Juventude

OCUPAÇÕES CAMPINAS

Três escolas permanecem ocupadas em Campinas

As escolas estaduais, Hugo Penteado, Gloria Aparecida Rosa Viana e Newton Oppermann da região do Campo Grande em Campinas, permanecem ocupada pelos estudantes contra a PEC do congelamento dos gastos e a Reforma do Ensino Médio.

quinta-feira 3 de novembro| Edição do dia

Foto: Izaque Izidoro

Em Campinas a primeira escola ocupada com a mesma pauta, juntando-se ao movimento das mais de mil escolas, Institutos Federais e Universidades ocupadas em todo o país foi na E.E Newton Pimenta na Região do Ouro Verde, que foi reintegrada sem mandato pela policia militar de Alckmin. Uma semana depois os estudantes do Ouro Verde voltaram as ruas do bairro para protestar e foram novamente reprimidos, agora pela guarda municipal do prefeito Jonas.

As manifestações e ocupações não pararam e na região do Campo Grande os estudantes se mobilizaram e ocuparam mais escolas, entre elas a Escola Ruy Rodrigues e que também foram reintegradas pela polícia que levou dezenas de estudantes para a delegacia, que após liberados deixaram um recado de resistência.

Nesta terça feira, após a realização do segundo ato na região, os estudantes retomaram algumas das escolas ocupadas, entre elas, as três que permanecem hoje e duas que foram desocupadas por decisão dos próprios estudantes ontem.

Veja vídeo de estudantes direto da ocupação do Hugo Penteado sobre os motivos da ocupação:

O governo Alckmin já mostrou que está decidido a barrar uma nova onda de ocupações na base da força policial que nem precisa mais de mandato para invadir as escolas ocupadas em São Paulo. Alckmin tem usado de forca policial continuamente para evitar o crescimento do movimento de ocupações. Já são inúmeras desocupação policiais só em Campinas para tentar intimidar de forma truculenta aqueles que lutam por educação. Na semana que precede o ENEM em todo o país, o Ministério da Educação do golpista Mendonça Filho tenta enfraquecer a luta dos estudantes nacionalmente ameaçando o cancelamento do ENEM que prejudicaria milhões de estudantes.

Mais que nunca é preciso fortalecer o movimento construindo uma ampla rede de solidariedade entre a comunidade escolar das regiões das escolas ocupadas e avançar na construção de mecanismos de organização democráticos, elegendo representantes nas escolas para conformar comandos e decidir os próximos rumos, coordenando a luta e unificando as ocupações em curso.




Tópicos relacionados

Ocupações   /    Reforma do Ensino Médio   /    PEC 241/55   /    Secundaristas   /    Campinas   /    Juventude

Comentários

Comentar