Juventude

MINAS GERAIS

Ocupação do Banco Central por estudantes é reprimida pelo BOPE

Os estudantes secundaristas e universitários em conjunto com a AMES-BH (Associação Metropolitana dos Estudantes Secundaristas de Belo Horizonte) organizaram uma ocupação na sede do Banco Central De Belo Horizonte que rapidamente foi reprimida pelo BOPE, a polícia de operações especiais de Minas Gerais.

segunda-feira 12 de dezembro de 2016| Edição do dia

A iniciativa (VEJA AQUI A NOTA PUBLICADA) se soma a resposta que estudantes de todo o Brasil tem dado ao governo golpista e seus ataques, mais especificamente a PEC55 que será votada em segundo turno na próxima terça feira(13). Em poucas horas da ocupação a polícia de Pimentel já estava a postos para mais uma repressão contra os estudantes.

Em Minas Gerais, os estudantes secundaristas vem por diversas formas procurando unificar suas lutas com os universitários e trabalhadores, partindo desde a participação das atividades das ocupações universitárias até os atos duramente reprimidos pela polícia do governador Fernando Pimentel (PT). Ele que e do mesmo partido que foi incapaz de lutar contra o golpe, e que em Minas Gerais faz o serviço sujo dos golpistas ao reprimir nossas lutas.

Analisando toda a conjuntura nacional, onde os golpistas apresentam uma crise como válvula motivacional para os ataques aos trabalhadores, a ocupação no Banco Central de Belo Horizonte, nos trás uma válida reflexão marxista. No Manifesto do Partido Comunista, escrito por Karl Marx e Friedrich Engels, ao falar sobre a origem das crises, eles dizem "Mas a burguesia não apenas forjou as armas que lhe trazem a morte; gerou também os homens que a empunharão [...]" e sobre a forma de contenção da mesma eles completam dizendo "Como a burguesia supera as crises? Por um lado, com a aniquilação forçada de uma massa de forças produtivas [...]."
Essa analogia nos mostra que, a crise é criada pelos burgueses que querem a descontar sobre as costas dos trabalhadores com o objetivo de lucrarem mais, mas ela também nos mostra que a burguesia forja as armas que lhe trazem a morte: trouxe também os trabalhadores modernos e o proletariado que empunhamos essas armas.

É importante seguir não aceitando a crise criada pelos burgueses, se colocando contra o governo golpista e seus ataques e com base nas ocupações estudantis preparar a luta por uma nova constituinte imposta por nós estudantes e trabalhadores, nas ruas, na luta.

#Abaixo a repressão
#Abaixo esse governo golpista que está passando a tiro, porrada e bomba a PEC
#Por uma constituinte livre e soberana imposta pelas lutas

Fotos: Facebook Ames BH




Tópicos relacionados

Contagem   /    Belo Horizonte   /    Juventude

Comentários

Comentar