Sociedade

CEMIG

Temer tenta retirar concessões da Cemig e privatizar hidrelétricas em Minas Gerais

Na sexta-feira, 18, aconteceu o “Ato em Defesa da Cemig”, em uma das usinas alvo da disputa, a Hidrelétrica Miranda, em Indianópolis, a 45 quilômetros de Uberlândia (MG). Isso porque o governo golpista de Temer visa retirar a concessão da Cemig para abrir vias para a privatização de quatro usinas hidrelétricas (Miranda, São Simão, Jaguara e Volta Grande) que terá como resultado contas de luz ainda mais caras a serem pagas pela população e a intensificação da precarização do trabalho dos trabalhadores das usinas.

domingo 20 de agosto| Edição do dia

Essa medida de Temer é mais um ataque do governo golpista que diz que não pode prescindir de R$ 11 bilhões referente aos gastos com o controle das hidrelétricas quando não poupa milhões de reais para comprar deputados e senadores para passar ataques como a reforma da previdência e trabalhista e para salvar Temer das denúncias de corrupção.

O presidente da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), Bernardo Alvarenga, disse nesta sexta-feira, 18, que a estatal mineira está procurando alternativas para obter os R$ 11 bilhões necessários para que a companhia mantenha o controle das hidrelétricas. Apesar de indicar o avanço nas negociações, o presidente da Cemig salientou que o leilão não foi suspenso e está marcado para 27 de setembro, na sede da B3, em São Paulo.

Fernando Coelho Filho, ministro de Minas e Energia, disse em entrevista coletiva em São Paulo, que a União estaria disposta a discutir uma proposta da Cemig para que a estatal mineira possa obter novos contratos de concessão das usinas, desde que a companhia ofereça uma proposta "com garantia real" de pagamento dos R$ 11 bilhões ainda este ano. Ele salientou que a União não poderia prescindir de receber os recursos referentes à outorga das usinas ainda em 2017.

O governo golpista de Temer quer passar mais um ataque, desta vez com o leilão das hidrelétricas e o avanço da privatização da Cemig e a retirada de direitos de trabalhadores além de que vai impor, caso aconteça o leilão, à população pagar contas de luz ainda mais caras do que já pagamos hoje.

Abrir as vias para a privatização das hidrelétricas como almeja o governo de Temer seria aprofundar a realidade da precarização do trabalho a mando dos empresários, que aceitam o trabalho escravo nas empresas terceirizadas da Cemig, que inclusive já foi condenada a indenizar 179 trabalhadores expostos a condições de trabalho análogas à escravidão. As medidas dos golpistas tentam tornar regra a realidade indignante de mortes de trabalhadores nas empresas terceirizadas da Cemig.

É necessário um plano de luta independente contra a privatização das hidrelétricas São Simão, Jaguara e Volta Grande começando pela batalha imediata pela suspensão do leilão das concessões e batalhando contra os interesses dos empresários com o fim da terceirização na Cemig e efetivação imediata dos terceirizados e pela re-estatização da Cemig 100% pública sob controle dos trabalhadores em aliança com a população.

FOTO: Cemig/Divulgação




Tópicos relacionados

Juiz de Fora   /    Contagem   /    Sociedade   /    Belo Horizonte   /    Política

Comentários

Comentar