Mundo Operário

ATAQUE AOS DIREITOS TRABALHISTAS

O Imperialismo quer que o golpista Michel Temer ataque mais os trabalhadores

Guilherme de Almeida Soares

São José dos Campos

quinta-feira 8 de setembro| Edição do dia

O presidente golpista Michel Temer desembarcou no Brasil, depois do encontro do G-20, no meio de um cabo de guerra em relação ao calendário mais indicado para atacar a previdência e as leis trabalhistas. Existe um setor que defende apressar os ataques, enquanto outros preferem que ele vá mais devagar.

No caso dos ataques dos direitos trabalhistas, o governo golpista já se manifestou em defesa da ‘’livre negociação’’ entre trabalhadores e patrões no lugar da CLT. Mas para o imperialismo, esta premissa é muito pouco para definir como vão funcionar, na pratica, estas novas diretrizes. A própria constituição já permite atacar itens como jornada de trabalho, bancos de horas e redução do salário. Se vingar a proposta alcança benefícios como 13º e férias, além do próprio FGTS.

Enquanto este debate continua, o governo golpista decidiu acelerar o projeto de terceirização, aprovado na Câmera em 2015 e estacionado no Senado. O objetivo é dar uma resposta para os grandes empresários, que insistem nos ataques nos direitos trabalhistas. Um dos projetos que volta a discussão é o PL 4330, que permite que se terceirize as atividades fim.

Uma das propostas do governo golpista é a criação de um contrato de trabalho por numero de horas, uma forma para que os patrões contratem com uma jornada de trabalho inferior á estipulada pela Consolidação das Leis Trabalhista e pagar direitos proporcionais a este valor. Esta proposta está no texto final do projeto da ‘’reforma trabalhista’’.

O ministro golpista do trabalho, Ronaldo Nogueira, afirmou ontem que os ataques dos direitos trabalhistas formalizara acordos coletivos com jornada de trabalho até 12 horas. O argumento do golpista Ronaldo Nogueira é que o governo de Temer pretende aumentar a segurança jurídica dos contratos de trabalho que não seguem o padrão firmado pela Consolidação das Leis Trabalhistas.

Após ter anunciado publicamente as primeiras medidas contra a classe trabalhadora, o imperialismo deu uma primeira sinalização para o governo golpista pedindo mais ataques. Frente a este pedido de setores imperialistas e também de alas da burguesia nacional em torno do PSDB, o governo golpista anunciou diversas medidas que visa aumentar consideravelmente a taxa de lucro dos grandes empresários e banqueiros.

Com isso os golpistas querem ver os trabalhadores enfiados na pobreza absoluta. Quando pregam que os ‘’empresários encontram dificuldades para empregar com as leis trabalhistas’’, querem colocar que os trabalhadores estejam cada vez mais na miséria. O que a turma golpista de Michel Temer quer é que a realidade do trabalho precário seja a única realidade para os trabalhadores.

Com o anuncio destas medidas, o governo golpista de Michel Temer já tem que enfrentar uma primeira crise politica dentro do golpismo. Esta crise política se desenvolve por conta de um setor que defende que os ajustes fiquem apenas para depois das eleições municipais, fazendo com que o imperialismo encontre uma barreira para que os ataques sejam aplicados.

Não podemos aceitar que estes políticos privilegiados ataquem mais a nossa condição de vida. É mais do que preciso lutar contra este governo golpista e pra isso é preciso um plano de luta que barre as privatizações, mas também os ataques que já estão em curso e os que estão por vir. Neste sentido é necessário que a CUT e CTB rompam com a sua passividade e comecem a organizar os principais bastiões operários em que estão inseridos.




Tópicos relacionados

Golpe institucional   /    Direitos Trabalhistas   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar