Política

PRIVATIZAÇÃO

Petrobras aprova venda de malha de gasodutos do Sudeste a consórcio estrangeiro

Nesta sexta (23), a Petrobras declarou que irá vender toda malha de gasodutos do Sudeste do país a um consórcio liderado pela empresa canadense Brookfield sob um valor de US$5,20 bilhões.

Ítalo Gimenes

Coordenador do CACH - Unicamp

sexta-feira 23 de setembro| Edição do dia

O consórcio comprador é formado ainda pelo fundo de pensão British Columbia Investment Management Corporation (BCIMC), e os fundos soberanos da China e de Cingapura.

O valor da venda, de US$5,2 bilhões, não chega a um 1/3 do que a Petrobras estabeleceu como meta da venda de ativos nesse ano, cujo valor chegaria a US$19,5 bilhões, meta essa que fora aumentada em mais de 3 bilhões de dólares em relação ao ano anterior.

Com a venda, 90% da NTS (Nova Transportadora do Sudeste), empresa criada em 2015 a partir da cisão da TAG (Transportadora Associada de Gás), que tem 2.050 quilômetros de gasodutos e 44 pontos de entregas de gás na região Sudeste, será entregue à Brooksfield. Subsidiária da Petrobras, a NTS detinha os ativos de transporte de gás natural no Brasil.

Isso significa que a NTS poderá buscar outros “clientes no mercado” que não à Petrobras, quando houver disponibilidade de capacidade de transporte. Ainda assim, segundo a estatal, ela permanecerá como a principal cliente da NTS.

Uma outra empresa fruto da cisão da TAG, a NTN (Nova Transportadora do Nordeste), também será negociada, mas a Petrobras ainda não informou detalhes da venda.

Não obstante, a venda da NTS permitirá que a empresa, sob jugo do capital estrangeiro e de seus interesses particulares, participe de projetos de expansão da malha brasileira de gasodutos.

De acordo com o gerente executivo de gás natural da companhia, Rodrigo Costa Lima, a malha da NTS continuará sendo operada pela Transpetro, subsidiária da Petrobras, por meio de um contrato de prestação de serviços, no médio prazo.

A Petrobras terá que pagar à NTS pelo transporte do gás de acordo com tarifas previstas em contrato. Lima disse que os valores são regulados e, por isso, são os mesmos pagos à NTS antes da venda. A diferença é q o dinheiro será destinado aos bolsos dos empresários do consórcio, dos donos da Brooksfield.

Lima informou que a primeira parcela dos recursos, de US$ 4,34 bilhões, deve entrar no caixa da companhia ainda este ano. Os US$ 850 milhões restantes serão pagos em cinco anos.

Em nota divulgada nessa sexta-feira, a Petrobras afirma: "Essa operação abre oportunidades para que parcerias com outras empresas, com larga experiência e condições de investimento, contribuam para o fortalecimento da indústria de gás natural no Brasil".

O que na realidade essa operação abre é a oportunidade para que a riqueza natural do país esteja ainda mais voltada para a produção de lucro dos empresários do grande capital. Não obstante, centenas de trabalhadores da Transpetro agora terão seus direitos e condições de trabalho nas mãos dos interesses sempre muito aviltantes do capital estrangeiro.

É uma operação que visa entregar os recursos naturais ao imperialismo, maior patrocinador do golpe que colocou Temer e seu governo privatista no poder, além de impor uma derrota brutal a uma categoria importante de trabalhadores, que já fora protagonistas de grandes lutas como em 1995, e assim impor um sentimento de derrota aos trabalhadores de conjunto, através da deterioração de suas condições de trabalho.

Os petroleiros ficaram calados diante desse grande ataque? A FUP e a CUT devem romper com a sua criminosa paralisia e construir uma greve com forte papel da base de petroleiros, através de espaços de verdadeira democracia de base.​




Tópicos relacionados

Privatização da Petrobras   /    Política

Comentários

Comentar