Política

PRIVATIZAÇÃO DA ELETROBRÁS

Governo enviará proposta de privatização da Eletrobrás ao Congresso em outubro

Entre as usinas que poderiam ter direito a novos contratos com a proposta do Governo estão Tucuruí, Serra da Mesa, Itumbiara, Sobradinho e Balbina, entre outros ativos 100% estatais e controlados por subsidiárias da Eletrobrás.

Lucas Pereira

ABC Paulista

terça-feira 3 de outubro| Edição do dia

O ministro de Minas Energia, Fernando Coelho Filho, disse que o governo encaminhará ao Congresso, ainda neste mês, a proposta de privatização do Grupo Eletrobrás. Até o fim da próxima semana, afirmou o ministro. Os estudos sobre a possibilidade de antecipar o fim dos contratos de todas as usinas da estatal devem ser concluídos, para que sejam oferecidos por mais 30 anos, medida que poderia encher o caixa do Tesouro no leilão.

Entre as usinas que poderiam ter direito a novos contratos estão Tucuruí, Serra da Mesa, Itumbiara, Sobradinho e Balbina, entre outros ativos 100% estatais e controlados por subsidiárias da Eletrobrás.

"Até o final da próxima semana deve estar com essa modelagem bastante avançada", disse Coelho Filho. "Eu tive oportunidade de, na sexta-feira, numa reunião entre as equipes do Ministério de Minas e Energia e da Fazenda, poder acompanhar as discussões. A reunião contou com a presença do ministro Henrique Meirelles. As coisas estão andando bem e nós esperamos, até o final da próxima semana ou início da outra, levar essa modelagem para o presidente (Temer), para poder estar com ela no Congresso já no mês de outubro."

A privatização vai aumentar a taxa de desemprego, visto que privatizar a Eletrobrás geraria um verdadeiro massacre aos trabalhadores, uma vez que a privatizações sempre têm levado a demissões em massa dos trabalhadores concursados, além da precarização generalizada das condições de trabalho.
O objetivo da privatização não é cumprir um “papel social”, mas gerar lucros a qualquer custo para um punhado de parasitas.

O governo está querendo vender a Eletrobrás para tapar um buraco conjuntural.




Tópicos relacionados

Eletrobrás   /    Governo Temer   /    Michel Temer   /    Política

Comentários

Comentar