFRJ, e ações para garantirem materiais nos hospitais sem que tenham seus orçamentos recebido incentivos para isso. A Universidade do Estado do Rio de Janeiro, que veio sofrendo nos últimos anos com um profundo sucateamento, ainda é alvo de ataques por parte de Witzel nesse cenário de pandemia. O que mostra, junto com o total de zero iniciativas para converter a produção das fábricas do estado para que produzam materiais necessários ao combate da pandemia enquanto impõe que esperemos por materiais de fora do país quando estes poderiam ser produzidos aqui, que as prioridades de dos governadores não são tão tão diferentes das de Bolsonaro, querem manter os lucros dos seus aliados ao custo da vida dos trabalhadores.

Por isso não estatizam os leitos privados, não centralizam o sistema de saúde e o colocam sob controle dos trabalhadores, não garantem testes massivos para a população e uma série de outras medidas realmente necessárias para enfrentar a pandemia. Escândalos como esses, que enchem de ódio os trabalhadores que estao vendo os números se transformarem em rostos de pessoas próximas tornam mais urgente a defesa da estatização dos serviços privados e centralização dos serviços de saúde, além da efetivação sem concurso público de todos os trabalhadores da saúde, do controle dos trabalhadores sob todo o sistema de saúde para que nossas vidas estejam acima do lucro dos políticos e capitalistas!




Tópicos relacionados

pandemia   /    Coronavírus   /    Wilson Witzel   /    Corrupção   /    Saúde   /    Rio de Janeiro

Comentários

Comentar