DESEMPREGO

Santander usa do desemprego para lucrar mais com absurda propaganda

Santander faz absurda propaganda afirmando que a nova carteira de trabalho de um desempregado é sua maquina de cartão. É fácil falar para senhores que lucram com metade do nosso orçamento anual com o pagamento da divida pública.

Guilherme Hamilton dos Santos Silva

Estudante de Historia UERJ

quarta-feira 6 de setembro| Edição do dia

A crise gerada por esse governo golpista tem atingido todas as áreas do Brasil, aplicando cortes e afetando investimentos em educação saúde e segurança.
Porém essa mesma crise não tem balançado em nada a classe burguesa dos bancários, em meio a uma das maiores taxas de desemprego da história do Brasil e cortes nos direitos trabalhistas, o banco Santander se aproveita do momento de crise para lucrar.

Em sua nova propaganda o Santander sugere que independente do motivo de seu desemprego (nesse discurso isentando o governo) sua “nova carteira de trabalho” é a máquina de cartão oferecida por eles, inflando assim o discurso do trabalhador autônomo.

Sabemos que isso dialoga diretamente com as novas regras da reforma trabalhistas na qual nos retiram direitos e se isentam de vínculos empregatícios com seu funcionário, um discurso encorpado na ideologia liberal na qual esses empresário usam para lucrar.

Lembramos que esses bancos que nos exploram em momento de crise são os mesmo que continuam a receber isenções desse governo golpista, só o banco Itaú recebeu em isenções uma média de R$ 25 bilhões, e obteve um lucro de R$ 15 bilhões, já o Santander uma isenção por volta de R$ 338 milhões e um alto lucro em seus rendimentos, assim encabeçando juntos Itaú, Santander e Bradesco o topo da lista das empresas mais lucrativas, como podemos ver na seguinte reportagem (Link aqui).

Enquanto estamos sofrendo com cortes e desemprego essa classe burguesa nos explora e seguem enriquecendo e rindo de nossa condição, não há diálogo com essa gente é luta até sua derrubada.

Veja a absurda propaganda: (Link aqui)




Tópicos relacionados

precarização   /    Nossas vidas valem mais que o lucro deles   /    Demissões   /    Desemprego

Comentários

Comentar