Educação

RIO GRANDE DO SUL

Organizar a luta da educação no RS contra a precarização imposta por Sartori

Frente ao 28º de calote nos salários dos servidores públicos do Rio Grande do Sul, junto aos planos do governo de demissões, terceirização e privatização da educação pública, é urgente que o CPERS convoque uma assembleia geral dos trabalhadores em educação para que se possa organizar efetivamente a luta. O sindicato da categoria chama todos para uma semana de mobilização, é o momento de enfrentar o governo e preparar a luta!

segunda-feira 2 de abril| Edição do dia

Os servidores públicos do RS vêm sofrendo com os ataques do governo Sartori durante os últimos 3 anos. Diante do 28º sem o pagamento regular dos salários, da ameaça da terceirização eminente que já está em andamento (segundo o Secretário de Educação, as demissões dos funcionários contratados que serão substituídos por terceirizados já começaram pelos trabalhadores da manutenção e merenda e depois outros setores), do fechamento de turmas, turnos e escolas, do não pagamento da reposição dos 22,73% e do total descaso com a educação pública, é necessária uma assembléia geral para que se possa organizar efetivamente a luta contra os brutais ataques de Sartori! O sindicato da categoria chama todos para uma semana de mobilização e é mais do momento de enfrentar o governo!

A situação é gravíssima, principalmente para os contratados, que representam a parte mais vulnerável da categoria. A SEDUC e a CRE de Santa Cruz do Sul já demitiram funcionários de escola, (segundo informações de professores do núcleo da cidade), deixando claro o plano do governo que é colocar todos os contratos pra rua e contratando novamente de forma terceirizada.

A defesa dos contratados também deve ser pauta central das mobilizações da semana que se inicia. A greve de 2017 mostrou o quanto se faz necessária uma luta que apresente uma defesa real a estes trabalhadores com situação tão precarizada, pois nesta mesma greve o principal ataque foi contra os contratados.

Nós do movimento Nossa Classe e do grupo de mulheres Pão e Rosas defendemos a efetivação imediata dos trabalhadores contratados na ativa, como resposta para a situação de trabalho precário em que estes se encontram.

Em SP os professores e demais trabalhadores do município acabam de vencer uma batalha contra Dória. É nessa força que os educadores do RS devem se apoiar para derrotar Sartori. Organizar em cada escola a luta contra a terceirização e a privatização, colocando a necessidade de efetivação dos contratados, para que não sejam mais perseguidos e ameaçados nas escolas e para que tenham o mesmo salário e os mesmos direitos, tornado a categoria mais forte.

É um grave ataque aos trabalhadores em educação e funcionários que deve ser barrado pela luta de todos! Precisamos que esta semana de mobilização seja parte da preparação de uma grande assembleia geral da categoria, que a direção do CPERS tem obrigação de convocar frente à situação que é colocada pelo governo.

Precisamos nos mobilizar por cada local de trabalho! É mais um mês sem salários e com o anúncio de terceirização e demissão de contratados!

Aulas cidadãs estão sendo chamadas pelo sindicato, além de um ato no dia 04/04 convocando toda a categoria para a luta! Vamos com tudo, mostrar para o governo que não aceitaremos a precarização total da educação do RS e exigindo da direção do sindicato a convocação de uma assembleia geral já!

Para a semana que se iniciará, temos que estar todos e todas nas ruas para barrar mais estes ataques do governo Sartori!! Todas as escolas fechadas, alunos, comunidade escolar e professores na luta pela da educação pública do RS!

Basta!
Organizar a luta dos trabalhadores em educação do RS contra Sartori já!




Tópicos relacionados

Rio Grande do Sul   /    Sartori   /    Porto Alegre   /    Caxias do Sul   /    Crise gaúcha   /    Educação

Comentários

Comentar