Educação

PROFESSORES

Professores do MRT batalham para que a APEOESP, a CUT e a CTB chamem assembleias e comitês para combater Bolsonaro

Os professores do MRT e do Nossa Classe – Educação interviram nas reuniões de representantes de escola da APEOESP (Sindicato dos professores do estado de São Paulo) para que a APEOESP, a CUT e a CTB organizem imediatamente assembleias e milhares de comitês para construirmos uma verdadeira força social contra a extrema-direita personificada em Bolsonaro.

Danilo Magrão

Professor de sociologia da rede pública

quarta-feira 24 de outubro| Edição do dia

Nossas intervenções foram para convencer cada professor e professora que a CUT de Haddad, e a CTB de Manuela D’Avilla precisam romper sua paralisia e organizar imediatamente essas medidas de luta e organização. Não podemos permitir que nossos direitos sejam esmagados e a educação pública completamente destrúida como propõe Bolsonaro. Não podemos aceitar que novos assassinatos como do Mestre Moa, Marielle Franco e Laysa promovidos pelos seguidores de Bolsonaro sigam acontecendo.

Em todas as reuniões intervirmos denunciando o projeto ultra-reacionário de Bolsonaro, que tem entre seus principais inimigos a educação pública e os professores. Declaramos também que, em meio a eleições fortemente manipuladas e fraudadas, com a proscrição da candidatura de Lula, a interferência dos militares em diversos momentos, o escândalo dos registros por biometria que exclui milhões de eleitores, a forte manipulação midiática e a recente denúncia de caixa 2, com milhões gastos por grandes empresários para promover fake news a favor do Bolsonaro, nós acompanhamos cada professor e professora que irão votar em Haddad, mas se depositar nem um apoio político e programático ao PT.

Votamos criticamente porque nos opomos ao programa e política de conciliação de classes do PT nos seus 13 anos de governo, quando sucessivamente abriu espaço para essa direita, e desde o golpe institucional tem se negado a organizar a classe trabalhadora para lutar.

Conseguimos aprovar chamados para que as centrais, em especial a CUT e a CTB, organizem assembleias e comitês por todo o país. Agora temos que nos apoiar nessas votações para que essas políticas realmente se implementem, uma vez que essas centrais insistem em se manter nos marcos de uma estratégia meramente eleitoral que será incapaz de derrotar a extrema-direita.

Na reunião de Campinas a CUT se opôs e defendeu contra nossa proposta de organizar uma assembleia da categoria para debatermos como organizar nossa luta. Muitos professores votaram a favor da nossa proposta, a ponto da direção sequer querer contar os votos, apesar da nossa insistência. É urgente a CUT romper a paralisia, a estratégia meramente eleitoral do PT e da CUT é impotente para derrotar a extrema-direita.

Em Santo André, a subsede é dirigida por uma corrente de oposição (Renovar pela Luta). Essa corrente negou nossa proposta para que a própria subsede organizasse um comitê específico de professores, para que possamos organizar nossa categoria. Contudo se opuseram à essa proposta afirmando que outros comitês já existem, e portanto, são incapazes de se colocar como alternativa a direção da APEOESP se negando a organizar a luta contra Bolsonaro a partir dos sindicatos.

Na Zona Norte de São Paulo protocolamos dias antes uma proposta para que a reunião de representantes de escolas fosse aberta, para já se configurar como um comitê. Também nessa reunião foram aprovadas moções de repúdio contra as agressões sofridas pela professora Odara Dèlé, e a ameaça sofrida pela professora Vanessa Gravino.

Nós do Movimento Nossa Classe – Educação convidamos cada professor e professora a tomar essa luta como sua, exigindo das direções de suas subsedes e da APEOESP uma verdadeira luta para defender nossos direitos e a educação pública.

Convidamos também todos a entrar em contato através de nosso facebook, Movimento Nossa Classe – Educação, para construírem junto conosco essa agrupação, na perspectiva que apontamos em nossas intervenções.

Confira abaixo as moções e nossas intervenções nas reuniões de representantes de escola da APEOESP:

Apeoesp Campinas chamam todas as centrais sindicais a organizarem assembleias e milhares de comitês em todas as categorias para enfrentar Bolsonaro

Frente a ameaça que o projeto de Bolsonaro representa à educação pública, aos direitos dos trabalhadores e à cada mulher, LGBT, negro e indígenas, as centrais sindicais (CUT, CTB, Intersindical, Força, UGT) precisam imediatamente organizar assembleias e milahres de comitês em todas as categorias, por todo o país, para derrotarmos a extrema direita.

Reunião de Representantes de Escolas – subsede Campinas da APEOESP

Chamado dos professores da zona norte para que CUT e CTB construam milhares de comitês pelo país

Nós professores da subsede norte da APEOESP fazemos um chamado à CUT e CTB, que hoje dirigem os maiores sindicatos do Brasil, para juntos construir e massificar milhares de comitês de luta contra Bolsonaro, os golpistas e as reformas contra a classe trabalhadora.

Nesse momento precisamos derrotas a extrema-direita, que se fortalece, e é preciso organizar à força da classe trabalhadora nas ruas e nos locais de trabalho e estudo.

Professores da subsede norte da APEOESP

Moção de repúdio a ameaça sofrida pela professora Vanessa Gravino

Nós professores da zona norte de São Paulo repudiamos as ameaça de motivação política sofridas pela professora e diretora da Apeoesp Vanessa Gravino.

Um homem de moto a abordou e disse: “fica na sua no segundo turno ou então saberá o que é estupro coletivo”.

Responsabilizamos também Jair Bolsonaro, representante da extrema-direita que fomenta discursos racistas, machistas e homofóbicos, e que é filho legitimo da ditadura militar.

Nós professores seremos a ponta de lança contra a extrema direita e todo seu ódio á classe trabalhadora nas ruas.




Tópicos relacionados

Educação   /    Política   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar