Política

AJUDANDO OS CAPITALISTAS DA SAÚDE

Ministro de Temer financiado por planos de saúde autoriza expansão de seus negócios

O projeto do ministro da saúde de Temer, Ricardo Barros, para que as empresas criem planos de saúde "mais acessíveis" e que não dão cobertura nem à emergências recebeu a autorização da Agência Nacional de Saúde.

quinta-feira 14 de setembro| Edição do dia

Barros teve sua campanha financiada pelos capitalistas dos planos de saúde e tem como uma de suas principais metas como ministro ajudar os capitalistas desse setor que o financiaram.

Em tempos de crise, os planos perderam muitas adesões feitas por empresas, e precisam recorrer a novos mercados para manterem seus lucros. Assim, Ricardo Barros fez sua parte propondo os planos de saúde "acessíveis": com mensalidades mais baixas e cobertura reduzida.

Agora, a Agência Nacional de Saúde (ANS) deu autorização para implementar diversas medidas desses planos, como a chamada "coparticipação", em que o usuário tem de pagar, além das mensalidades, uma parcela dos custos dos serviços oferecidos pelo plano toda vez que usá-los.

Além disso, a ANS autorizou que os planos não cubram sequer o atendimento de emergência nas primeiras 24h, o que era uma exigência legal.

A nota de Ricardo Barros afirma: "O relatório da ANS demonstra que os planos acessíveis podem ser implementados pelo mercado, sendo de livre escolha do consumidor optar pela adesão. Tratam-se se ações previstas em resoluções e práticas do mercado. ANS, portanto, deve garantir a qualidade desses produtos ofertados."

Assim, depois de garantir a destruição ainda maior da saúde pública com a PEC 55 do teto de gastos, agora o governo garante a "livre escolha" dos clientes dos planos de saúde de terem que aderir aos novos planos, enchendo os bolsos dos capitalistas para garantir uma cobertura precária.

É mais uma amostra de como os governos capitalistas estão a serviço de garantir os lucros dos empresários, passando por cima de qualquer direito elementar da população.




Tópicos relacionados

Governo Temer   /    medicina do capital   /    Governo Federal   /    Saúde   /    Política

Comentários

Comentar