Sociedade

PRIVATIZAÇÃO

Metrô adia leilão da Linha 5 - Lilás obedecendo aos empresários

sexta-feira 30 de junho| Edição do dia

A Secretaria Estadual dos Transportes Metropolitanos adiou o leilão que ocorreria na próxima terça-feira, 4, para escolher uma concessionária que vai operar a Linha 5-Lilás do Metrô, ramal em obras na zona sul da cidade que deve estar concluído até o ano que vem. A promessa do governador Geraldo Alckmin (PSDB) é entregar ainda em 2017 9 das 10 estações em construção para a iniciativa privada a preço de banana. O ramal já opera entre Capão Redondo e Santo Amaro, na Estação Adolfo Pinheiro.

Por meio de nota, a secretaria informou o adiamento "atende a um pedido de empresas do setor para que tenham mais tempo para preparar suas propostas e visa permitir ainda que mais companhias possam participar da concorrência".

O leilão inclui ainda a operação da Linha 17-Ouro, o monotrilho da zona sul, em obras na região da Avenida Jornalista Roberto Marinho. A ideia do governo é beneficiar grandes construtoras fazendo com que um operador privado administre as linhas.

Em entrevistas passadas, o secretário de Transpores Metropolitanos, Clodoaldo Pelissioni, deu a esfarrapada desculpa de que esses ramais precisam de um operador privado, afirmando que o Metrô "não tem funcionários suficientes para operar mais essas linhas além das cinco linhas que já administra" (1-Azul, 2-Verde, 3-Vermelha, 5-Lilás e 15-Prata, uma vez que a Linha 4-Amarela já é concedida à empresa ViaQuatro), deixando claro o real interesse do governo que quer seguir diminuindo o quadro de funcionários públicos para contratar outros funcionários contratados com condições mais precárias e salários menores com menos benefícios, uma vez que estas linhas sejam privatizadas. Assim, a ideia original era conceder esses ramais antes de a operação comercial se iniciar.

O leilão tem lance mínimo definido em R$ 189,6 milhões. Quem vencer vai receber parte da receita das bilheterias e pode explorar comercialmente as estações por um período de 20 anos. "O valor estimado do contrato é de R$ 10,8 bilhões, o que corresponde à soma das receitas tarifárias de remuneração e de receitas não operacionais, como exploração comercial de espaços livres nas estações, por exemplo", informa a secretaria. Há previsão que a empresa vencedora faça investimentos, nesse período, de até R$ 3 bilhões.

A nova data do leilão ficou para 28 de setembro. Assim como ocorreria na terça, o leilão deve ocorrer na BM&F Bovespa.

Mais lucros aos grandes empresários, pior qualidade nos transportes à população

Segundo o jornal Estado de SP três estações da Linha 5 devem ter as obras concluídas e início da operação assistida já no mês que vem, segundo promessa feita pelo governador em março. São elas: Alto da Boa Vista, Borba Gato e Brooklin. Até dezembro, o ramal deverá ser integrado às linhas 1-Azul (na Estação Santa Cruz) e 2-Verde (em Chácara Klabin). A última estação restante, Campo Belo, ficará para 2018.

Sob o governo de Geraldo Alckmin, a Linha 5 foi alvo de investigações sobre atuação de cartel tanto nas obras civis quanto na aquisição de material rodante. Ela chegou a ficar paralisada por causa das investigações. A promessa original é que ela tivesse sido aberta em 2015.




Tópicos relacionados

Privatização   /    Sociedade   /    Metrô   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar